Home » Internet » Tumblr é vendido para a dona do WordPress por cerca de US$ 2 milhões

Tumblr é vendido para a dona do WordPress por cerca de US$ 2 milhões

Verizon vende Tumblr para a Automattic por uma fração do valor pago pelo Yahoo! em 2013; conteúdo pr0n vai continuar proibido

14/08/2019 às 9:30

O Tumblr trocou de mãos outra vez: a Verizon vendeu a plataforma de microblogs para a Automattic, empresa controladora do WordPress por um valor extremamente baixo, que segundo fontes gira em torno dos US$ 2 milhões - algo perto de R$ 8 milhões. A nova dona do site já avisou que a proibição ao conteúdo ( ͡° ͜ʖ ͡°) não será revista.

Desenho: HMS Titanic, com logo do Tumblr no casco, afundando

Desde a aquisição pelo Yahoo! em 2013 por US$ 1,1 bilhão  (que convertendo fica próximo de R$ 4,5 bilhões e é considerada a mais controversa da gestão Marissa Mayer), o Tumblr era considerado um elefante branco: o site nunca foi suficientemente lucrativo mesmo antes da compra, a despeito da grande quantidade de usuários, principalmente por contar com conteúdo majoritariamente ( ͡° ͜ʖ ͡°) ou SJW, que não são facilmente monetizáveis.

Quando o Yahoo! foi comprado pela Verizon, o grupo foi fundido à AOL (outra aquisição anterior) para formar a Oath, empresa que reúne veículos como AutoblogEngadgetBuzzFeedTechCrunchHuffPost e outros. No entanto, quando o corpo de executivos da operadora foi trocado, ambas operações foram consideradas erros que desperdiçaram US$ 5 bilhões, com o valor da Oath sendo revisado de US$ 8,8 bilhões para US$ 4,6 bilhões.

Logo, era hora de fazer caixa. Ainda em 2018 a Verizon mandou muita gente para a rua e começou a vender marcas que não lhe agregariam nada, como o Flickr para a SmugMug, o Moviefone (serviço de recomendação de filmes) para a Helios and Matheson Analytics e o Polyvore (comércio social) para a SSENSE, que o encerrou e absorveu.

O Tumblr já era o próximo da lista, o rolo com a App Store que levou à proibição de todo e qualquer conteúdo adulto na plataforma foi apenas mais um incentivo, já que o site perdeu uma grande quantidade de usuários e qualquer chance de monetização satisfatória. Em janeiro a Verizon começou a procurar compradores e a prioridade era se livrar do peso morto, ao invés de lucrar com a operação.

StockSnap / iPad e Tumblr / Pixabay

Ao que tudo indica entretanto, o comprador deveria ser uma empresa disposta a não rever o banimento do ( ͡° ͜ʖ ͡°), ou isso seria admitir que a atitude foi um erro e uma decisão tomada apenas para agradar a Apple, embora hajam casos e casos: o Reddit, que no passado teve problemas com redditorias criminosas só lançou um app oficial para iPhone e Android em 2016, com filtros que impedem a exibição de conteúdo adulto; já o Telegram tem seus canais identificados como adultos bloqueados em dispositivos da maçã.

Dessa forma, por mais que o PornHub estivesse disposto a pagar uma boa grana para colocar as mãos no Tumblr, a Verizon teria descartado-o por este desejar restaurar todo o ( ͡° ͜ʖ ͡°) banido do site de microblogs. Assim a venda foi fechada com a Automattic, num valor que segundo Peter Kafka, correspondente do site Recode, gira em torno de US$ 2 milhões, troco de pinga perto do que a Loura Má™️ torrou.

Em entrevista ao site The Wall Street Journal, o CEO da Automattic e criador da plataforma de blogs WordPress, Matt Mullenweg, disse que a ideia é manter a proibição ao conteúdo adulto como implementada pela Verizon, ao mesmo tempo em que a empresa "não tem a intenção de prejudicar a atual atmosfera do Tumblr", por considera-la "divertida". Sim, já ouvimos essa promessa antes e ela não foi cumprida da primeira vez.

Em julho de 2019 o Tumblr registrou 380 milhões de visitantes, um número baixo quando comparado aos 521 milhões de dezembro de 2018, antes da proibição ao ( ͡° ͜ʖ ͡°) entrar em vigor. A tendência é esse número continuar caindo e por isso, fica difícil prever qual será o destino da plataforma: se ser absorvida pelo WordPress, renomeada e reposicionada para outro público ou mantida como está, definhando pouco a pouco.

Com informações: Vox, The Wall Street Journal.

Leia mais sobre: , , , , , .

relacionados


Comentários