Google, marcas d’água e a paranoia das fotos roubadas na internet

A grande notícia da semana passada, e que deixou muita gente apavorada (a meu ver sem motivo) foi a divulgação de uma pesquisa do Google dizendo que a remoção de marcas d’água em fotografias postadas na internet pode ser feita facilmente utilizando programas que utilizam algoritmos de inteligência artificial. E qual foi o alvo dos testes do Google? Fotos publicadas pelos grandes bancos de imagens que encontramos na internet, entre eles a Adobe Stock, Fotolia e CanStock.

O documento que foi apresentado durante a Conferência 2017 sobre visão computacional e reconhecimento de padrões se chama “On The Effectiveness Of Visible Watermarks”, e trabalha com uma teoria bem simples. O algoritmo desenvolvido pelo pessoa do Google trabalha separando a marca d’água da foto com o se fossem duas camadas. Depois ele trata a marca como uma sujeira da foto e vai lixando ela até que desapareça. Claro que o processo é mais complicado e técnico do que essa minha explicação e se você quiser saber melhor é só dar uma olhada no documento oficial.

O pessoal do Google não quis sacanear ninguém. O objetivo era apenas mostrar que uma medida de segurança utilizada por quase todo fotógrafo que quer proteger a sua obra, pode ser facilmente retirada. O legal é que eles também colocam algumas propostas para que os programas não reconheçam os padrões das marcas d’água, o que tornaria mais complicada a sua eliminação. Infelizmente, eu tenho uma péssima notícia para vocês: não vai dar certo.

Sim, sempre vão existir meios de eliminação de marcas d’água e sempre vai existir pessoas dispostas a eliminar essas marcas para utilizar uma imagem. E qual o motivo de utilizarmos marcas d’água em uma foto? No caso dos bancos de imagem é para que ela não seja utilizada sem a devida remuneração. No caso dos fotógrafos é uma assinatura, uma forma de ser reconhecido como autor da foto, uma forma de marketing.

Infelizmente a internet ainda funciona assim. Muita gente acha que o fato de uma imagem estar na rede torna ela de domínio público. Pode ser copiada, modificada e utilizada das mais diferentes maneiras. Mas, não funciona assim. Ela tem um dono que deve ser consultado e remunerado dependendo do uso da imagem. Até fins não comerciais não estão livres dessa autorização que é garantida por lei. Temos no Brasil uma das melhores legislações de direitos autorais do mundo e, quando ela é quebrada, a solução mais simples é mandar o processinho. Já vi gente retirando logomarca com photoshop e cliente borrando ou cortando fora de maneira amadora a marca do fotógrafo.

Hoje eu desencanei disso tudo. Se descobrir uso indevido eu processo e pronto. Quase impossível o fotógrafo perder um processo desse tipo, só é preciso comprovar sua autoria e que a imagem foi utilizada sem autorização. Hoje eu só coloco marca d’água em imagens que foram vendidas e o cliente vai utilizar para divulgação em redes sociais. Os trabalhos autorais eu não utilizo mais assinatura. Fica esquisito na imagem, chama muita atenção e quebra o objetivo de contemplação do trabalho.

Infelizmente, a maneira mais segura de não ter uma imagem utilizada sem autorização é não colocando ela na internet. Quanto antes você aceitar que não existe forma de controle, mais feliz você será no mundo digital.

Relacionados: , , , ,

Autor: Gilson Lorenti

Geógrafo de formação e fotógrafo de coração, comecei a fotografar com 18 anos de idade (antes disso nunca tinha pegado uma câmera na mão). Depois de muito estudo veio a carreira profissional que passou por várias modalidades da fotografia até realmente descobrir o que gosto de fazer. Hoje me dedico ao ensino de fotografia, fotografia Fine Art e Books Fotográficos (gestante, moda, sensual). Tomando emprestado as famosas palavras de Ansel Adams "Quando as fotografias não forem mais suficientes, me contentarei com o silêncio".

