Home » Entretenimento » Peter Jackson vai fazer documentário sobre os Beatles a partir de 55 horas de material inédito

Peter Jackson vai fazer documentário sobre os Beatles a partir de 55 horas de material inédito

Depois de They Shall Not Grow Old, Peter Jackson agora vai fazer um documentário sobre os Beatles, usando as mesmas técnicas de recuperação de imagens

16 semanas atrás

Depois de criar um espetacular documentário sobre a Primeira Guerra Mundial, They Shall Not Grow Old, Peter Jackson agora volta sua atenção para os Beatles, uma das maiores bandas de rock de todos os tempos. O diretor contou hoje que seu próximo projeto será criar um documentário sobre os Beatles, que será feito a partir de 55 horas de material inédito.

Peter Jackson vai fazer um documentário sobre os Beatles a partir de 55 horas de material inédito gravado em 1969
O material foi filmado em janeiro de 1969 por Michael Lindsay-Hogg para um especial de TV sobre a preparação do disco, Let it Be, que mesmo não tendo sido o último a ser gravado, acabou sendo o último a ser lançado, e marcou a despedida da banda. O projeto de Lindsay-Hogg ficou tão incrível que acabou virando um filme, também chamado Let it Be, que foi o vencedor do Oscar e do Grammy em 1970 como melhor trilha sonora. A parceria da WingNut Films com a Apple Corps vai aproveitar não só o material em vídeo, mas também tudo o que foi gravado em áudio.

A data escolhida para anunciar o projeto foi significativa, já que hoje completam 50 anos do histórico show no teto dos escritórios da Apple Corps (não confundir com a Apple, Inc. de Cupertino, Califórnia) em Londres. O novo documentário deve ser lançado ano que vem, para comemorar os 50 anos do lançamento do disco e do filme Let it Be, e também do final da banda.

Vale lembrar que em 2003 Paul McCartney fez o possível pra resgatar o espírito original do álbum, o de ser gravado ao vivo, lançando Let it Be... Naked, uma versão de Let it Be sem os efeitos e overdubs de Phil Spector (colocados depois das gravações), e que é muito superior ao que foi lançado  em 1970, pelo menos na minha humilde opinião.

Falando sobre o filme, Peter Jackson deixou um recado aos fãs: "As 55 horas de filmagens inéditas e 140 horas de áudio que foram disponibilizadas pra nós, garantem que esse filme vai oferecer aos fãs dos Beatles a experiência de ser uma ‘mosca na parede’, algo com o qual eles sonham há muito tempo – é como se uma máquina do tempo tivesse nos transportado até 1969, e nós pudéssemos sentar no estúdio assistindo esses quatro amigos fazendo músicas incríveis juntos.”

Peter Jackson vai fazer um documentário sobre os Beatles a partir de 55 horas de material inédito gravado em 1969

Quando se pensa em Let it Be, o que se imagina logo são brigas intermináveis entre os membros da banda, mas Peter Jackson conta que nas gravações, encontrou outra coisa:

“Eu fiquei aliviado ao descobrir que a realidade é bem diferente do mito. Depois de assistir todas as filmagens e gravações em feitas por Michael Lindsay-Hogg 18 meses antes da separação da banda, é simplesmente um maravilhoso tesouro histórico escondido. É claro, temos momentos de drama – mas não achei nada da discórdia a qual esse projeto foi sempre associado. Assistir John, Paul, George e Ringo trabalhando juntos, criando do zero músicas que hoje em dia são clássicos, é não apenas fascinante – mas também é algo engraçado, animador e surpreendentemente íntimo.”

Peter Jackson vai fazer documentário sobre os Beatles a partir de 55 horas de material inédito

Para fazer o projeto, Peter Jackson recebeu o aval e a confiança de Sir Paul McCartney e Sir Ringo Starr, além é claro de Yoko Ono Lennon e Olivia Harrison, as herdeiras oficiais dos saudosos Beatles já que nos deixaram. O diretor agradeceu a confiança: “estou muito animado e honrado por terem confiado em mim com esse material fantástico – fazer esse filme será pura alegria.”

Para ajudá-lo na missão, estão ao lado de Peter Jackson a produtora e o editor de They Shall Not Grow Old, Clare Olssen e Jabez Olssen, mas além da equipe, os dois filmes têm outra coisa em comum, a recuperação do material original pela Park Road Post, uma empresa criada por Peter Jackson em 2002 especialmente para fazer a finalização de O Senhor dos Anéis: O Retorno do Rei.

Em They Shall Not Grow Old, Jackson optou por um caminho ousado, que tornou o filme uma verdadeira revolução técnica, com o uso de colorização, gravação de novo áudio e até mesmo o uso de ferramentas 3D para tornar reais as imagens feitas no começo do século passado, e ajudar na identificação do público de hoje em dia com os soldados da primeira grande guerra, mas isso é assunto pra outro post, já que o filme merece uma resenha só pra ele.

Como as técnicas de recuperação serão aplicadas no material original do documentário dos Beatles, que certamente está em melhor estado que as filmagens da Primeira Guerra, podemos esperar uma qualidade absurda. A Apple Corps também avisou que o filme original de Michael Lindsay-Hogg também será relançado com a qualidade do novo documentário.

Os fãs dos Beatles comemoram a parceria da Apple Corps com a WingNut Films, e aguardam ansiosos pelos frutos que estão vindo por aí, incluindo eu, é claro.

relacionados


Comentários