Meio Bit » Arquivo » Internet » O bate-papo mais forever alone de todos os tempos: ICQ para Linux

O bate-papo mais forever alone de todos os tempos: ICQ para Linux

ICQ lança "versão" para Linux que nada mais é que o programa feito em Adobe AIR.

12 anos atrás

Não me surpreenderia saber que muitos leitores do Meio Bit jamais usaram ou mesmo ouviram falar do ICQ. Para esses, uma explicação rápida.

O ICQ foi criado em Israel, no século passado, por uma empresa chamada Mirabilis. Era um programa de bate-papo que, no final dos anos 1990, início da década 2000, era bastante popular, algo como o Windows Live Messenger, aka "MSN", é hoje em dia.

O sucesso levou a Aol a comprar o ICQ e, com o toque de Midas às avessas da empresa, destrui-lo com o passar do tempo. Nesse ínterim, a Microsoft investiu uma baba em publicidade para o então MSN Messenger e abocanhou boa parte do mercado do ICQ, deixando o concorrente, afogado em anúncios da Aol, no limbo do esquecimento.

Hoje o programa está nas mãos de um grupo de investidores russo e... bem, dizem que ele ainda é bastante usado naquela região. E só.

Apesar do recente histórico deprimente, o ICQ continua na batalha, atualmente na versão 7.5 e oferecendo recursos modernos, como integração com Facebook, bate-papo por áudio e vídeo e compartilhamento de vídeos do YouTube em tempo real. Nada inovador, mas a par com as outras soluções de conversação virtual do mercado.

Introdução feita, vamos ao que interessa. O assunto do momento no Twitter, hoje, é a versão para Linux do ICQ. Todos comemoram? Sim e não.

ICQ for Linux: o bate-papo forever alone.

ICQ for Linux: o bate-papo forever alone.

O ICQ para Linux é uma promessa antiga... Demorou para ser concretizada e, quando feita, foi da pior maneira possível. Isso porque não se trata de um programa nativo, mas sim a versão Web do ICQ empacotada pelo Adobe AIR. E, como todo aplicativo em AIR, ela é multiplataforma, funciona no Windows e no Mac OS X também — aliás, o "cliente oficial" do OS X é o mesmo do Linux, também em AIR.

É legal o ICQ dar esse espaço para o Linux, mas bata o olho nos requisitos mínimos para rodar a bagaça e veja o porquê da Adobe não conseguir emplacar o AIR. Pedem um processador de 2,33 GHz. A título comparativo, o Windows Live Essentials, pacote que inclui não só o Live Messenger, mas outros aplicativos teoricamente mais pesados, como cliente de email e editor de vídeos, pede processador de 1 GHz.

O mais curioso é que apesar do burburinho, a Wikipedia nos diz que a versão em AIR existe há mais de um ano, foi lançada em fevereiro de 2010. Ou essa passou batida pela comunidade linuxer (o que seria perdoável, dada a pífia expressão do ICQ), ou só agora os desenvolvedores do programa criaram essa página bonitinha do ICQ for Linux para promover (mais) a versão em AIR...

Então, é isso. Se você ainda se lembra do seu UIN e faz parte dos 1% de usuários Linux, tire a poeira da conta e relembre as velhas amizades. Digo, relembre com quem você conversava na década passada, já que a probabilidade dessa galera estar conectada ao ICQ hoje é, na melhor das hipóteses, baixíssima...

Via Ubuntu Dicas.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários