Digital Drops Blog de Brinquedo

Universidade de Boston pede o fim do iPhone, do iPad e do MacBook Air e reembolso por patente

Por em 4 de julho de 2013
emDestaques Indústria relacionados   
Mais textos de:

Site | Twitter
  • Aleandre Da Silva Costa

    Pra mim patentes deveriam proibidas totalmente, apenas a lei de direitos autorais e muito mais justa. A patente fala, se eu tive uma ideia, ninguém pode ter uma ideia parecida com a minha se eu já tiver patentiado. Direitos autorias, eu tive a ideia e implementei, então não podem copiar o meu trabalho, muito mais justo. Lembrei de uma noticia, acho que encontrei até aqui no meio bit, de uma menina que inventou um supercapacitor extremamente eficiente. Uma empresa dos EUA já anunciava que ela não poderia lucrar com a ideia, por que patentiaram a ideia, mesmo sem conseguir implementar, ou seja a menina foi la e fez, e não pode lucrar com isso, a empresa não fez, e pode ganhar dinheiro em cima do serviço dos outros. Desse jeito, claro que não da pra ter inovações, as pessoas em alguns paises ficam até com medo de inventar e perder anos de seu trabalho para um dono de uma patente imoral.

    • http://www.shimatai.com.br Wagner Shimatai

      Isso no sistema de patentes americano, que é uma imensa piada de mal gosto. Já no Brasil e alguns outros países para se patentear algo, você tem que ter um projeto de protótipo funcional.

      Nos EUA já até patentearam o teletransporte! Ridículo isso, concorda?!

      • Aleandre Da Silva Costa

        Concordo plenamente, la tiveram brigas em tribunais contra o patenteamento do genoma humano, como se algo que existe na natureza pudesse ser de alguém que não o criou. Ponto pro brasil se o sistema de patentes e assim, oque o torna bem parecido com os direitos autorais.

        • http://www.shimatai.com.br Wagner Shimatai

          Só sei que no Brasil é assim porque eu estou estudando para dar entrada num pedido de patente pra mim.

          • Davi Braga da Rocha

            Parabéns por tentar algo nesse país onde cientista vale menos que um funkeiro.
            Espero que sua idéia dê certo.

          • Antonio Menezes

            Gostei da parte do funkeiro, me lembrou que aqui “é errado ser certo”.

          • Celio Alves

            Para piorar, o errado é sinônimo do politicamente correto.

    • paulokdvc

      Verdade, quando li a noticia da garota e depois do possivel processo por quebra de patente, dei risada. Ninguém põe a mão na massa e, quando alguém faz… tem de deixar de fazer.

      De que adianta idéias se você não as põem em prática!? Se haviam “criado” a idéia dos supercondutores, por quê não tivemos nada até agora? Mas vai alguém fazer o que você teve idéia, mas não fez, ai vêm processos.

      Mundo esquisito.

  • ronaldofloripa2013@gmail.com

    No meu tempo Troll de patente era o cara que jogava aguá enquanto um cagava no banheiro externo do sitio.

  • http://www.facebook.com/joaoluizgomes João Luiz Gomes Silveira

    Como dito no rodape, conclui que a Universidade de Boston não é um “troll de patente”, ela fez a pesquisa, não comprou.

  • http://www.speedtrap.com.br/ Marcio Neves Machado

    “Me pague retroativamente o que deve e apre de produzir”… Só não entendi a parte do “parar de produzir” :P

  • Celio Alves

    [trololó mode on] Como pode uma empresa que é conhecida pela sua “inovação” ser vítima de trolls de patentes? [trololó mode off]

    Na minha opinião, o sistema de patentes deveria ser extinto por ser excessivamente utópico (principalmente o americano). Na teoria, ele deveria ser usado para blindar as criações de pequenos inventores de fundo de quintal das grandes corporações, mas na prática acontece o contrário: as grandes empresas compram patentes à rodo ou criam patentes genéricas para impedir o avanço dos concorrentes e estagnar a evolução tecnológica.

  • Anderson Zardo

    Os Designers Projetam, os Engenheiros viabilizam e desenvolvem, e a etapa final é com os advogados.

  • Pingback: Universidade de Boston cobra direitos sobre o iPhone, iPad e MacBook Air | Menos Fios()