Home » Ciência » Sucesso da SpaceX fez os russos perderem a linha

Sucesso da SpaceX fez os russos perderem a linha

31 semanas atrás

Até agora a primeira missão de testes da nova cápsula Dragon da SpaceX tem sido um sucesso retumbante, mas um grupo em especial não está nada satisfeito, e chegaram a demonstrar isso, em um raro momento de emoção: Os russos.

Eles estavam em uma posição bem confortável. Com o fim do programa do ônibus espacial a NASA passou a depender 100% dos russos para levar e trazer astronautas para a Estação Espacial Internacional, isso provocou uma inflação do custo das viagens que beira o absurdo. Charles Simonyi, da Microsoft pagou US$19 milhões para voar numa Soyuz e conhecer a Estação Espacial Internacional. Ele aliás a visitou duas vezes, em 2007 e em 2009, mostrando que a nova geração de bilionários geeks têm outras prioridades para gastar seu dinheiro, sem ser com mulheres rápidas e cavalos lentos.

Esses bons tempos acabaram quando o Shuttle se aposentou em 2011, e hoje a NASA tem que pagar US$90 milhões por cada astronauta que manda pra ISS. Esse dinheiro é maior do que o custo de produzir e lançar o foguete e a Soyuz. Os russos viajam literalmente de graça, a NASA está basicamente bancando o programa espacial deles.

Agora com a SpaceX (e futuramente a Boeing) essa mamata vai acabar, e a ROSCOSMOS está vendo sua fonte de renda ir pro espaço, se me permitem a expressão.

Os russos eram tão marrentos que depois de uma confusão quando o Congresso dos EUA percebeu que os foguetes americanos usavam motores russos e levariam anos e bilhões de dólares para desenvolver uma alternativa própria, Dmitry Rogozin, chefe da ROSCOSMOS soltou:

“Depois de revisar as sanções contra nosso programa espacial, sugiro aos Estados Unidos que mandem seus astronautas para a Estação Espacial usando um trampolim.”

Claro que depois os motores voltaram a ser vendidos, mas os russos continuaram a olhar feio, e isso culminou com o twit enviado após a chegada da Crew Dragon à ISS:

A mensagem congratulava a NASA, ignorando completamente a SpaceX e Elon Musk, e ainda vinha com uma estranha parte falando sobre a segurança, que deveria ser prioritária. Mais tarde eles publicaram uma versão em inglês, sem a parte da segurança mas de novo sem mencionar a SpaceX.

Alguns disseram que o argumento para a omissão era que a nave havia sido encomendada pela NASA, mas não colou. Também ficou estranho os russos reclamarem que a ISS foi "invadida" por forte contaminação de isopropanol, quando os sensores detectaram somente um mínimo além do normal, facilmente removido pelos filtros ambientais, e na prática provavelmente foi o estagiário da SpaceX que usou álcool isopropílico demais para lustrar o interior da nave.

Quem botou o dedo na ferida mesmo foi  Vadim Lukashevi, um engenheiro espacial russo que foi demitido por não concordar com os rumos que a ROSCOSMOS estava tomando. Ele falou em entrevista ao Ars Technica que os russos estão ressentidos. A Soyuz é uma nave totalmente obsoleta, projetada nos tempos de Sergey Korolev, mesmo a nave chinesa se baseou nela mas foi reprojetada do zero, e a Dragon está em outro nível.

A Soyuz leva 3 pessoas neste nível de conforto:

Já a Dragon está configurada para quatro tripulantes, mas tem espaço interior para levar até sete, com razoável conforto:

O desespero dos russos foi tão evidente que eles sequer autorizaram a Dragon a acoplar com a Estação, mandaram vários impedimentos formais, devidamente ignorados pela NASA. Não duvido nada que reclamem até da Terrinha de Pelúcia, o Indicador de Microgravidade de Alta Tecnologia que a SpaceX mandou na Dragon e foi sequestrado pelos astronautas, e agora habita a Estação:

A NASA, que sabe que Murphy é Superior, tem vários vôos contratados com a ROSCOSMOS, mas inevitavelmente a fonte irá secar, e esse dinheiro fará falta, pois o que muita gente esquece é que a Rússia não é mais a Gloriosa União Soviética, hoje eles tem que bancar programa espacial, cuidar do país, tocar as forças armadas, participar de várias guerrinhas pelo mundo, tudo isso com um PIB 25% menor que o do Brasil.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários