Home » Engenharia » Israel se prepara para pousar na Lua

Israel se prepara para pousar na Lua

O prazo para concorrer ao Prêmio X do Google está acabando, as equipes estão se movimentando e uma delas, a israelense SpaceIL foi a primeira a anunciar um contrato com a SpaceX para a primeira missão lunar da empresa de Elon Musk, levando a sonda que irá pousar e transmitir vídeo em tempo real.

4 anos atrás

Em 2007 o Google anunciou seu Prêmio X Lunar, dando continuidade a uma tradição no mundo da tecnologia: competições que avançam as fronteiras da ciência, colocando grupos disputando um objetivo comum. Santos Dumont ganhou muita grana vencendo competições assim.

A Spaceship One, primeira nave particular a fazer um vôo suborbital surgiu para vencer o Ansari X Prize, e como todos os casos o dinheiro é o de menos, gasta-se muito mais do que se ganha. No caso do Prêmio X Lunar são US$ 30 milhões.

O Prêmio foi anunciado em 2007, o prazo era de dez anos, se inscreveram equipes do mundo inteiro, inclusive uma do Brasil mas acredite, melhor não falar sobre isso. O objetivo é pousar uma sonda na superfície lunar e percorrer pelo menos 500 m enviando vídeo em tempo real e imagens em alta definição.

spaceil-lounch-500x281

Agora o primeiro grupo fechou um contrato com a SpaceX, garantindo vaga num lançamento de um Falcon 9 no segundo semestre de 2017, foi a equipe israelense SpaceIL. Especula-se que a passagem custou US$ 10 milhões, bem mais barato que um lançamento dedicado. A nave israelense irá como carga secundária. Depois que o satélite principal for lançado em vez de manobrar para queimar na atmosfera o Falcon 9 entrará em trajetória translunar.

Como ele não terá combustível suficiente dará o empurrão inicial, o resto ficará a cargo da nave.

A model of an Israeli spacecraft is displayed on a podium before a meeting between Israeli President Reuven Rivlin and Israeli space team, SpaceIL, in Jerusalem October 7, 2015. REUTERS/Ronen Zvulun

Em vez de uma sonda de pouso e um robô, resolveram e simplificaram de uma forma genial, digna da operação que convenceu os ingleses que uma equipe israelense estava fazendo um filme, a RAF emprestou 4 caças que prontamente foram malocados pelos pilotos, para formar a base da Força Aérea Israelense.

A sonda não vai ter rodas, vai usar os motores para decolar de novo, voar 500 km e pousar, mais ou menos o que o Philae fez no cometa, embora não planejado.

O contrato foi negociado pela Spaceflight, uma empresa especializada em negociar cargas secundárias em foguetes, um negócio que é melhor pra todo mundo, você lança cem nano-satélites de US$ 8 mil (ou R$ 400 mil, e não por causa do dólar) sem ter que pagar por um Falcon 9 inteiro, e a dona do foguete ganha um bom dinheiro com o combustível e a Delta-V que seriam desperdiçados depois da missão principal.

O mais impressionante é um país que até a última explosão do dólar tinha PIB menor que a cidade de São Paulo, envolvido em guerras e tiroteio com praticamente todos os vizinhos, um país que sequer existia anos de 1948, se torna o terceiro quarto país a pousar na Lua. E com um projeto privado, financiado com doações.

As outras equipes tem até o final do ano que vem para apresentar contratos de lançamento e continuar na disputa. Esperemos que vários consigam, corrida espacial é muito mais legal quando tem mais de um disputando.

Menos o Poderoso Falsão.

Yogis-space-race_L10

Fonte: The Verge.

Leia também:

Leia mais sobre: , , , , , .

relacionados


Comentários