Home » Engenharia » New Horizons sofre um soluço por 90 minutos a caminho de Plutão

New Horizons sofre um soluço por 90 minutos a caminho de Plutão

Depois de quase 10 anos de viagem a New Horizons está chegando em Plutão, transformando o que era um pontinho no mais avançado telescópio em um planeta (anão mas planeta) real. Plutão não é mais uma idéia, é um lugar. E claro, como tudo tem que ter drama, alguns dias antes a sonda parou de se comunicar com a Terra por uma hora…

4 anos atrás

New_Horizons_on_work_stand

Uma noite, na Sociedade Astrológica da Babilônia, astrólogos do mundo todo se reuniram. Havia uma crise iminente: as previsões não eram precisas, os mapas astrais pareciam incompletos. Algo estava influenciando o destino de Reis e Nações, além dos corpos celestes conhecidos.

Depois de muita deliberação a única conclusão era que havia mais planetas exercendo influência sobre o Destino dos homens. Os sábios então, estudando a diferença entre os horóscopos gerados e os acontecimentos reais calcularam onde um planeta deveria estar para gerar aquela perturbação. Deduziram sua posição, sua massa e sua órbita. Séculos depois, quanto o telescópio foi inventado e apontado para as coordenadas calculadas pelos astrólogos, lá estava Plutão.

Isso, claro, nunca aconteceu. Astrologia é uma bobagem, uma superstição da Idade do Bronze sem nenhuma base na realidade, tanto que “funcionou” sem nunca ter percebido a existência de Urano, descoberto em 1781. Também não deram falta em seus “mapas” de Netuno, descoberto em 1846 ou mesmo de Plutão, em 1930.

Mais ainda: esses dois últimos foram descobertos quando cientistas estudaram perturbações inexplicadas nas órbitas dos planetas vizinhos. Ao contrário dos astrólogos seu modelo era sólido o bastante para mesmo quando parecia errado, estar certo.

Plutão foi rebaixado para planeta-anão, o racional faz sentido, Eris por exemplo tem 27% mais massa e nem por isso é planeta-planeta. Mesmo assim ele ainda é a virtual fronteira do Sistema Solar para muita gente. Plutão era misterioso. Mesmo depois do Grand Tour das Voyagers, que nos trouxeram imagens íntimas do Sistema Solar Exterior, Plutão ainda era um ponto no telescópio.

Em observação direta, sem toneladas de extrapolações o máximo que o Hubble consegue mostrar de Plutão é isto:

pluto hubble

Cientistas, ao contrário de astrólogos não são conformistas, não gostam quando suas informações são incompletas. Quando a precessão dos Equinócios começou a tirar as constelações das posições “corretas” os astrólogos colocaram os dedos nos ouvidos gritando “lálálálálá”. Quando as perguntas sobre Plutão se acumularam, os cientistas criaram a New Horizons.

Aprovada em 2001 a sonda foi lançada em 2006, iniciando uma jornada de dez anos. Acelerada por um Atlas V ela cobriu a distância Terra-Lua, que a Apollo 11 levou três dias, em 6 horas. Depois disso, cantando “Segura na Mão de Newton e Vai” a New Horizons se dirigiu para um encontro com Júpiter, em 2007, quando usou uma manobra de estilingue para pegar impulso gravitacional e se tornar um dos objetos mais rápidos feitos pelo Homem, viajando a 52 mil km/h.

7-2-15_Pluto_Charon_image_NASA_JHUAPL_SWRI

Plutão e Caronte, dia 1º.

A maior parte da viagem foi em hibernação, mas agora a New Horizons está perto, muito perto. só a 6.932.855 km de Plutão. Praticamente a uma cuspida de distância, se robôs cuspissem, mas eles são educados.

Ela está longe, muito longe. Neste exato momento um ping para a New Horizons para ir e voltar leva 8 h 49 min 41 seg. Se tiver alguém jogando CS nela é o sujeito mais odiado do mundo.

Dia 14, em menos de uma semana ela passará a 12 mil km de Plutão, o momento máximo de sua missão, fazendo zilhões de medições, imagens, filmes, tudo. Só que isso quase não acontece.

CJaL7_uUMAAT6u6

Plutão, hoje.

Dia 4 a New Horizons estava fazendo uma faxina, se preparando para o Encontro com Plutão. Só que os cientistas esqueceram que não estão lidando com um octa-core de 5 GHz, e começaram a atuchar tarefas na CPU da coitada da sonda. Ela estava transmitindo telemetria, recebendo a sequência de comandos para o dia do Encontro E compactando dados em uma área contínua dos 16 GB de armazenamento disponíveis.

Isso foi demais pra pobre CPU MIPS R3000 de 12 MHz da New Horizons. Como todo computador sobrecarregado, ele parou de responder. Só que a NASA sabe o que faz, e o sistema operacional, seguindo especificações escritas em pedra por Margaret Hamilton identificou o problema e transferiu o controle para o computador secundário, que imediatamente começou uma série de procedimentos para controlar a situação. Ao final ele acionou o rádio e avisou que estava vivo.

A New Horizons ficou uma hora fora do ar, perdeu alguns dados científicos mas com isso descobrimos que em situações especiais humanos podem ficar 90 minutos sem respirar.

plutao

O problema foi rapidamente diagnosticado, o estagiário que encheu a New Horizons de tasks foi jogado em um vulcão e agora tudo está pronto. A New Horizons transformará um planeta que até 1930 não existia em um mundo, fotografado com resolução de 50 m por pixel. Também serão observados os satélites Caronte, Nix, Hydra (HAIL!), Cérbero e Styx.

Haverá cobertura do evento, mas sem dados, os instrumentos da New Horizons são fixos, ou ela aponta para Plutão ou aponta a antena para a Terra. E de qualquer jeito não é uma boa atulhar a CPU de tarefas, como coletar dados de todos os instrumentos E transmiti-los para a Terra ao mesmo tempo.

Depois do evento principal o computador se dedicará a compactar os dados, e só depois os transmitirá. E vai demorar, a New Horizons usa chip de operadora brasileira, então só consegue 1 kb/s de banda, às vezes mais. Neste momento, monitorando a Deep Space Network da NASA vejo que a New Horizons está transmitindo a 1,68 kb/s. Bem melhor que a Voyager 2, com 159 bits por segundo.

Estamos a poucos dias de um marco científico. HOJE podemos afirmar que ninguém sabe (nem mesmo astrólogos) como é a superfície de Plutão. É desconhecido. ponto. Dia 14 isso vai mudar. Os livros de ciência serão atualizados. Mais uma marquinha será feita na infinita lista de tarefas da Ciência.

New_Horizons_1

Em primeiro plano os geradores nucleares. O cabo de rede é o backup se o rádio falhar. Ele é bem comprido 😉

Mesmo após o Encontro a New Horizons não dará como encerrada sua missão. Ela tem um coração nuclear, continuará firme e forte para encontrar outro objeto no Cinturão de Kuiper, além de Plutão, em algum momento entre 2016 e 2020. Depois, em 2019 passará perto do asteroide 2014 MU.

Ela prosseguirá, fazendo medições da heliosfera até 2026, quando teoricamente sua fonte de energia nuclear ficará fraca demais para alimentar a nave, mas a NASA sabe que essas bichinhas são danadas de duronas, e chutam que a New Horizons vai sobreviver, teimosa, até 2038, quando se tornará mais uma embaixadora silenciosa, deixando o Sistema Solar.

Essa embaixadora está levando vários presentes, incluindo um selo postal, de uma série sobre exploração planetária. É uma bela in your face da New Horizons, mostrando que o avanço da Ciência é inevitável. Nele Plutão aparece como “Ainda não explorado”.

120131-coslog-pluto1991

Outra das lembranças da New Horizons são mais emocionais. Uma delas cumpre o último desejo de um cientista chamado Clyde Tombaugh. Esse astrônomo, baseado nos cálculos das anomalias orbitais de Netuno apontou seu telescópio para o local onde estaria o então chamado Planeta X e pacientemente fotografou, dia após dia, ano após ano o espaço. Com um ano equivalente a mais de 90 anos terrestres Plutão se movia muito pouco, era preciso comparar as fotos da mesma região do espaço com anos de diferença, eliminar asteroides cometas, estrelas. Isso numa época sem computadores.

Tombaugh finalmente conseguiu, e em 1930 o Sistema Solar ganhou um novo planeta. Em 1997, aos 90 anos ele morreu, não sem antes deixar registrado seu desejo de que suas cinzas fossem enviadas para Plutão.

A New Horizons honrou esse desejo. Em um compartimento especial 30 gramas de cinzas do Professor Tombaugh estão cuidadosamente acomodadas, garantindo que parte dele chegue a Plutão e além.

tombaugh_memorial

Fonte: Planetary.

relacionados


Comentários