Meio Bit » Games » Quem poderia nos dar um novo Ninja Gaiden?

Quem poderia nos dar um novo Ninja Gaiden?

Team Ninja não descarta deixar desenvolvimento de um novo Ninja Gaiden nas mãos de outro estúdio e nos faz pensar quais poderiam assumir a tarefa

29/09/2022 às 9:55

Se desconsiderarmos uma coletânea lançada em 2021, lá se vão oito anos desde o lançamento do Yaiba: Ninja Gaiden Z, último capítulo da lendária série da Koei Tecmo. Como os fãs não gostaram muito daquele spin-off, a pergunta que muitos continuam se fazendo é: quando veremos a chegada de um novo jogo? Pois para a tristeza de todos, a resposta não é das mais esperançosas.

Ninja Gaiden

Crédito: Divulgação/Team Ninja/Koei Tecmo

Quem falou sobre o assunto foi Fumihiko Yasuda, que trabalhou como diretor no Nioh e ao lado de Masaaki Yamagiwa é o produtor do novo projeto do Team Ninja, o promissor souslike Wo Long: Fallen Dynasty. Ao ser questionado pelo pessoal do Video Games Chronicle se eles cogitam deixar o desenvolvimento nas mãos de um estúdio externo ou passá-lo a uma equipe mais jovem, o game designer respondeu:

“Nós não estamos anunciando nada, mas ambas as ideias soam como ótimos planos e ambas são possibilidades em certo sentido. Essas ideias são muito, muito razoáveis para uma potencial sequência em qualquer série, não apenas a Ninja Gaiden. Mas o que quero dizer é que, se teoricamente trabalhássemos com outra companhia em um novo Ninja Gaiden, precisaríamos ter certeza de que seria um título que os fãs realmente gostariam e que superaria suas expectativas.”

Ainda segundo Yasuda, todas as peças teriam que se encaixar, com o projeto sendo dado para a equipe certa, um grupo que ele classificou como que “realmente tivesse o pedigree do Ninja Gaiden.” Mas quais estúdios poderiam se encaixar nesta descrição?

Ryu Hayabusa enfrentando o chefe da 3 fase, no NES (Crédito: Reprodução/Multimedia Mike/MobyGames)

Pois ao pensar nessa pergunta, dois nomes imediatamente vieram à minha cabeça. O primeiro deles seria a PlatinumGames, desenvolvedora fundada por Shinji Mikami e Hideki Kamiya, e que tem no seu portfólio algumas ótimas criações cuja jogabilidades pendem bastante para o lado dos Ninja Gaiden em 3D, como a série Bayonetta ou o Metal Gear Rising: Revengeance. Com um pouco de boa vontade, até o aclamado Nier: Automata pode servir de exemplo.

Já o outro estúdio que acredito ser capaz de fazer um bom trabalho com o universo de Ryu Hayabusa — e não só devido ao nome — é a Ninja Theory. Embora suas criações contem com sistemas de combates um pouco mais simples, eu me diverti muito lutando no Heavenly Sword, no Enslaved: Odyssey to the West ou no DmC: Devil May Cry. Além disso, sempre gostei muito das histórias que eles contam, algo que está longe de ser o ponto forte da série da Koei Tecmo.

Outro que considero uma boa pedida, mas aí admito que seria uma aposta bastante ousada, seria o Sloclap. Recentemente os franceses ganharam destaque pelo divertidíssimo (e bastante difícil) Sifu e embora o jogo funcione mais como um Beat 'em up, vale lembrar que o primeiro Ninja Gaiden era justamente nesse estilo. Logo, será que uma volta às raízes não poderia ser uma boa?

E já que estamos falando do passado mais distante, por que não fazer um novo Ninja Gaiden como aqueles que nos encantaram no Nintendinho? Se fosse seguir por este caminho, o projeto poderia ser dado para o estúdio LizardCube, que já mostrou ser extremamente competente em trabalhar com gráficos 2D recriados a mão, como no Streets of Rage 4 ou Wonder Boy: The Dragon's Trap.

Mas independentemente de quem fosse escolhido, a tarefa de resgatar uma franquia tão pesada quanto esta não seria fácil. Seja com uma jogabilidade em duas dimensões, seja com o estilo implementado por Tomonobu Itagaki naquele fantástico jogo lançado para o primeiro Xbox, replicar a sensação de estarmos na pele de um ninja e principalmente, matendo a dificuldade alta, mas não injusta, seria um desafio imenso.

Por tudo isso, pode ser que o Ninja Gaiden nunca acabe nas mãos de outro estúdio, com a Tecmo preferindo manter a marca dormente até que surja um profissional da equipe interna com talento suficiente para tocar o projeto. Ou... até que uma gigante apareça com um cofre abarrotado de dinheiro e os convença de que “as peças se encaixar”.

Crédito: Divulgação/Team Ninja/Koei Tecmo

O interessante é ver profissionais do Team Ninja falando em terceirizar a franquia que inclusive gerou seu nome, sendo que nos últimos anos eles se dedicaram a criar diversos títulos de outras empresas. Foi assim que a Nintendo se arriscou com os musou, com o Hyrule Warriors e Fire Emblem Warriors; a Square Enix se aproximou dos soulslikes com o Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin; ou o Switch recebeu o Marvel Ultimate Alliance 3: The Black Order.

No fundo, sempre tenho um pouco de receio quando uma franquia é deixada sob a responsabilidade de outra empresa, mas os tempos mudaram e hoje essa é uma prática relativamente comum. O importante é o que o título em questão não seja visto apenas como um caça-níqueis e que as pessoas envolvidas no projeto conheçam a essência da marca e a respeite.

Quando todos esses requisitos são preenchidos, existe uma boa chance dessa mudança de mãos dar uma oxigenada em propriedades intelectuais que estão por aí há décadas e que em muitos casos foram bastante maltratadas por aqueles que as criaram. A própria Ninja Gaiden é uma cuja qualidade caiu  com os últimos lançamentos. Então, será que não está na hora da Tecmo deixar mentes mais frescas cuidarem dela?

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários