Parece inacreditável mas limites de tráfego só servem pras operadoras ganharem mais dinheiro

wallstreetbabyUm espectro ronda a Internet sem-fio, o espectro do limite de tráfego. Todo aquele futuro maravilhoso dos comerciais da IBM e da Microsoft, com gente fazendo tudo online depende não só do Edge (sou realista, e uso Vivo no Centro do Rio) funcionar como depende de tráfego ilimitado.

Não adianta você ter um incrível G Gradiente iPhone de última geração, Google Maps, Netflix e outras aplicações porretas, se depois de assistir a um Peter Jackson da vida boa parte do seu limite mensal já foi embora, e na hora de fazer streaming do 1o Contato com a nave alienígena que pousou no seu quintal, a Oi cortou sua banda pra 32K.

As operadoras dizem que essa limitação de quantidade de dados trafegada serve para evitar congestionamento dos links, uma justificativa moral e tanto, já que enquanto isso anunciam planos ilimitados cheios de asteriscos.

 

Na prática não é assim que a banda larga toca. A não ser que o sujeito seja um torrenteiro de marca maior não vai ficar 24/7 usando o link até o talo, e o congestionamento ocorrerá em momentos de pico, como Olimpíadas, 11 de Setembro, Copa do Mundo. Cortar a velocidade do sujeito não resolve nada.

Isso ficou evidente depois de uma pesquisa da New America Foundation, que comprovou não só a ineficácia da limitação de tráfego como sua não-necessidade. O texto traz verdades inconvenientes, como uma declaração do CEO da Sonic.net dizendo que o custo de tráfego de dados tem baixado a uma taxa mais rápida do que o crescimento do consumo.

Também lembram de algo que é uma fonte de renda absurda pras operadoras e tem um custo desprezível: SMS. Desprezível para a operadora, claro. Para nós custa uma fortuna.

Historicamente o temor de que os usuários de banda larga de tornariam consumidores inveterados nunca se tornou realidade. Sim, uma minoria é responsável pela maior parte do tráfego, mas mesmo essa maior parte nem arranha a banda disponível teoricamente.

Então pra quê regular a mixaria?

Simples, padawan. Se a operadora te vende 2GB e você precisa de mais, das duas uma: Ou paga extra todo mês ou assina um plano mais caro, com uma franquia maior, sendo que o custo para a operadora é pouco ou nada maior.

Em um de seus livros Arthur Clarke fez uma previsão: No dia 1º de Janeiro de 2001, celebrando o início do Século XXI as operadoras de telefonia do mundo acabariam com os planos de longa distância. Todo telefonema teria o custo de uma ligação local.

Isso integraria a Humanidade, aproximaria as pessoas e geraria bilhões em lucro, com empresas do mundo todo se comunicando com facilidade.

Clarke errou. Primeiro por não prever a Internet (ele até previu, mas em outros livros) e segundo por não prever a ganância das operadoras. Deixar de lucrar com a grana das interconexões é impensável, por isso você faz uma chamada Skype de vídeo HD de graça entre Brasil e Japão mas toma uma facada nos rins se tentar uma ligação de voz via telefone comum. Se for celular entáo…

O pior é que não há fim no horizonte. As operadoras inteligentes tipo GVT diversificam na oferta de serviços e tentam oferecer banda larga prêmium. O que menos se fala na GVT é telefonia. Já as operadoras de celular ainda se enxergam como provedores de voz que por acaso servem dados também.

É um modelo falido, vai para a lata de lixo da História junto com as gravadoras, só que ninguém sabe quando. Enquanto isso, quem sofre somos nós, tendo que perguntar ao garçom “aqui tem WIFI?” pra não gastar 3G subindo fotos do chopp pro Instagram.

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz e Calcinhas no Espaço.

Compartilhar
  • Faz sentido, porque veja:

    No 3G, o minimo que você utiliza, considerando o HSDPA, é uma portadora de 1.2mbps. Esse limite minimo é o limite tecnologico dela. Se você é rebaixado pra 32/50/128/150kbps, ou whatever, você vai continuar usando a MESMA largura da portadora, a mesma codificação, ainda mal-aproveitada, devido a velocidade baixa. Isso, estamos falando a nivel de camada 3, no máximo!

    Camada 4, and on, temos os links de acesso. PROVAAAVELMENTE, a operadora não contrate links o suficiente pra suprir cada ERB, então fica “miguelando” e colocando esses limites ridiculos. E olha que hoje em dia, nem banda é desculpa mais, pois tem operadora oferecendo quase 7mbps de velocidade no HSPA.

    (Fonte rápida pra confirmar: http://en.wikipedia.org/wiki/HSDPA)

    • JSparrowTheJack

      Do mesmo jeito que não tem melhora na velocidade se você usar uma rede Gigabit pra acessar a internet por uma DSL de 1 mega, não adianta a portadora ser de 1.2mbps se a infra não aguenta suprir todos os canais a essa velocidade.

    • Luiz Felipe

      Aqui na minha cidade o sinal do “3G” (cof cof) ocorre exatamente isso, o HSDPA é perfeito, mas não tem roteamento na saida para a Internet, dai eles te cortam a banda, derrubãm conexões TCP (sem contar que não pode mais que 20 por vez, nem posso usar torrent em thetering). As vezes penso que eles vendem o 3G só pelo tipo de conectividade, e não pela velocidade da conexão. Daqui a pouco eles mudam a tecnologia de radio denovo e chamam de 4G, mas a droga da largura de banda vai continuar sendo baixa.

  • Bicows

    Ganância, isso é elementar meu caro Watson!!!
    Moro no interior de MS, aki a rede telefônica é a mesma usada em SP e RJ, mas o custo de 1 Merda, digo Mega é quase o dobro das capitais. Trabalho com telefonia e é de enlouquecer observando que a infraestrutura é a mesma, mas o preço não!

    • A infraestrutura não é exatamente a mesma, existem circuitos de comunicação, geralmente fibra e radio para entregar a internet que ta em SP ou Rio até o MS, e essa infraestrutura custa milhões. Agora o problema do custo para o usuario final é que as operadoras no RJ e principalmente SP tem muito mais concorrência, só no prédio onde eu to trabalhando nesse momento tem fibra ótica da Telefonica, Oi, Embratel, TIM/Intelig, Level3, AmericaNet, CTBC/Algar Telecom e British Telecom além de diversas operadoras via radio como a UOL DIVEO que podem praticamente estar em qualquer lugar da cidade.

  • AnGr4

    O que eu acho que ocorre é a falta de uma agência reguladora pra proteger o consumidor. Eu nem sou a favor do estado meter o bedelho em 100% de tudo que fazemos nem sou a favor de ser do jeito que está, totalmente cartelizado.

    Sou a favor de um meio termo, com o mercado se auto-regulando, mas com o estado intervindo nessas ocasiões em que está descarada a falta de explicações para certas atitudes. Um exemplo eu dou pelo que me aconteceu: recebi um dissídio de 5,5% e o plano de saúde da minha filha de 2 anos aumentou em 14%. Não existe NENHUMA explicação plausível para esse aumento abusivo.

    Não se pode esperar que a população se revolte com todos os aspectos ruins do mercado, então é ai que entram as agências reguladoras, que infelizmente no Brasil viraram cabide de empregos dos cupaiêro.

    Falta interesse dos consumidores em se perguntar se estão pagando um preço justo por algo, e o interesse dos governantes em atuar em defesa dos mesmos.

    PS: Em tempo -> Combustível fóssil vai aumentar de preço em 2013. Mesmo com todo o carnaval do Pré-Sal e com o mundo migrando pra carros elétricos, ainda sofremos com esse estupro.

    • PS em tempo 2: Ao mesmo tempo, a CIDE vai reduzir proporcionalmente, então pro consumidor, o aumento vai ser de 0% na bomba.
      PS em tempo 3: A Petrobrás apenas disse que irá aumentar, mas não disse quando, e nem quanto. Considere tambem que ela não aumenta o preço da gasolina há 8 anos.
      Chega de off XD

      • A Petrobrás não aumenta o preço da gasolina a 8 anos ?, de qual mundo você tirou essa notícia ?

        • Aumento significativo para chegar na bomba com grande impacto na realmente a tempos não existe. Isto ocorre pois ela literalmente banca(através dos cofres públicos) o preço da gasolina em baixa e isso é perigosíssimo, quando( e se) ela parar de fazer os preços dos combustíveis vão parar nas alturas e nossa, já deficiente economia, vai atolar.

          • Então você quer dizer que o preço está artificialmente baixo e isso é bom para economia ?

          • O fato dos preços estarem em “baixa”, mesmo que artificialmente sim, infelizmente praticamente toda nossa produção escoa por meios rodoviários gasolina e diesel, se este preço não fosse regulado pela BR pensa quanto mais caro seria o chamado Custo Brasil? E no caso do diesel a Petrobrás banca mais ainda do que a gasolina. O problema mesmo para economia vai existir quando essa “bolha” estourar…

          • Então a solução para a economia seria o estado regular TODOS os preços para baixo ?

            Bolhas foram feitas para estourar, e a conta fica para as próximas gerações.
            Duas medidas para reduzir o Custo Brasil:
            – Redução de impostos (eu gostaria que eles sequer existissem).
            – Redução do imposto inflacionario.

          • “(eu gostaria que eles – impostos – sequer existissem)” – então, quem vai financiar o Estado?

          • AnGr4

            Financiar a podridão né? Meu conceito de estado deve ser diferente do seu. No meu o Estado dá educação, infra-estrutura, segurança (aliás isso tem na constituição). Eu não faria questão de pagar impostos se existisse retorno. Caridade pra bandido só faz quem leva vantagem de alguma forma.

          • Justificar imposto pelo retorno é um tipo de sindrome de Estocolmo
            Eu não assinei nenhum contrato social.
            E sobre a constituição, um dia sentiremos vergonha dela.

          • Ele precisa existir ?

          • Luiz Felipe

            Governo e imposto são a mesma moeda, não dá para ter um sem ter outro.

          • Calma, uma coisa de cada vez 🙂

          • Carlos Magno GA

            Na verdade não, subsidiar o preço da gasolina (isso é um subsídio, mesmo que o governo não o pague) encarece as alternativas, como o álcool. Porquê alguém vai ter carro flex e abastecer com álcool se a gasolina tá tão baixa.

            E toda a nossa produção escoa por veículos a Diesel, o preço da gasolina só beneficia o transporte pessoal. E mesmo que o Diesel fosse subsidiado (talvez até seja), seria cortar o incentivo de melhorar a nossa malha rodoviária (construindo estradas melhores) e de buscar novos meios de escoamento da produção.

            Se o preço do Diesel fosse, sei lá, 20 reais o litro, num instante teríamos pressão para construção de ferrovias. No curto prazo o custo Brasil ia explodir, mas no longo prazo ia descer.

          • Só um comentário, nosso diesel é subsidiado.
            Por este fato nao temos carro de passeio a diesel no Brasil

            Quando estourou a crise na Argentina lá por meados de 2000 eu trabalhava na Renault, ficaram MUITOS carros a diesel parados no pátio pq nao podiam ser vendidos aqui

        • Carlos Magno GA

          Ela praticamente não aumenta o preço para as refinarias. O preço está em aproximadamente R$ 1,10 por litro de gasolina pura a anos.

      • Não sei, os Argentinos pagam na bomba menos de 1 REAL pela gasolina que é feita aqui, a mesma que eu pago 2,76(em promoção) e com adição de 20% de etanol.

        • renato perali

          Não sei onde você viu isso. Estive na Argentina há pouco tempo e está em torno de R$2,40 fazendo a conversão. A diferença éque lá é gasolina a 100%. Nem nos EUA a gasolina é mais barata. Só na Venezuela mesmo.

    • Desculpe lhe jogar um balde de agua fria
      mas livre mercado não combina em nada com agencia reguladora.
      a agencia reguladora nada mais é do que o dedo do estado, e como sabemos, onde o estado bota a mão ele faz merda.
      O Problema é que há regulação demais.

      • Carlos Magno GA

        Desculpe lhe jogar um balde de água fria.

        O problema não é regulação demais. O problema é o estado querer dirigir as empresas privadas, definindo tarifas máximas, limites de margem de lucro, etc., com base puramente política e não técnica*; ao mesmo tempo que a agência reguladora não cumpre o seu papel.

        Lentamente a Anatel está fazendo o seu trabalho direito, porém “lentamente demais”.

        Exemplos:

        Banimento das palavras “ilimitado” e “infinito”: http://g1.globo.com/bom-dia-brasil/noticia/2012/11/anatel-estabelece-novas-regras-de-qualidade-para-internet-no-brasil.html

        Aumento da velocidade garantida para 80% do valor de propaganda: http://g1.globo.com/politica/noticia/2012/09/internet-devera-ter-media-de-60-da-velocidade-contratada-diz-dilma.html

        *Nota: um grande exemplo é o caso das tarifas de energia elétrica. Há muitos contratos fantasma, estimativas de preço maquiadas, etc. Em vez de fazer uma faxina, o governo define uma “tarifa alvo” nos que vão ficar e não está nem aí se é factível ou não, se os reais problemas estão sendo atacados ou não. Quando confrontado com a realidade, resolve subsidiar a tarifa. Qual a vantagem de forçar uma redução de preço privada em que o próprio dinheiro dos impostos vai pagar? É tirar o dinheiro de uma mão e dar um pouco menos de volta na outra.

        • >>O problema não é regulação demais. O problema é o estado querer >>dirigir as empresas privadas, definindo tarifas máximas, limites de >>margem de lucro, etc., com base puramente política e não técnica*; ao >>mesmo tempo que a agência reguladora não cumpre o seu papel.

          Estado querendo dirigir empresas privadas, seja diretamente ou seja através de agência reguladora (que é estatal) = mercado regulado.

          Quando fala-se em mercado regulado quer dizer que há forte mão estatal, seja através de burocracias ou através de concessão (que é o caso das teles)

          O Estado é tão perverso que ele cria os problemas através da presença dele e convence a população de que maior presença dele é que vai resolver o problema, uma inversão de causa/efeito bem nociva.

          >>Banimento das palavras “ilimitado” e “infinito”: http://g1.globo.com/bom-dia-br

          Essa atitude é a maior afronta a inteligência, já que o estado é tão preocupado com a população deveria banir as palavras “ilimitado” e “infinito” dos cartões de dia dos namorados

          >>Qual a vantagem de forçar uma redução de preço privada em que o >>próprio dinheiro dos impostos vai pagar? É tirar o dinheiro de uma mão e dar um pouco menos de volta na outra.

          É exatamente isto que o estado nos dá quando coloca a mão.

    • Hesiodo Ascra

      No caso de telecomunicações é um poço sem fundo a intervenção, a regulação é enorme e tende a piorar. A esperança é pelo menos a Anatel ficar mais técnica e menos política e o governo parar de ter relações tão incestuosas com as operadoras (como os bilhões do BNDES)… Ainda assim tudo isso está perto de um sonho…

    • Bruno Rocha

      “O que eu acho que ocorre é a falta de uma agência reguladora pra proteger o consumidor”

      Isso acontece exatamente pelo excesso de regulamentação, o que diminui a concorrência entre as empresas, privilegiando apenas meia dúzia de grandes empresas, que com seu lobby criam oligopólios e nivela os preços por alto.

  • Bem, eu sou um dos que ficam 24/7 usando o link até o talo; Por isso não chego nem perto de 3g ou planos com franquia!

    • Ah, então é você que anda entupindo os tubos???

    • Hesiodo Ascra

      Todo plano tem franquia, mas as operadoras fazem traffic shaping ao invés de cobrar o extra. E algumas fazem menos… Last time i checked a mais ‘cortadeira’ era a net…

  • Keaton

    YOU DON’T FUCKING SAY? 😀

  • Cris.

    Obviamente, que sou contra os cortes de trafego das operadoras que em alguns casos é pura exploraçao. Mas temos de ter em conta os custos humanos e tecnicos para ter uma infrastructura fiavel que são enormes. Temos Routers no nosso laboratorio custando Ferrari’s e obviamente não pode ser o zé a ganhar para a sopa a operá-las.

    • Luiz Felipe

      Custo? é nada perto do lucro, não se esqueça que por algo em torno de 40 reais dá para ter 20mb/s em fiber to home no japão. Se as operadoras de lá conseguem, imagina o quando é o lucro das nossas, é mais de 90.00%.

  • O Cardoso sempre sabe finalizar um texto de forma fenomenal 😀

  • Por incrível que pareça, na minha cidade o máximo de velocidade que alguém consegue é com HSDPA. Internet “residencial” aqui, só até 1mbps, custando míseros R$119,00/mês (via rádio, a Oi não tem pontos de velox disponíveis desde 2006 aqui na cidade).

    Não preciso dizer que não fosse a franquia, as conexões residenciais seriam todas substituídas por móveis… e aí acredito que a rede da cidade realmente ficaria sobrecarregada.

    Na verdade, independente do lugar, se eu tenho uma conexão móvel de qualidade sem franquia, qual o objetivo de contratar uma conexão fixa (Velox, GVT, Speedy, NET)? Acho que o consumo de dados móveis não cresce tanto por causa da franquia… eliminar a franquia do móvel pode (e parece-me lógico que este seja o comportamento natural) eliminar a internet fixa, o que transferiria TODO o consumo de dados para o móvel…

    • Carlos Magno GA

      “Acho que o consumo de dados móveis não cresce tanto por causa da franquia… eliminar a franquia do móvel pode eliminar a internet fixa, o que transferiria TODO o consumo de dados para o móvel…”

      Em verdade não. Lá em casa o WIFI sai pra mim praticamente de graça, o custo em energia deve ser coisa de 4 reais por ano, no máximo. Ainda assim, quando estou perto do roteador eu ligo o notebook no cabo para ter maior velocidade e estabilidade. Também sai muito mais rápido copiar vídeos via cabo USB do que sincronização WIFI com iTunes ou baixar pelo Dropbox. A rede WIFI tem velocidade baixa, eu sofro interferência do WIFI dos vizinhos, das paredes da casa e talvez até do que eu comi no almoço (feijão tem muito ferro :-).

      Para empresas, da mesma forma, sai muito mais barato pagar a instalação de vários cabos de fibra ótica que lançar satélite a rodo. O sinal é mais difícil de ser bloqueado e sofrer interferência de tempestades. Pode até ser que o grosso da internet no futuro seja WIFI, mas mesmo esse WIFI terá uma base de transmissão recebendo dados via cabo.

      • Luiz Felipe

        Joinha pelo ferro do fejão interferir no WIFI.

  • Carlos Magno GA

    “Enquanto isso, quem sofre somos nós, tendo que perguntar ao garçom “aqui tem WIFI?””

    Resposta do Garçom: tem, mas parece que é só para o escritório, ninguém aqui sabe a senha.

    • Um garçom já me respondeu algo parecido com isso uma vez.

    • Hollander

      Com gelo e limão? Foi a pergunta de um engraçadinho;

  • Pingback: Eu só queria TV à Cabo em casa. « Meio Bit()

  • Já ouviu falar no conceito de “dumb pipe”? Significa que as operadoras seriam simplesmente provedoras de dados, e mais nada. Seus serviços iriam se tornar commodities. Isso nenhuma operadora quer. Então, como que as operadoras podem se diferenciar, gerar receita (mas principalmente lucro) e ainda assim deixar seus clientes felizes? Eu não sei.

    • Luiz Felipe

      Elas não podem se diferenciar, elas que quebrem ou descubram um jeito de ganhar dinheiro nas pontas da rede, pois é isso que a internet força, o poder está nas pontas, nos usuários (consumidores e produtores de dados), não nos “tubos”, igual era com a telefonia POTS.

  • A culpa não é das operadoras. Elas querem lucro e estão certas em buscar o lucro. Quem está errado nessa historia somos nós que aceitamos isso. OK que é impossivel todo mundo cancelar seus planos de dados e telefonia, mas a portabilidade veio pra nos ajudar (ainda que pouco).

    Uma operadora está cara: troca, afinal, seu numero vai ser o mesmo.

    A qualidade está ruim: vai pra outra operadora oras. Se começarmos a fazer isso com mais frequencia com certeza vamos forçar o mercado a baixar os preços e aumentar a qualidade.

    • Nao com o oligopólio que esta aí

  • Não entendo a idéia de que usar “até o talo” ser algo ruim. A pessoa paga por uma velocidade, tem direito de usar TUDO que pagou.

    Curioso é pensar que todos nós pagamos por um serviço que, se todos usarem, ele deixa de funcionar!

    Já imaginou, mandar o vizinho desligar a TV para não gastar do seu sinal também!

    E o problema não é o dinheiro, é o ser humano mesmo. Chorume do planeta.

    • Luiz Felipe

      Isso ocorre com a rede eletrica e ninguem percebe. Se todos resolvem tomar banho ao mesmo tempo, é blecaute na certa. Talvez porque com a rede eletrica eles não exploram bloqueando o uso da infra, mas sim com 60% de taxas.

  • Thomas

    Situação 1
    Em 2006 instalei minha primeira banda larga. Comprei 1mb de velocidade, o instalador chega aqui e diz que devido a distancia da central eu so poderia ter 100kb (mas pagando por 1m rárá….. rá) Eu conto que o meu vizinho DO LADO tem 1mb, o instalador faz cara de **, uma ligação de 20 segundos, e voi lá, estou com 1mb que pedi… Imaginei quantos otarios cairiam no lero do cara…

    Situação 2
    Comprei 3G da claro, sao so 300 mb por mes, por 12 reais. Durantes esses 300mb eu navego a uns 100k reais por segundo, mas quando acaba a franquia, fico em 2 ou 3 kbps por segundo. Me sinto exatamente como no século passado, quando eu navegava com o meu modem us robotics a miseros 2 ou 3 kbps…

    Ta certo que paguei pouco, mas 3 kpbs é algo que não deveria existir no mundo civilizado. Nao se executa ninguem para os deuses mais, nao existe mais guilhotina, e não deveria existir conexao de 3kpbs tambem. São crimes contra a humanidade.

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Walmart, Cupom de desconto Ricardo Eletro, Cupom de desconto Extra, Cupom de desconto Martins Fontes Paulista, Cupom de desconto Empório da Cerveja