Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Produtor diz que não teme saturação dos jogos de luta

Por em 29 de julho de 2011
emMiscelâneas relacionados
Mais textos de:

Site | Twitter
  • Rafael Vasconcelos

    Parece um Street Fighter 4 com combos mais fáceis, também não me animei.
    Eu estava animado com MVC3 e o novo Mortal Kombat, mas perdi a empolgação por causa do Ultimate MVC3 e quando um amigo meu me disse que todos os personagens de MK9 são muito parecidos.

  • Diogo

    Os exemplos de “criações ridículas” foram muito infelizes e demonstra uma aparente falta de conhecimento de causa para falar sobre.
    Não é porque não é um Ryu ou Sub Zero que eram porcarias. Em seu contexto, há pelo menos *15* anos, estes foram games bons e importantes, dentro de suas limitações.
    Existiram, sim, grandes porcarias em jogos de luta (Shaq Fu, alguém?), mas os exemplos citados deveriam ser apreciados pelos gamers tentando contextualizá-los sobre o momento em que foram lançados.

    • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

      Não é aparente não, eu realmente não sou um especialista no assunto, mas isso não me impede de dizer que acho os três jogos ridículos, assim como o citado Shaq Fu, que por sinal foi criado por um dos meus ídolos, Paul Cuisset.
      Agora, me diga no que foram importantes para a indústria o Primal Rage, ClayFighter e Ballz? Títulos tão importantes e com temáticas tão absurdas que nem ganharam sequências.
      E não, não é porque não tem Ruy ou Subzero, e está o King of Fighters, o fatal Fury e até mesmo o World Hero aí para provar.

    • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

      Não é aparente não, eu realmente não sou um especialista no assunto, mas isso não me impede de dizer que acho os três jogos ridículos, assim como o citado Shaq Fu, que por sinal foi criado por um dos meus ídolos, Paul Cuisset.
      Agora, me diga no que foram importantes para a indústria o Primal Rage, ClayFighter e Ballz? Títulos tão importantes e com temáticas tão absurdas que nem ganharam sequências.
      E não, não é porque não tem Ruy ou Subzero, e está o King of Fighters, o fatal Fury e até mesmo o World Hero aí para provar.

      • Windson Mateus

        Concordo, cara. Primal Rage e Ballz são horríveis mesmo. Clay Fighter, na minha opinião, era menos ruim que esses. Mas este teve uma continução sim. Uma edição “Tournament Edition” e o 2 saíram pra SNES. E o 3 saiu pra Nintendo 64.

        • http://www.vidadegamer.com.br/ Dori Prata

          Verdade tinha esquecido dessas sequências, mas ainda sim, acho os jogos fracos, não chegando nem pero de brigar com os grandes nomes do gênero.

  • Manuel

    Dori, você conhece a história do video game bem demais pra chamar Primal Range, que foi um jogo bom pra crítica e público da época, de jogo ridículo. Pelos menos deixe mais claro que é a tua opinião pessoal sobre o jogo, senão fica parecendo que o jogo foi considerado assim na época.
    Também não acredito nessa de bolha dos jogos de luta da década de 90. O que ouve não foi bolha (como a do atari), mas o público simplesmente mudou seu interesse do 2D para o 3D, tanto gráficos quanto jogabilidade. Prova disso é que não foram só os jogos de luta 2d que sumiram dos consoles na era pós 16 bit, mas quase todos os gêneros 2d. Outra prova que a questão foi o facínio do 3D é que jogos de luta 3d continuaram fazendo bastante sucesso (Virtua Fighter, Tobal, Tekken, Soul Calibur, etc…). O que acontece é que o 3D com o tempo deixou de ser tão novidade e o público geral readquiriu o gosto pela jogabilidade 2D.