Compartilhar
  • Renato Oliveira

    Tem também aquela opção de colocar a imagem online, sabendo que ela pode ser usada, mas colocando uma versão em baixíssima resolução, de modo que seja apenas um preview. Assim quem usa sem autorização vai acabar usando pra um trabalho que vai ficar com a qualidade zoada.

    Já que não dá pra impedir, pelo menos atrapalhar um pouco dá, por enquanto. Ou o algoritmo do CSI existe e dá pra ficar dando ‘enhance’ no pixel até ver o reflexo da placa do carro no olho do cara pela câmera de segurança?

    • Rodrigo Dias Javornik

      Esse é um texto que comenta algumas técnicas de edição de fotos e vídeos que o FBI utiliza na busca por pedófilos.
      https://motherboard.vice.com/en_us/article/8q8594/enhance-enhance-enhance-how-the-feds-use-photoshop-to-track-down-pedophiles

      Só pra se ter uma ideia
      https://uploads.disquscdn.com/images/aa19f3b7348bc03005e9a3f0107b47beed58c4ed473a6d8588db444056c673c5.jpg

      Este é outro link para um software que utiliza deep learning e Neural Enhance para melhorar imagens like CSI (pero no mucho)
      https://github.com/alexjc/neural-enhance
      https://uploads.disquscdn.com/images/934ca12b448ef8134853f9296644d5f1847fb679d1207ff7283ebe198314fc12.gif

      Claro que nada disso se compara ao que acontece no CSI, mas da pra ter uma ideia do que está por vir.

      Abraço

      Edit: Quem sabe um dia o MeioBit me deixa publicar um texto sobre isso aqui 🙂

      • Rafael Rodrigues

        ENHANCE!

        • Rodrigo Dias Javornik

          Só eu que não entendi?

          • SignaPoenae

            Pra você não ficar perdido, amigo:

            https://www.youtube.com/watch?v=Vxq9yj2pVWk

          • Rodrigo Dias Javornik

            Obrigado!

      • Maximus_Gambiarra

        Interessante pensar que tem um ponto em que a maior parte dos pixels foi criada pelo software e não veio na foto original. Nesse caso, de quem é o direito autoral?

  • Estamos numa dessas nos nossos vídeos…
    Mas eu uso tanto o YouTube como banco de imagens (as nossas mesmo), me facilita a vida… mas querem colocar marca d’água novamente nos vídeos…
    Acho besteira, pois nem monetizados somos… o patrão tem medo de usem nossas imagens… que seja! Já fui orientado pelo mesmo a usar imagens do YT também!

    • Vin Diesel

      Descobri pelo relato que seu chefe é europeu. Tranca a 7 chaves o seu conteúdo e usa e abusa do que é dos outros. Típico desse pessoal do velho mundo….

      • Sophos Nsm

        me lembra a disney. usa aladim, pocahontas, branca de neve, etc. mas na hora de usarem o mickey até a lei eles querem mudar

  • Uma agencia web que eu trabalhava uma vez recebeu uma cartinha de cobrança pelo uso das fotos que eles removeram a marca d’agua e usaram em um site sem pagar e na época nem tinha o google fotos para dedurar como hoje em dia fico imaginando que eles usaram alguma solução própria para achar as imagens…

    • Alvaro Carneiro

      eu já vi coisa pior na agencia web que trabalhei: um programador copiou um código de outro sistema (o código fonte) colocou para rodar no site do cliente – mas nem disfarçou: deixou lá todos os comentários de que era um código com licença xyz sem fins comerciais.

      O cliente foi cobrado, mas um dia o cliente olhou o código… percebeu que pagou pelo “desenvolvimento” que foi na verdade kibado e ainda por cima expôs o cliente a um processo, pois estava usando um sistema sem licenciamento.

      A merda foi total.

