Cientistas dizem que telescópio TESS poderá identificar satélites alienígenas

star-trek-enterprise-1920x1080-wallpaper

Em 1945 o cientista e autor de ficção científica Arthur Clarke publicou um paper de título “Extra-Terrestrial Relays — Can Rocket Stations Give Worldwide Radio Coverage?”. Nele havia a idéia de estações espaciais com astronautas cuidado de equipamentos de rádio, recebendo e transmitindo sinais para o mundo todo.

Clarke se baseou no conceito de que a uma determinada altitude a velocidade de um satélite equivale à velocidade de rotação da Terra, então ele permanece aparentemente “parado” em relação a um ponto em terra. Não é diferente de dois carros a 80 km/h, paralelos.

Com a evolução da eletrônica, não foi mais preciso construir estações imensas e tripuladas, satélites cumprem bem essa função, e a órbita geoestacionária, um anel a 35.786 km acima do Equador é chamada de Órbita de Clarke.

Quando um satélite em órbita geoestacionária chega no fim de sua vida útil ele é movido para uma órbita-cemitério mais alta, mas espaço não falta, estamos falando de uma órbita com mais de 265 mil km de circunferência, então a tendência é ela ser enchida de satélites.

É com isso que o astrofísico Hector Socas-Navarro está contando.

Em um paper publicado no The Astrophysical Journal, ele calcula que o telescópio espacial TESS — Transiting Exoplanet Survey Satellite será capaz de detectar Exocinturões de Clarke, o conjunto de satélites em órbita estacionária em volta de exoplanetas.

module-silver

A TESS na verdade é uma sonda com quatro telescópios que vai vasculhar o céu inteiro e tem capacidade de detectar planetas do tamanho da Terra. Isso mesmo, agora a coisa ficou séria, e por dois anos no mínimo, o universo será vasculhado.

De sua órbita a 373 mil km no apogeu, a TESS terá condições não só de estudar 500 mil estrelas, como também poderá detectar a presença de satélites artificiais.

Segundo Hector Socas-Navarro civilizações no estágio da nossa não seriam detectadas, mas com a tecnologia atual da TESS já seria possível detectar cinturões de Clarke de raças equivalentes à nossa por volta do ano 2200, quando teremos uma quantidade significativa de satélites na órbita geoestacionária. Por um lado é até bom, trabalhar pra pobre é pedir esmola pra dois e de que adianta achar uma civilização com os mesmos problemas que a gente?

Muito melhor detectar um pessoal mais avançado, que vai nos ensinar a construir um Interócito.

Se tudo der certo a TESS será lançada dia 20 de março por um Falcon 9.

Relacionados: , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz, Calcinhas no Espaço e Do Tempo Em Que A Pipa do Vovô Subia.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples