Com o Workplace, Facebook agora mira no Slack e LinkedIn

facebook-workplace

Conforme disseram anteriorme, Mark Zuckerberg está transformando o Facebook em um pato. Ele deseja que sua rede social se torne uma internet à parte, com serviços internos que supram todas as necessidades de seus usuários. Assim, eles não terão a necessidade de consumir notícias, fazer compras online, assistir streaming de eventos e games, conversar via áudio e vídeo com amigos e parentes e etc.

O problema é que o Facebook não executa nenhuma dessas funções direito. Mas Zuck não desiste.

A tal versão da rede social para empresas estava em fase de testes desde o ano passado, mas agora ela foi liberada ao público com um novo nome: Workplace. Ela é voltada ao uso exclusivamente corporativo, tanto que não é possível aos usuários civis utilizarem a rede. Durante os últimos meses mais de mil companhias aderiram ao beta, entre elas algumas grandes, como Starkbucks (a matriz), Danone, Booking.com e Oxfam. Agora, empresas interessadas devem entrar em contato no site oficial para solicitar o acesso.

Como funciona? O empresário irá cadastrar sua companhia e seus funcionários, que terão acesso ao Workplace e ao companion app Work Chat, um Facebook Messenger dedicado. O foco está nas relações de trabalho, facilitando o contato dos colaboradores para a articulação de projetos, de modo que ele dispensaria um e-mail corporativo por exemplo. Ao mesmo tempo ele mantém sua missão de rede social para manter conexões entre profissionais, de uma maneira similar ao LinkedIn e ao Slack (esse último em menor grau, mas é fato que ele também é um alvo).

Todas as ferramentas do Facebook tradicional estão disponíveis: feed, chat, Facebook Live, discussão em grupos, traduções automáticas e ligações de voz e vídeo por IP. No entanto ele não permite alternância entre uma plataforma e outra, a fim de não prejudicar a produtividade.

Em tempo: o Workplace não é gratuito. O Facebook cobra US$ 3,00 por funcionário de empresas com até mil empregados, US$ 2 das empresas com entre 1.001 e 10 mil funcionários e US$ 1 daquelas cujo número de profissionais excede os 10 mil. ONGs e instituições educacionais poderão usar a plataforma gratuitamente, claro que mediante processo de validação (Save the Children já faz parte do projeto). Ao mesmo tempo, o Facebook anunciou um programa de sócios para impulsionar a adoção da plataforma entre agências de publicidade e seus clientes. Deloitte Digital, Edelman, Weber Shandwick e Ketchum estão entre os parceiros.

Resta saber se vai dar certo e o Workplace não será apenas outra ferramenta mais do mesmo do Facebook. Tanto o app principal (iOS, Android) quanto o Work Chat (iOS, Android) já estão disponíveis.

Fonte: Facebook.

Relacionados: , , , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar
  • Mira em todos, mas não acerta em nenhum.

  • Caipiroto, o Capeta Caipira 😈

    Com o LinkedIn não sei, o foco da rede não é a empresa em sim, mas o profissional, sendo mais uma rede de Networking pessoal/profissional que uma rede de cooperação intra-organizacional.

    Mas o Slack realmente pode estar na mira, embora eu não confiaria informações sigilosas da minha empresa a nenhum serviço que rodasse fora dos meus servidores.

  • Davi Leichsenring

    Daqui a pouco vão lançar uma rede social dentro do FB

    • Christiano Nascimento Amorim

      e é capaz de dar errado também.

  • Pingback: Com o Workplace, Facebook agora mira no Slack e LinkedIn - Lojas Mídia()

  • OverPower

    Pra quem tem redes baseadas em Active Directory vale muito mais a pena usar o Yammer do Office 365 pois a autenticação é integrada com o On-Promise da empresa…

    • OverPower

      Acabei de ver que tem suporte para Active Directory. Aí começa a ficar interessante…

    • ESouza

      Exatamente. A Microsoft inclusive está de olho nessa solução do Zuckerberg a um certo tempo, considerando-os como solução rival à algumas soluções da suíte do Office 365, como o Yammer e o Skype for Business

  • Douglas

    Gogoni, tem que falar do Yammer nessa reportagem

    • Pior que eu não testei o Yammer ainda, já me recomendaram. Tá na fila.

  • Achei muito interessante o serviço, e ele é diferente do linkedin, pois você só coloca seu currículo (basicamente), já no facebook é para fazer os trabalhos, conversas…

  • Mirai Densetsu

    Por mim, o Facebook continuaria devidamente bloqueado na empresa.

  • “Postagem do Chefe”

    Você e outras 33 pessoas não curtiram isso.

    “Você e outras 33 pessoas foram demitidas.”

  • E coletando cada vez mais informações pessoais.

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis