Wedding Brasil 2012 – 3º Dia

E começamos o terceiro e último dia do Wedding Brasil 2012. Nossas forças estão minguando, mas ainda estamos ávidos por conhecimento, e o dia promete. Depois de uma Quarta-Feira agradável do ponto de vista climático, a Quinta começa com fortes ventos e céu cinza. Um pequeno prelúdio do dilúvio que iria cair no começo da noite. Mas, o que importa para a gente nesse momento é o congresso.

O dia começou com o americano Cliff Mautner que nos trouxe a palestra O Domínio da Luz: Qualidade x Quantidade onde tivemos informações de cunho técnico. Cliff mostrou um pouco de sua metodologia de trabalho e como o fotógrafo de casamento que quer ganhar dinheiro realmente tem que investir no equipamento mais caro. Sempre dizemos que para fazer fotografia o mais importante é o fotógrafo e não o equipamento, mas existem certas situações em que o melhor equipamento vai nos ajudar a atingir um objetivo. Entre os ensinamentos do fotógrafo temos o fato de sempre utilizar o flash fora da câmera (contratem um assistente) e que a lente mais utilizada por fotógrafos (a 24-70mm f/2.8) é uma lente chata e deve ser deixada de lado. O primeiro ensinamento eu já pratico há muito tempo, o segundo vai ser um pouco mais complicado, pois essa é a lente que mais gosto. No final Cliff também fez uma dinâmica com alguns dos participantes do congresso. Estranho que esse ano tenham utilizado poucas modelos contratadas, passando a se utilizar da plateia para as atividades práticas.

A segunda palestra, embora tenha trazido pouca novidade técnica, foi muito divertida e até emocionante. O mexicano Daniel Aguilar apresentou a palestra Imagens Extraordinárias: A Transformação para a Conquista de Novos Clientes onde nós tivemos um relato impressionante de sua trajetória dentro do mundo da fotografia. Temos aqui uma história vencedora de um rapaz que em poucos anos passou de um Engenheiro de Sistemas frustrado para um dos mais importantes fotógrafos de casamento do México. Digo que aqui temos uma apresentação motivacional, mostrando que é possível com empenho vencer na fotografia, porém ainda mantendo a simplicidade. Daniel usa poucas lentes, trabalha preferencialmente com luz natural e ainda se utiliza de arquivos JPEG. Se ele ainda não percebeu a qualidade que os arquivos RAW podem proporcionar em seu trabalho, imagino que ele ainda esteja em processo de evolução. Ou seja, ainda vamos ouvir falar muito desse rapaz.

Fechando o evento, de maneira absolutamente perfeita, tivemos a apresentação de Fábio Laub, um dos mais bem sucedidos fotógrafos de casamento do Brasil. Ano passado ele já tinha apresentado uma palestra matadora sobre o atendimento de clientes em seu estúdio. Não tenho vergonha de falar que depois desse dia eu mudei totalmente a maneira de me relacionar com meus clientes e de cativar cada um deles. Em 2012 ele volta com o tema Por que Ninguém me Contou isso Antes? Descobertas de 15 anos de carreira. A palestra foi levada de maneira mais emocional do que técnica e nos levou a pensar o que torna nossa marca forte e relevante dentro do mercado. O que faz um cliente nos escolher para fotografar o seu casamento? Como manter a qualidade no atendimento e outras grandes e valiosas dicas para os presentes. Na metade da palestra, Fábio chamou um grupo de ouvintes para ir até o palco e fazer um bate papo sobre as questões que foram colocadas por ele. Foi a chance de alguns poucos privilegiados fazerem suas perguntas, elucidarem as suas dúvidas e ganharem muito conhecimento. Para mim, foi a melhor palestra do terceiro dia.

E se acabou mais um Wedding Brasil. Assim como no ano passado, saímos do Memorial da América Latina já pensando no próximo ano. O resumo geral se mostra extremamente positivo e todos os expectadores vão levar muitas ideias ou repensar sua postura profissional. De qualquer jeito todos nós saímos ganhando.

Gostaria de agradecer à Editora Photos que possibilitou mais uma vez ao  Meio Bit cobrir esse evento e também pela participação gratuita de três de nossos leitores.

Relacionados: , ,

Autor: Gilson Lorenti

Geógrafo de formação e fotógrafo de coração, comecei a fotografar com 18 anos de idade (antes disso nunca tinha pegado uma câmera na mão). Depois de muito estudo veio a carreira profissional que passou por várias modalidades da fotografia até realmente descobrir o que gosto de fazer. Hoje me dedico ao ensino de fotografia, fotografia Fine Art e Books Fotográficos (gestante, moda, sensual). Tomando emprestado as famosas palavras de Ansel Adams "Quando as fotografias não forem mais suficientes, me contentarei com o silêncio".

Compartilhar