Home » Meio Bit » Apple e Mac » Apple libera atualização para corrigir problema de aquecimento dos novos MacBooks Pro

Apple libera atualização para corrigir problema de aquecimento dos novos MacBooks Pro

Apple diz que ausência de uma "chave digital" no firmware (e não uma falha de design) é a causa dos problemas de superaquecimento que afetam a linha 2018 de MacBooks Pro, e libera uma atualização que em tese corrige o bug.

51 semanas atrás

Nesta terça-feira (24) a Apple enfim se manifestou sobre os problemas que afetam os novos MacBooks Pro quando estes superaquecem, o que ativa o recurso de thermal throttling que reduz a frequência dos processadores. Segundo a maçã, o problema é uma falha de software mas como sempre, as coisas não são tão simples assim.

Através de um comunicado oficial, a Apple informa que o bug se dá devido a ausência de uma "chave digital" no firmware de todos os novos modelos de MacBooks Pro, de 13 e 15 polegadas e não apenas o topo de linha, equipado com o processador Core i9-8950HK da Intel e que foi o centro da confusão. Essa chave em questão atuaria no sistema de gerenciamento térmico dos dispositivos, e sem ela bastaria a execução de qualquer software pesado que o thermal throttling, que é uma medida de segurança entrava em ação.

Em comunicado ao site The Verge, a Apple diz que não chegou a notar o problema com a linha pois o thermal throttling só entrou em ação durante a fase de testes "apenas sob cargas de trabalho bastante específicas e intensas", não dando maiores detalhes. Não se sabe que tipo de softwares a maçã rodou enquanto testava os novos produtos, ou se está desviando a atenção do real problema.

A Apple está liberando uma atualização adicional para o macOS High Sierra 10.13.6, que deve ser instalada por todos os donos de MacBooks Pro 2018 (gerações anteriores não foram afetadas pelo problema). Oficialmente, a solução se limita à correção de software e nada mais.

No entanto, há fatores extras a serem considerados. Como dito anteriormente, o thermal throttling é um recurso de segurança já bem conhecido da Intel que é ativado também em outros produtos; segundo a companhia, cada manufatura é livre para implementar seu próprio sistema de controle de performance, definindo um limite de temperatura personalizado que indica quando o recurso deve entrar em ação.

É possível que a Apple tenha definido uma temperatura limite mais baixa e isso, somado à combinação de um design compacto, um sistema de ventilação insuficiente e um corpo monobloco de alumínio podem vir a ser fatores que ajudam na sobrecarga dos processadores em tempo recorde. A correção poderia em tese elevar o limite, o que pode permitir que os MacBooks Pro alcancem seu potencial mas também fiquem mais sujeitos a problemas decorrentes do superaquecimento.

Basta observar outros modelos de laptops que utilizam o Core i9-8950HK, como o Helios 500 da Acer e os novos Alienware 15 e 17 da Dell, sem muita surpresa voltados para o consumidor gamer e por isso mesmo, são grandes, pesados e contam com sistemas de refrigeração e ventilação poderosos, tudo para manter a temperatura do hardware em níveis suportáveis pelo usuário e saudáveis para o dispositivo.

A Consumer Reports também saiu em defesa da Apple, afirmando que o thermal throttling "não é um bug, e sim um feature" que afeta todos os ultrabooks compactos com configurações de ponta (o que é verdade), como o novo XPS 15 da Dell; segundo Richard Fisco, líder do setor de testes de eletrônicos, "é preferível que o sistema leve mais tempo para executar uma tarefa, do que permitir que o processador frite". E completou, ao encarnar o Capitão Óbvio:

"Um laptop é o pior ambiente possível para um processador; a falta de espaço não permite uma refrigeração adequada."

A Consumer Reports recomenda uma solução eficaz para quem precisa rodar softwares pesados e não quer sofrer com o thermal throttling: "se você precisa de poder de fogo e velocidade, um desktop de ponta é uma opção muito melhor do que qualquer laptop." Resumindo, compre um iMac Pro ao invés de um MacBook Pro.

Com informações: The Verge, The Loop, Cult of Mac, ExtremeTech.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários