Reality Check: Google desiste de cobrir o mundo com os balões do Projeto Loon

Já se passaram quase quatro anos desde que o Google anunciou o Projeto Loon, um esforço da gigante das buscas para levar internet rápida e de qualidade a todos os cantos da Terra, de graça. Seus balões estratosféricos já se provaram bastante eficazes, permanecendo estacionados por dias em regiões com pouco ou nenhuma infraestrutura de rede (terrestre ou 4G) e para quem depende de conexões via satélite, se tornou uma mão na roda e tanto.

Entretanto a realidade é cruel. A ideia original de manter um fluxo constante de balões no ar, provendo conexão por tempo indeterminado infelizmente caiu por Terra, mas não reclame ainda: isso não significa que o projeto chegou ao fim.

A Unidade X da Alphabet Inc., chefiada pelo cientista da computação e PhD em IA Astro Teller é hoje a divisão responsável pelo Projeto Loon, e cabe a ele extrair o máximo do programa e obviamente torna-lo lucrativo, visto que o Google não faz nada por caridade. A bem da verdade o principal intuito com os balões não é fornecer conexão em si a quem não tem internet e sim fazer com que muita gente utilize seus computadores e dispositivos móveis para navegar e invariavelmente, consumam anúncios e as soluções Google, alimentando sua base de dados e mantendo os caixas da empresa cheios. É sempre bom lembrar que quase a totalidade da receita da companhia vem de ads, ainda que o Android domine quase 90% do market share de smartphones.

Por isso mesmo que segundo Teller o Projeto Loon precisa ser ajustado: ao invés de fornecer um fluxo constante de balões circulando a atmosfera, o programa agora se concentrará em uma melhor manobrabilidade dos mesmos para permitir que eles fiquem estacionados em regiões sem internet, levando conexão de dados aos lugares que realmente precisam.

Project Loon – Improving Navigation

Como vai funcionar de agora em diante: os balões serão programados de modo a se deslocar para regiões específicas ao invés de ficarem para lá e para cá, passeando ao sabor das correntes atmosféricas. O Google aprendeu o suficiente para aperfeiçoar o sistema de navegação e dessa forma os balões deixarão de ser unidades burras; cada região pré-determinada contará com uma quantidade de balões suficiente para manter uma conexão constante para as pessoas que realmente não podem arcar com os custos, como em regiões esquecidas da África e do sertão brasileiro.

Em última análise, o Google poderá reduzir a quantidade de balões que deverá produzir pois só precisará de um número bem específico para cada região que deseja conectar à internet; em terra bastará fornecer o receptor gratuito específico ao moradores e pronto, internet gratuita e estável por um longo período de tempo (talvez até permanente, basta os técnicos da Unidade X substituírem aos poucos os balões já gastos) com todo mundo consumindo os ads de Mountain View.

Particularmente acho a decisão mais acertada. Com o foco concentrado em conectar quem realmente não tem acesso e precisa de internet, o Google poderá fornecer um serviço melhor e consequentemente fazer mais dinheiro com ele, o que proverá sua expansão e levará mais balões para quem precisa de verdade. Afinal, trabalhar para pobre é pedir esmola para dois e deixar os balões circulando a esmo se provou desperdício de tempo, potencial e dinheiro para todos os envolvidos.

Fonte: Bloomberg.

Relacionados: , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar
  • jairo

    Quando que a Google vai desistir de desistir ?

  • Andre Nunes

    Eu sempre fui cético com relação a estes projeto por dois motivo:
    1) Energeticamente é inviável manter no ar dispositivos de rede e navegação. O que os alimentariam? Células solares são suficientes para esta função?
    2) Não conhecemos profundamente as correntes atmosféricas a ponto de ter um conjunto de balões cobrindo uma região geograficamente delimitada. Controlar um balão em meio a fortes rajadas de vento não é uma tarefa simples.

    • Omena

      Exatamente energia solar, e sim eles tem um pouco de conhecimento sobre as correntes, ou vc acha que aviões não precisam desses dados tbm. No flight radar vc vê direto esses balões na região amazônica, só não sei como é o acesso à essas conexões, mas tá operacional.

      • Pasquim Paladino

        Aqui no Acre tá de boa!

    • 1 – Então você precisa ter uma conversinha com os milhares de satélites que temos em órbita da Terra, a imensa maioria usando painéis solares.

      2 – Temos sim um conhecimento bem detalhado de correntes atmosféricas, jetstream e outras brincadeiras.

      3 – Na 2a Guerra o Japão conseguiu bombardear os EUA usando balões. Não é exatamente magia negra.

      • Luiz

        verdade, o Japão foi o unico a atacar o solo americano com sucesso até hoje.

  • Se a Google tivesse o empenho que a Samsung tem com os Galaxy, teríamos sinal perfeito todos os dias, não teria uma área sem acesso a internet no planeta, era capaz de ter mais balão que passarinho no céu… =P

    • Careca Voador

      E dadas as baterias Samsung que tivemos, teríamos o apocalipse nuclear também.

      • Daniel

        kkkkk

    • Luiz

      Tu ta falando daquela bosta que custa 3500, quase um iPhone mas é pior que Xingling de 1K ?

  • Franklin Anderson de Oliveira

    internet checkpoint !!! Onipresente !!!

  • Robert Soares

    Alguém pode avisar eles que perderam um aqui na minha cidade natal please.

    http:// cidadeverde . com/noticias/241587/balao-com-equipamentos-do-google-cai-no-interior-do-piaui-e-assusta-moradores

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis