Windows 10 recomenda: não instale o Chrome ou o Firefox, você já tem o Microsoft Edge

A Microsoft continua com sua política agressiva de promoção do Windows 10 e seus recursos: além de downloads e atualizações não solicitadas, notificações chatas e uso do FUD para fundir a cuca do consumidor e forçar o update,  ela jogou sujo de modo a privilegiar suas soluções próprias em detrimento de terceiros, especialmente no que diz respeito ao navegador Edge.

A empresa usou notificações para desestimular o uso do Google Chrome, além de por design a atualização de um Windows anterior para o 10 torna o browser nativo o padrão, o que desagradou a Mozilla. Agora, a Microsoft pretende incluir um grande alerta para desestimular a instalação de um navegador concorrente.

Nas última versão de teste do Windows 10, liberada para usuários do programa Insider uma janela pop-up aparece tão logo o sistema detecte o início do processo de instalação do Google Chrome ou do Firefox. A mensagem diz “você já possui o Microsoft Edge — o navegador mais seguro e rápido disponível para o Windows 10” e oferece três opções: abrir o browser nativo, prosseguir com a instalação ou mudar as configurações para desativar o alerta.

Normalmente, as alterações inclusas nas versões de testes são relacionadas no controle interno da Microsoft ou divulgadas pelo blog oficial, mas desta vez a janela de aviso foi incluída de modo silencioso. Caso venha a ser aprovada, ela deverá ser incluída na segunda grande atualização anual do Windows 10, a October 2018 Update (1809) que será lançada no próximo mês.

“Begwares”

Esta não foi a única modificação que os Insiders encontraram no Windows 10: a Microsoft mudou completamente como o sistema lida com a instalação de softwares externos à Windows Store ou que não sejam endossados pela companhia. Até o momento, ao entrar em Configurações → Apps o usuário tinha quatro opções, sendo “Permitir apps de qualquer lugar (a padrão)”, “Avisar antes de instalar apps de fora da Windows Store” e “Permitir apenas apps da Windows Store”.

Com a nova versão, a primeira opção foi desdobrada em outras duas: “Mostrar-me recomendações de apps (a padrão)” e “Desligar recomendações de apps”. Ou seja, toda vez que você tentar instalar um aplicativo Win32 o sistema poderá muito bem interromper o processo e recomendar outra solução presente na lojinha da Microsoft, ou um software que a companhia reconheça como “a melhor opção para o Windows 10”.

Ainda que a opção padrão de recomendação de apps possa ser desligada, não muda o fato de que a Microsoft continua encontrando novas formas de empurrar seus apps goela abaixo do usuário a todo custo, tentando convencê-lo de que o Edge ou qualquer outro app seu é melhor do que os de outras empresas e não considera que o consumidor possa decidir o que fazer, sem ser importunado o tempo todo.

O site ExtremeTech chamou esse tipo de propaganda da Microsoft de “begwares”, o que eu acho absolutamente adequado.

No fim, é esse tipo de atitude da Microsoft que afasta cada vez os usuários de seus programas, pois ao invés de mostrar que o Edge é um bom navegador (o que é verdade) insiste em aborrecer todo mundo, impedindo a livre escolha e usando FUD vez ou outra.

Até a Microsoft entender isso a Windows Store continuará a ser ignorada, e a única função do Microsoft Edge permanecerá a mesma do Internet Explorer: instalar o Chrome.

Com informações: ExtremeTech, The Verge.

Relacionados: , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Profissional de TI auto-didata, blogueiro que acha que é jornalista e careca por opção. Autor do Meio Bit e Portal Deviante, podcaster/membro fundador/Mestre Ancião do SciCast e host/podcaster do Sala da Justiça.

Compartilhar