Home » Ciência » Não perca: 7 minutos de terror 2 - a missão - InSight pousará em Marte 26/Nov às 17h

Não perca: 7 minutos de terror 2 - a missão - InSight pousará em Marte 26/Nov às 17h

A sonda InSight irá pousar em Marte dentro de algumas horas. Saiba mais sobre essa missão baratinha, mas ambiciosa da NASA!

16 semanas atrás

Todo mundo adora a Curiosity, a ideia de um carro-robô andando em Marte é incrível, mas o lado ruim é que o custo da missão é enorme. O Mars Science Laboratory, nome da missão que engloba a sonda e o robô, custou US$ 2,6 bilhões (quase R$ 11 bilhões), a NASA não tem grana pra mandar missões assim toda hora, então pensaram em missões mais em conta, tipo aquele Uber que não tem balinha. O resultado foi a InSight, que pousará hoje, depois de 205 dias de viagem, custou bem mais em conta.

Lançada por um Atlas V da United Launch Alliance, a sonda projetada pelo Jet Propulsion Lab e construída pela Lockheed Martin, faz uso de um monte de tecnologias já existentes, incluindo peças que eram backup de outras missões, e seus instrumentos foram construídos por vários países. É uma mini-missão internacional englobando cientistas e universidades espalhados pelo mundo. (você não, Brasil)

Os objetivos são bem mais modestos. A InSight não tem um coração atômico, nem a pretensão de sobreviver com 10 anos. Na verdade, ela não vai nem sair do lugar. Isso mesmo, a InSight (Interior Exploration using Seismic Investigations, Geodesy and Heat Transport) nem tem rodas.

Apesar de não se mover e ter um custo (inicial) bem mais em conta, as pretensões da InSight são planetárias! Ela tem dois instrumentos principais: um sismômetro e uma sonda térmica de penetração (ui!).

Ninguém sabe se Marte tem terremotos, ou Martemotos, pra ser bem pedante. As sondas Viking levavam sismômetros mas algum gênio decidiu prender os instrumentos ao corpo da sonda, então todas as partes mecânicas móveis interferiam com as leituras, que também eram afetadas pelo vento.

Desta vez não, violão! O sismômetro ficará longe da sonda, ligado a ela por um cabo, e ainda há uma proteção extra para o SEIS (Seismic Experiment for Interior Structure), um equipamento de responsabilidade da Agência Espacial Francesa, construído por laboratórios e universidades da França, Alemanha, Suíça e Inglaterra.

Depois de posicionado, o SEIS será coberto com isto:

Ele ficará assim:

O SEIS é tão sensível que conseguirá detectar alterações sísmicas provocadas pelas passagens das luas de Marte, mas essa sensibilidade exige que ele funcione no vácuo absoluto, e isso foi um problema. Em 2016 durante testes foram detectados vazamentos na câmara de vácuo do sismômetro.

Em termos comparativos, era um vazamento pequeno, um vazamento equivalente em um pneu significaria que você só teria que calibrar o bicho depois de 300 anos, mas o SEIS não podia se dar ao luxo de vazar. Como resultado eles perderam a janela de 2016, e a sonda com o sismômetro consertado foi pro armário, isso aumentou os custos da missão em US$150 milhões, ficando a InSight com um custo total de US$830 milhões. Sim, esse é um projeto do governo barato.

Com os dados do SEIS os cientistas irão descobrir se o núcleo de Marte é sólido ou líquido, em que velocidade ele gira, qual a composição e espessura das camadas que compõe o planeta e mais toneladas de outros dados. Ele irá detectar colisões de meteoros, que geram ondas sísmicas que se propagam por todo o planeta, trazendo suculenta informação.

Outro instrumento importante é o HP3, também conhecido como Heat Flow and Physical Properties Package. Ele é uma espécie de broca que irá penetrar no solo marciano em até cinco metros de profundidade. O sismógrafo irá analisar as vibrações e determinar variações na composição do solo, e acompanhando a broca há uma fita de sensores térmicos altamente precisos espaçados a cada dez centímetros, com isso saberemos exatamente como o subsolo marciano se comporta termicamente.

A broca é uma maravilha da engenharia, usando molas e motores ela é uma estaca que se enfia sozinha no solo, mas há outros equipamentos, além de duas câmeras com resolução de 1024 x 1024 pixels, cujo objetivo primário é verificar o posicionamento dos instrumentos, mas que renderão ótimas fotos. Radiômetros, sensores meteorológicos e até um refletor italiano para que sondas orbitais atinjam a InSight com lasers e meçam sua altitude com precisão.

Isso tudo, claro, só vai acontecer SE a InSight pousar com sucesso e a média de missões marcianas bem-sucedidas é só de 40%. Primeiro de tudo ela terá que passar pelos tais sete minutos de terror, uma série precisamente coreografada de manobras que devem ser executadas com precisão de pentelhonésimos de polegada, indo desde a entrada na atmosfera no ângulo preciso, ao acionamento dos paraquedas supersônicos. Ao final a InSight pousará com retrofoguetes, acionados precisamente a 1 km de altitude.

O pouso será às 17h47 no horário de Brasília, mas a NASA começará a transmitir em definitivo já às 17h. Como sempre nesses casos, nós seremos tão telespectadores quanto eles. Marte está a 145 milhões de km da Terra nessa época do ano, um sinal de rádio levaria oito minutos para chegar até a InSight e mais oito minutos para recebermos a resposta.

Você poderá acompanhar o pouso direto da NASA TV:

 

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários