Tribunal ordena: Europeus poderão revender seus jogos digitais

dori_stea_03.07.12

Se a indústria de games vem há anos buscando soluções para acabar ou pelo menos diminuir o comércio de jogos usados, uma decisão tomada pela Corte de Justiça da União Europeia provavelmente fará com que muitos executivos percam suas noites de sono, pois de agora em diante os consumidores deverão poder revender os títulos adquiridos em lojas de distribuição digital.

De acordo com o documento, “o autor do software não pode se opor à revenda de suas licenças ‘usadas’, permitindo o uso de seus programas baixados da internet.” O texto ainda diz que “mesmo que os termos de licença proíbam uma transferência para outra pessoa, o detentor dos direitos não pode mais impedir a revenda daquela cópia.

O decreto especifica no entanto que caso um jogo seja passado para outra pessoa, o vendedor deverá deletá-lo do seu computador, caso contrário será considerado crime, já que neste caso as leis de direitos autorias estarão sendo violadas. Para o tribunal, os direitos de reprodução exclusivos não podem ser esgotados na primeira venda.

Porém, uma lista de perguntas passam pela minha cabeça ao saber de tal decisão. Como se comportarão serviços como Steam, Origin, PSN, Xbox Live e tantos outros em relação a esta decisão? O que acontecerá com eles se não seguirem as ordens e será que estão preparados para permitir que os usuários revendam seus jogos? E digo mais, será mesmo que essa imposição é realmente boa para os gamers?

É claro que a maioria defende o direito de poder revender seus jogos, mas essa nova lei não poderá acabar fazendo com que lojas deixem de atuar nos países atingidos ou mesmo as editoras decidam que desse jeito o melhor é deixar de distribuírem os seus games digitalmente por lá?

No fundo acho que essa história ainda terá muitos capítulos e se a princípio a exigência não nos afeta, será interessante ver como os consumidores do restante do planeta se comportarão caso os europeus realmente possam revender suas aquisições. Essa eu pago para ver. Ou melhor, até pago, mas numa promoção do Steam, só para depois vender com um valor bem maior.

[via Eurogamer]

Relacionados: , , , ,

Autor: Dori Prata

Pai em tempo integral do pequeno Nicolas, enquanto se divide escrevendo para o Meio Bit Games, Techtudo e Vida de Gamer, tenta encontrar um tempinho para aproveitar algumas das suas paixões, os filmes, os quadrinhos, o futebol e os videogames. Acredita que um dia conseguirá jogar todos os games da sua coleção.

Compartilhar
  • Eu já acho o valor dos jogos online tão baixo que compensa comprar “novos” (esta palavra dá para usar neste caso). A não ser os lançamentos que são “preço cheio”.
    Na certa vão arranjar algum jeito de lucrar com estas revendas também.

  • E só para constar… não venderia meus joguinhos… 😀

  • Isso ainda vai dar “m***” por lá. Quero só ver qual vai ser a reação da Valve, EA, Sony e afins sobre isso. É bem capaz que numa atitude extrema elas possam vir a CESSAR e BLOQUEAR as vendas online para os países europeus. Isso vai dar muito o que falar, heim? Vamos aguardar pelos desdobramentos disso aí

  • Marcelo Kohl

    Acho muito justo, o cara comprou um produto e tem que ter o direito de revende-lo, ou mesmo doa-lo se assim quiser. Eu tenho uns jogos toscos que comprei e doaria só pra tirar da minha lista de games no steam, se isso fosse possível.

  • Keaton

    E se a Steam permitisse que revendesse mas ficasse com 45% do preço além de só permitir a venda por um sistema próprio?

  • Bom pros consumidores, mas horrível para as empresas, principalmente as indies.

    Prevejo uma nova onda de DRM’s draconianos pra contrabalançar a nova lei. E você até vai poder revender sua licença, mas ela não vai ter as mesmas coisas que uma licença virgem tem.

    I.e.: é trivial fazer um jogo no qual contas virgens tenham acesso gratuito a determinados benefícios e equipamentos que, para contas revendidas, sejam pagos.

  • Pingback: Sem poder revender seus jogos, alemães processam Valve « Meio Bit()