      • Usar código open source e normal, muita empresa vende site e entrega um wordpress customizado apenas…

        • ElGloriosoRangerRojo™

          Note que ele comentou que o código tinha comentários explicitando que a licença não permitia uso comercial. É diferente…

          • Sim eu sei, mas pessoal nem olha a licenças de nada acha que e tudo liberado, acha que só porque e open source pode usar a vontade, tipo o mysql ele e de graça para uso não comercial apenas e conheço muito hosting usando sem pagar…

  • Eu uso marca, mas bem discreta para não chamar mais atenção do que o objetivo da foto. E uma resolução baixa, essa o algoritmo não tem como reverter. E mantenho minhas assinaturas no EXIF aqui no PC.
    Tipo, vejo muito o pessoal gringo xilicando, e agora vão chorar ainda mais. Não adianta.
    Nas minhas publicações do blog, eu parei de kibar pra não arrumar sarna pra me coçar. Uso minhas próprias fotos, e quando não tem, faço no paint haha

    • Flávio Raphael Barcellos

      Só para mexer em vespeiro rsrsrs…
      O que é resolução baixa para você? Já peguei uma imagem de um amigo (para brincar com ele) que dizia que os 750 pixel que ele colocava na internet era inútil para ampliar em papel.
      Baixei a imagem (que estava no facebook), usei uma boa interpolação e fiz uma ampliação 30×45 cm que levei de presente para ele. Estava perfeita para se colocar na parede de casa numa moldura.

      • Eu definia a minha em 600p (800×600), a boa e velha resolução SVGA, as vezes eu fujo da regra. Já vi que cada um parece ter seus padrões rsrs.
        Então, dependendo da interpolação e do propósito, é possível conseguir bons resultados a olhos menos exigentes.

        • Gilson Lorenti Fotografia

          cara, atualmente eu to postando as fotos com 2048 pixels (aresta maior), hehehehe, fica mais bonito.

          • Flávio Raphael Barcellos

            Exatamente como eu faço. Posto em 2048 na maior aresta e desencano. Se eu pegar uso não autorizado, vai um processinho.

            Fica muito bonito. Saber que quem está vendo minhas fotos pode colocar em tela cheia na TV full-HD e ver detalhes é algo que dá gosto.

        • Flávio Raphael Barcellos

          Até para olhos exigentes é possível ter resultado bom de interpolação.

          É claro que olhar atento conseguirá comparar duas fotos impressas uma da imagem original em alta e outra da interpolada.

  • EmuManíaco

    Esses dias fui quase chamado de anticristo por ser contra o Archive org indexar automaticamente sites sem autorização e fazer backup de conteúdo com copyright. Hoje vejo as pessoas contra esse sistema de retirada de marca dagua do google. Hipocrisia? ahh… que isso.

    • Felipe Braz

      anticristo!

    • Sophos Nsm

      o que o archive faz é um trabalho de historia né. é tipo algue adquirir jornais e ir guardando e expondo ao publico.
      so acho que deveriam levar um tempinho pra disponibilizar ao publico, tipo 3 ou 5 anos após o backup

  • Othermind

    Ahhhh no flickr ou meu site eu nao coloco marca nenhuma… Nao adianta… se a pessoa quiser ele usa parte da imagem, tira a marca no photoshop, e nem precisa ser um expert no software.. só ter paciencia…. E se for pra colocar uma marca de agua “grande” melhor nem por que detona a foto… entao como o autor diz.. quiser copiar copia.. dai só meter processo..

  • Flávio Raphael Barcellos

    A frase final é perfeita:
    “Quanto antes você aceitar que não existe forma de controle, mais feliz você será no mundo digital.”

    Não fotografo profissionalmente, mas se o fizesse, ainda resistiria a colocar uma legenda (chamam de marca d’água, mas isso é outra coisa rsrsrs…) na imagem para o cliente usar nas redes sociais. Eu colcoaria em contrato que ele deve colcoar meu nome na legenda textual, se for no facebook , maca minha página e se for no Google+ também marca meu perfil profissional). Tendo isso no contrato fica até mais fácil de alguém que gostou da foto saber me contactar.

    • Sophos Nsm

      eu não coloco nome do fotografo, se o fotografo quiser obrigar eu simplesmente escolho outro fotografo. se algum fotografo me processar por não dar os creditos da foto que ele fez na rede social que fique a vontade pq será uma otima propaganda pra ele a frase “advogado processa cliente que colocou foto no facebook”.

      na boa? esses negocios não podem ser obrigados, cada um que va tirando as fotos pq quando o trabalho é bom o proprio cliente sai divulgando e o melhor: com entusiasmo. mais que isso eu compartilhei todas as fotos que a fotografa colocou n pagina dela do facebook, e ja recomendei pra colegas de trabalho. agora se o cara obriga a por o link dele eu simplesmente não ponho e espero o processo, vai sair mais caro pra ele que pra mim.

      • Flávio Raphael Barcellos

        É direito do fotógrafo ter o crédito na sua foto.

        Se eu processaria alguém que não o fizesse sendo meu cliente mesmo com isso em contrato (note que não fotografo profissionalmente), muito provavelmente não.

        É provável que eu tivesse essa cláusula no contrato para me resguardar caso a foto fosse utilizada para algum outro veículo que não o perfil pessoal dos contratantes nas redes sociais.

        Mas, chamaria para uma conversa (uma aviso extra judicial) caso ele colocasse como autor outra pessoa que não eu que fiz as fotos.

        • Sophos Nsm

          Olha se voce olhar a maior parte das propagandas de TV não tem o nome do cara que filmou, e as propagandas de radio não tem o nome do cara que fez o jingle. Só na fotografia que fica nessa é direito/não é. Obviamente se for para um uso imediato comercial é justo que o fotografo seja informado para que possa cobrar pelo uso, isso quando o objetivo já é esse desde o inicio.

          Mas obviamente tem que ter bom senso e é insano querer que eu procure o fotografo que me fotografou quando bebe em 1983 pq eu quero fazer uma campanha comparando meu filho a mim mesmo em 1983. Assim como é insano a fotografa querer que eu lhe de creditos na fotografia que eu coloquei no facebook. Legalmente ela tem esse direito (no caso do facebook)? É absolutamente discutível! e eu duvido que algum juiz daria ganho de causa a um fotografo que queira processar o cliente que removeu a marca dagua dele e pos no facebook. Talvez dê ganho de causa ao fotografo que fez uma fotografia pessoal e foi enganado por um calhorda que tinha objetivos comerciais com a imagem, mas ao menos no brasil dificilmente daria ganho de causa ao meu fotografo de 1983 se fosse utiliza-la hoje em uma campanha.

          Agora vamos ao que eu faço pra me resguardar: eu sugeri modificação no contrato a fotografa e ela aceitou. Eu não preciso dar os creditos se não quiser (não vou dizer que eu tirei as fotos até pq qualquer pessoa que veja sabe que é uma foto profissional e não foto de zé ruela qu enem eu, mas me obrigar a por marca dagua no facebook está fora de questão; alem disso no contrato a propriedade das fotos é passada para mim guardei o contato no dropbox e imprimo rapidinho)

          Na minha vida encontrei um fotografo que recusou o novo contrato, mas ei o contrato deve ser aceito por ambas as partes e não apenas por uma, se o fotografo só aceita o contrato dele então eu escolho um que se adeque melhor as minhas necessidades.

          pode parecer preciosismo de minha parte mas é melhor que evitar dor de cabeça, o juiz não vai dar ganho de causa ao fotografo que me processar por remover a marca dele mas ainda assim eu vou ter que ter dor de cabeça com os custos de processo judicial, custará no fim das contas mais pra ele mas não significa que sairá de graça para mim

        • Sophos Nsm

          quanto a sua ultima frase eu concordo plenamete: o cara tem que ser muito filho da puta pra alterar a autoria das fotos, não vejo problemas em omitir pq o objetivo da minha foto pessoal não é fazer propaganda do fotografo, mas alterar é muita filhadaputagem.

          • Flávio Raphael Barcellos

            Eu te entendo. E aceito.
            Só estou dizendo o que eu faria se eu fotografasse profissionalmente.

            É claro que não ligo se vão colocar meu nome nas redes sociais ou não, mas vou conversar com o cliente para fazer isso. Da mesma forma como vou pedir para ele não colocar meu nome em edições que ele mesmo fizer ou pedir para alguém fazer nas fotos para postar.

            Em tese ele teria que me pedir autorização para fazer edição nas fotos que eu entreguei em arquivo digital, mas entendo a necessidade de algumas pessoa em aplicar filtros do Instagram. Só pedirei para ele não dizer que a foto é minha ou se disser, que informe quem fez a edição (a edição não é minha rsrsrs…).

            Pior que não ter o crédito numa fotografia postada é ter o crédito numa edição pavorosa da aplicação de algum filtro (isso pode levar o nome de um fotógrafo para a lama rsrsrsrs…).

          • Sophos Nsm

            kkkkkkkkkkkkkkkkkk

  • Flávio Raphael Barcellos

    Uma coias interessante sobre essa notícia.

    Li a mesma em outro site. Mas, aqui, mesmo com pouca ênfase em informar que a Google além de ter criado o sistema que consegue eliminar as marcas que os bancos de imagens colocam mostrou como se inibir o método que foi criado (basta que a marca não esteja sempre no mesmo lugar em cada foto do banco do imagens), tivemos gente comentando sem o que vi no outro site de notícias de tenologia.

    No outro site, tem um monte de comentários de gente que só leu a manchete e saiu atacando a Google. Pois, quem leu o texto, viu que mais que criar o método de eliminar a marca, a Google mostrou como evitar que o método funcione.

    Acho que, aqui, temos leitores mais qualificados que n outro portal de notícias rsrsrsrs…

  • Fernando Silva

    O que comprova a veracidade do post é que não vi a citação da fonte na foto de capa da matéria…

  • Complicado é quando se contrata um profissional para registrar seu casamento, ou o batismo de seu filho, e o fotógrafo ao final não quer remover sua marca do álbum. Como aquela é a única recordação, o cliente é obrigado a engolir.

    Já vi isso e sinceramente, isso também é uma violação. Nossos momentos familiares e íntimos não são outdoor ou palanque. Muita gente vai lá e apaga, e estão corretos. Mas mais corretos ainda estariam em descer o processo por danos morais no (anti)profissional.

    • Gilson Lorenti Fotografia

      Então, eu deixo minha logomarca na contracapa do álbum. Ninguém nunca pediu para retirar. Minha interpretação da Lei diz que eu tenho esse direito. Olhando do ponto de vista jurídico as imagens pertencem ao fotógrafo, pois ele é o autor. Ele vende para você o direito de uso dessas imagens dentro do ambiente familiar. E esse é o único uso que você pode fazer. Não poderia, por exemplo, usar nenhuma dessas fotos para algo comercial sem a autorização do fotógrafo. Entendo que são memórias, mas você comprou o uso de um trabalho que pertence a outra pessoa. A Lei de Direitos Autorias diz que eu tenho o direito autoral moral e o direito autoral patrimonial de minha imagem, O patrimonial eu posso vender, alugar ou dar para alguém. Ou seja, você pode usar essa foto dentro do contrato de cessão que você tem com o fotógrafo (seja comercial ou doméstico). Porém, o direito moral não pode ser transferido ou vendido. O fotógrafo (ou pintor, ou escritor, ou músico, etc) tem o direito de ser reconhecido como autor das fotos toda vez que ela for publicada, exposta ou vista. A assinatura no álbum é a forma que encontramos desse direito ser reconhecido por todos que vão ver o álbum. Claro que tem que ter um pouco de noção. Encher o álbum de logomarca ou deixar ela gigantesca na capa eu acho um exagero. A minha é bem discreta e na contracapa apenas. Um bom fotógrafo vai ter isso tudo explicado em seu contrato, para que o cliente esteja ciente da Lei.

      • Sophos Nsm

        Gilson. Eu entendo que os direitos são compartilhados já que embora vc tenha tirado as fotos todo o resto da composiçao (cenário, figurino, poses) é de responsabilidade do fotografado. Desse modo uma parte não pode usar o trabalho da outra sem autorização. Do mesmo modo que ele não pode usar as fotos comercialmente voce tambem não pode utiliza-las sem previa autorização (em contrato)

        No meu caso eu levei na cabeça uma vez com um fotografo uns dois anos atrás que encheu minhas fotografias de logos no canto direito, briguei discuti e como não resolvi eu procurei um advogado (parente). O advogado ligou pra o fotografo e disse que embora o contrato (não lido por mim) prevesse as logos ele iria entrar com um processo por uso indevido da nossa imagem no Facebook (o fotografo usou as nossas fotos em uma rede social pra mostrar o trabalho deles). Como isso não estava previsto em contrato o advogado deu pra trás e enviou as fotos originais sem as logomarcas.

        Bem isso ocorreu ha dois anos, mas mes passado eu escolhi outra fotografa pra tirar as fotos de gravidez de minha esposa e antes de assinar o contrato eu sugeri modificações e especifiquei que tambem as fotos originais e que elas seriam de minha propriedade (e portanto o usaria elas como bem entendesse) em troca cederia o direito de uso das fotos para divulgação do trabalho da fotografa em redes sociais. O primeiro fotografo que escolhi não aceitou a segunda (uma garota com um ótimo portfolio) aceitou e terminou tudo otimo.

        A logo dela está na capa (no cantinho de baixo a direita) mas não está em nenhuma foto, e além disso eu tenho as fotos originais e uma copia do contrato permitindo o uso como eu quiser.Na boa? provavelmente eu nunca vou usar essas fotos pra nada exceto mostrar aos meus amigos, mas vai que eu precise no futuro? Não vale a pena esquentar a cabeça no futuro se eu posso resolver agora apenas escolhendo um fotografo que seja mais flexivel quanto a propriedade das fotos

        • Sophos Nsm

          tb acho que a maioria dos fotografos está meio que cagando pra o que eu faço com as fotos após eu pagar para ele. um ou outro que vai ter um cuidado extra e tal. alguns separam os contratos cobrando mais caro pra uso comercial e tal. eu não pago a mais, acredito que nunca vou usar comercialmente as fotos, mas se um dia for necessario eu usar eu quero não ter dor de cabeça

        • Gilson Lorenti Fotografia

          eu não aceitaria esse contrato com você. O que consta no meu contrato é uma via de mão dupla. Você me autoriza a postar as fotos em site e redes sociais e eu também autorizo vc a fazer isso. Quando o cliente deixa expresso no contrato que não quer que eu divulgue as fotos em redes sociais eu também coloco que eu não quero que ele faça isso. Simples. O que as pessoas não entendem é que você, o cliente, não está comprando a foto. A foto é minha. Garantido por Lei (uma das melhores do mundo). Eu apenas vendo para você o direito de uso., no caso do contrato, um uso doméstico. Se um dia você quiser usar ela para fins comerciais você tem que entrar em contato comigo e renegociar o contrato. Quebra de direito autoral na justiça é igual pensão alimentícia: ninguém ganha do autor. Dois pontos no argumento do seu advogado. O primeiro é que eu poderia bater de volta na mesma moeda. Toda vez que você compartilhar ou mostrar essa foto para alguém, é seu dever marcar ou dizer quem foi o autor da imagem. Muita gente ainda não faz isso. É contra a Lei, mas a gente deixa passar. O segundo é que a Lei garante que eu coloque todo meu trabalho em meu portfólio (sem sua prévia autorização). Antigamente os juízes só entendiam portfólio como o impresso. Hoje já existe o entendimento que sites e a página do fotógrafo no facebook são considerados portfólio. Porém, isso é Direito Autoral. O problema é que bate de frente com o direito da imagem da pessoa que está na Constituição e no Código Civil. Entendeu o rolo? São Leis que, na prática, se contradizem. Minha defesa se baseia em uma Lei e a sua acusação em outra. Vai depender da habilidade dos advogados e do entendimento do Juiz 🙂 No fundo é igual você ir nas Lojas Americanas e comprar um CD de música ou um Blu-Ray de filme. Você comprou o produto, mas não pode fazer exibição pública , pois tem apenas o direito do Home Vídeo. Para exibição pública você precisa pagar por isso. Todo trabalho intelectual e artístico está protegido pela mesma lei.

          • Sophos Nsm

            E muito diferente já que se refere a minha vida e a minha intimidade. O uso comercial de minha imagem é tão protegido quanto sua foto. Quanto a aceitar ou não um contrato é direito de ambas as partes inclusive seu. Mas a beleza do mercado é que existem muitos clientes e muitos fotografos e dessa forma vc não é obrigado a aceitar as normas de um cliente mas eu tb não sou obrigado a aceitar as normas de um fotografo. Vou atrás do que se adequar ao mim

            Só penso que nenhum fotógrafo quer ficar conhecido como aquele que processou o cliente por por a foto no Facebook. E tenho lá minhas dúvidas se o juiz lhe daria ganho de causa

          • Gilson Lorenti Fotografia

            simmmmmmmmmmmmmm, por isso digo que é uma rua de mão dupla. Eu detenho o direito da obra fotográfica e você o direito da imagem. No contrato cada um cede o direito ao outro e tudo fica certo (para fins domésticos). A Lei de Direito autoral é clara:

            “Art. 79. O autor de obra fotográfica tem direito a reproduzi-la e colocá-la à venda, observadas as restrições à exposição, reprodução e venda de retratos, e sem prejuízo dos direitos de autor sobre a obra fotografada, se de artes plásticas protegidas.

            § 1º A fotografia, quando utilizada por terceiros, indicará de forma legível o nome do seu autor.

            § 2º É vedada a reprodução de obra fotográfica que não esteja em absoluta consonância com o original, salvo prévia autorização do autor.”

            Já o código civil afirma

            “Art. 20. Salvo se autorizadas, ou se necessárias à administração da justiça ou à manutenção da ordem pública, a divulgação de escritos, a transmissão da palavra, ou a publicação, a exposição ou a utilização da imagem de uma pessoa poderão ser proibidas, a seu requerimento e sem prejuízo da indenização que couber, se lhe atingirem a honra, a boa fama ou a respeitabilidade, ou se se destinarem a fins comerciais.”

            Está vendo. Você não pode utilizar como quer minhas fotos, pois sempre precisa de minha autorização e indicar o autor. E eu não posso colocar a foto sem sua autorização em minha fã page ou site 🙂

          • Sophos Nsm

            é tipo isso. por isso atualmente eu sou meio chato e imponho meu proprio contrato. a chance de eu usar isso comercialmente no futuro é tipo 1 em um bilhão, mas vai que né? por outro lado aqui em brasilia deve ter mais fotografo que gente (eita) então fica um pouco vantajoso pra mim na posiçao de cliente impor minhas necessidades, por outro lado a chance tecnicamente zero de eu usar comercialmente o trabalho do fotografo acaba deixando ele mais confortavel em ceder os direitos.

            uma coisa legal é que a minha fotografa atual postou muitas fotos no facebook dela, eu autorizei verbalmente a faze-lo e ainda compartilhei tudo que ela postou lá (com logo em cada foto e tudo) fazendo o comercialzinho dela lá (e como eu compartilhei ficou subentendido que eu autorizei tacitamente)ambos ficaram felizes e pronto. por outro lado eu me sinto a vontade pra postar as fotos no facebook sem precisar fazer merchan pra ela cada vez que eu posto as fotos e ela não reclama. com a qualidade do trabalho (a fotografa é muito boa) é meio obvio que é um trabalho profissional,se alguem um dia quiser o contato eu passo, mas não vou colocar o nome dela na foto cada vez que eu postar no instagram ou facebook.

            no seu caso é o contrario vc tem experiencia e nome pra fazer valer seu contrato e ainda tem o suficiente pra rejeitar o cliente caso ele não aceite seu contrato. é uma situação diferente, eu não me encaixaria como cliente seu e vc não se encaixaria como fotografo meu pq nossas necessidades são conflitantes.

          • Sophos Nsm

            sobre o autor ganhar sempre há controversias. eu acho bem provavel que numa disputa comercial o fotografo ganhe isso é quase certo , mas numa disputa entre o cara que postou a foto no facebook apesar do contrato? mui dificil o juiz dar ganho de causa a não ser que haja um motivo muito muito forte.

            tem outro ponto que vc falou sobre leis contrarias se batendo. só tem um problema: uma dessas leis é a constituição e nenhuma lei e absolutamente nenhuma mesmo ganha da constituição. o fotografo tem direito ao portfolio? tem sim! assim como o cara que trabalha em um projeto secreto de uma empresa tambem tem, mas se não estiver em contrato eu posso simplesmente vetar o uso de minhas imagens, especialmente comercialmente. no caso do facebook é portfolio? é! mas é tambem uma ação de marketing e como tal o modelo deve ser remunerado.

            de qualquer maneira a ação do meu advogado (na verdade meu parente) foi meramente de dissuasão. ele estava sim disposto a ir na frente mas era mais pra dar dor de cabeça e no fim das contas o fotografo teria o desgaste de ir atras de defensor (publico ou privado), de comparecer a audiencias, de estar sujeito a perder o processo (uma possibilidade provavel), de me idenizar e finalmente teria o proprio nome exposto como o fotografo que não respeitou a privacidade do cliente. ele pesou tudo isso e viu que não valia a pena.

          • Opa opa: os direitos do autor de um livro, música ou filme são diferentes dos de uma fotografia pessoal.

            O ator *recebe* para atuar. O cliente em um casamento está *pagando* pela foto. Se o fotógrafo quiser ter sua marca dele lá, impressa, ele que inverta a situação, peça e pague pelo privilégio de usar a imagem do casamento do cliente, com pessoas e cenários, para enriquecer seu portfólio, se este aceitar.

          • Sophos Nsm

            E tem isso né. é um treco em que só um dos lados paga. Colocar direitos iguais para ambos os lados e deveres só para uma das partes é complicado.

      • Existe uma gritante diferença entre você comprar uma fotografia artística de um fotógrafo, e um fotógrafo que quer vender a imagem de seu cliente como autoria própria.

        Quando se fotografa uma pessoa, a pessoa fotografada tem no mínimo tanto direito quanto o fotógrafo. Senão mais.

        É completamente absurda a ideia de se acreditar que o registro de uma cena vale mais que a cena em si. A fotografia de casamento não é apenas o trabalho de um artista, é a memória íntima de uma família.

        É imoral tomar para si os créditos de uma memória que é 99,99% do cliente. O fotógrafo ali é um agente do registro do momento. Sequestrar e restringir os direitos sobre a memória que é tão pessoal e especial que, se o o cliente quiser, ele queima ou ele mostra para quem ele quiser.

        Essa noção de propriedade do fotógrafo ter direitos sobre as memórias alheias é tão abusiva quanto aqueles casos onde a Apple processou clientes que, legalmente, modificaram *seus* iPhones. Se uma lei assim for aplicada à risca, você não deveria ter direito a pintar seu carro sem a autorização (e provavelmente pagamento) da montadora.

    • Torquato Pit Bull

      O problema é você pagar uma fortuna por um álbum e um fotografo usar os direitos sobre sua imagem.

    • Sophos Nsm

      ha algum tempo paguei por um ensaio de minha dignissima. o fotografo mandou as fotos todas com marca d’agua eu pedi as fotos sem as marca dagua e ele disse que tava no contrato que as fotos iriam com marca dagua.

      procurei um primo adevogadu e ele disse que conseguia contornar isso.

      uma ligação de 10 minutos depois explicando como o fotografo ia gastar dinheiro com outro adivhogadus por ter colocado uma das fotos no facebook dele (sem autorização e sem estar no contrato) e o fotografo me enviou todas as fotos sem marca dagua (e sem tratamento)….

  • Sophos Nsm

    ha algum tempo paguei por um ensaio de minha dignissima. o fotografo mandou as fotos todas com marca d’agua eu pedi as fotos sem as marca dagua e ele disse que tava no contrato que as fotos iriam com marca dagua.

    procurei um primo adevogadu e ele disse que conseguia contornar isso.

    uma ligação de 10 minutos depois explicando como o fotografo ia gastar dinheiro com outro adivhogadus por ter colocado uma das fotos no facebook dele (sem autorização e sem estar no contrato) e o fotografo me enviou todas as fotos sem marca dagua (e sem tratamento).

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis