Parlamento da Malásia aprova lei que criminaliza a publicação de notícias falsas

O governo da Malásia tomou uma atitude um tanto drástica para combater as Fake News: o Parlamento do país aprovou nesta segunda-feira (02) uma lei criminalizando a publicação de notícias falsas, que prevê multa e prisão aos infratores e embora a princípio pareça uma boa ideia, críticos e analistas internacionais vêem a medida como uma forma de conter dissidentes e opositores.

O Projeto de Lei, apresentado pela situação e representado pelo primeiro-ministro Najib Razak foi aprovado por maioria simples e prevê uma suntuosa multa de até 500 mil ringuites malaios (cerca de R$ 432 mil) e até seis anos de prisão; ele define como Fake News “quaisquer notícias, informações, dados e relatórios parcial ou totalmente falsos” e inclui textos, áudio e vídeo, publicados de forma impressa ou não, em publicações digitais ou redes sociais, por órgãos de imprensa ou mesmo civis, malaios ou estrangeiros caso a notícia afete um cidadão e seja publicada mesmo no exterior.

Embora a princípio a iniciativa pareça uma boa ideia, não demora muito para concluir que o real objetivo do governo malaio não é combater as notícias falsas e sim combater dissidentes principalmente em 2018, que é ano de eleições presidenciais no país que é uma monarquia parlamentar, com o Islã como religião oficial e algumas leis tendo a Xaria como base (60% da população do país é muçulmana; as populações de).

Muitos vêem como uma forma de impedir a divulgação de relatórios expondo fraudes no sistema de fundos de investimentos do país e no processo eleitoral. Ao Parlamento, a ministra Azalina Othman Said afirmou que a lei tem como objetivo “proteger o cidadão das notícias falsas e ao mesmo tempo permitir a liberdade de expressão prevista na Constituição”.

Do outro lado David Kaye, relator especial da ONU para Liberdade de Expressão e Opinião havia pedido na segunda, antes da aprovação que a lei fosse colocada sob escrutínio público antes da votação; já James Gomez, diretor regional da Anistia Internacional foi bem mais direto:

“Essa lei é um ataque à liberdade de expressão. Com a definição vaga do que são notícias falsas e combinando-a com punições severas e prisões, essa medida nada mais é do que uma tentativa do governo de se proteger de críticas pacíficas.” 

Já o advogado malaio especialista em liberdade civil Syahredzan Johan afirma que a lei é perigosa, principalmente “por dar ao Estado o poder de definir o quais notícias são legítimas e quais são falsas”, aplicando penas pesadas a quem considerar infrator. Ele define o cenário, que afetará grandemente a liberdade de expressão no país como “assustador”.

O Projeto de Lei ainda precisa passar pelo Senado antes de entrar em vigor, mas o cenário indica que ela deverá ser aprovada rapidamente para ser aplicada antes e duranteas eleições locais; Singapura e Filipinas, entre outros países do sudeste asiático também estudam aprovar leis semelhantes.

Fonte: Reuters.

Relacionados: , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples