Para analista, os jogos deveriam custar mais caro

money

Peguem suas tochas e foices e esqueçam a Electronic Arts, pois a indústria de games acaba de conhecer um novo inimigo número 1. Seu nome? Evan Wingren. Funcionário da KeyBanc Capital Markets, o analista de mercado concedeu uma entrevista recentemente onde emitiu uma opinião que tem despertado a ira em muitos jogadores.

Ao falar sobre toda a polêmica em torno da EA, das microtransações e das famigeradas loot boxes, o sujeito afirmou que tudo não passa de um “risco transitório” e que alguns fatores acabaram gerando um debate exagerado.

Os jogadores não pagam demais por seu jogos, eles estão pagando pouco (e nós somos gamers)… Esta saga tem sido uma tempestade perfeita para o exagero, por envolver a EA, Star Wars, Reddit e certos jornalistas/veículos puristas que não gostam de microtransações.

Wingren então defendeu seu ponto de vista usando a TV e filmes como exemplo. Segundo ele, mesmo se pagarmos US$ 60 por um jogo e gastarmos mais US$ 20 todos os meses com microtransações, em um ano uma pessoa que dedica cerca de duas horas e meia por dia jogando acabaria tendo um custo de US$ 0,40 por hora, sendo que com a TV e com o aluguel de filme o custo seria de US$ 0,60 e US$ 0,80, respectivamente.

Sendo assim, hoje as editoras estariam cobrando pouco pelos seus jogos e por isso ele diz que tais empresas deveriam começar a pensar em elevar o preço. Por fim, ele fez a seguinte sugestão aos fãs da franquia Star Wars:

Apesar do inconveniente da narrativa popular da imprensa, se você gosta de Star Wars e joga videogames numa taxa média, estará muito melhor ignorando o filme e jogando o game, para obter o máximo do seu dinheiro.

Que o custo-benefício dos jogos pode ser melhor que o visto em outras mídias, acho que ninguém discorda, mas a discurso do Sr. Wingren é de uma pobreza intelectual tão grande que chego a achar que ele está apenas querendo chamar a atenção ao ser o diferentão. Oras, querer dizer que as pessoas deveriam deixar de ver o filme porque com o jogo elas gastariam menos é algo no mínimo ridículo, sem o menor cabimento.

Além disso, o que muitos tem criticado nem é o quanto temos gastado com os jogos, mesmo porque em boa parte deles as microtransações podem ser ignoradas, mas o fato de pagarmos um preço cheio por um lançamento e recebermos apenas uma parte do que deveria estar disponível a todos.

Como já disse em outros textos, eu não sou totalmente contra a prática das loot boxes, mas daí a defender que os jogos estão baratos e que as editoras deveriam começar a cobrar mais por eles, existe uma grande diferença.

Fonte: CNBC.

Relacionados: , ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar