Vendas na França — na 52ª semana a Nintendo sobe, mas vitória ainda é do CoD: WW2

Laguna_Controllers

crédito: GameBlog FR

Apesar de o líder em vendas no ranking francês ter permanecido o mesmo desde o início de novembro, houve uma bela mudança na lista dos cinco jogos mais vendidos. Pelo menos foi o que aconteceu na última semana de 2017.

Sim, a França é um território dominado pela Sony mas vemos cada vez mais títulos do Nintendo Switch entre os mais vendidos. Aliás, a Nintendo é famosa pela cauda longa.

Laguna_Top_SELL_semaine_52_Call_of_Duty_WWII

Ranking dos jogos mais vendidos na França durante a 52ª semana de 2017 (25 a 31 de dezembro, SELL [GfK])

  1. [PS4] Call of Duty: World War II (Activision Blizzard, 03/11/17);
  2. [NSW] Mario Kart 8 Deluxe (Nintendo, 28/04/17);
  3. [NSW] The Legend of Zelda: Breath of the Wild (Nintendo, 03/03/17);
  4. [PS4] FIFA 18 (Electronic Arts, 29/09/17);
  5. [NSW] Super Mario Odyssey (Nintendo, 27/10/17).

Sim, cauda longa: quem comprou o Nintendo Switch pelo Super Mario Odyssey agora deseja ter ao menos o Mario Kart 8 Deluxe na coleção. É o que podemos concluir da queda do SMO do 2º para o 5º lugar em vendas na semana após o Natal.

Notável também a ascensão do título de lançamento do console, The Legend of Zelda: Breath of the Wild: os fãs franceses da Nintendo muito provavelmente adiaram a compra do Switch até a chegada do Super Mario Odyssey e, depois de comprar este no Natal, agora vão atrás dos outros títulos de destaque. Falando em destaque, bom notar que o FIFA 18 ainda permanece no Top 5 francês, e isso desde a 39ª semana.

Fonte: SELL via Jeux Video.

Leia também:

Relacionados: , , , , , , , , ,

Autor: Emanuel Laguna

O “tio Laguna” nasceu no Siará em meio à Fortaleza de 1984. Sempre gostou de brincar de médico com os aparelhos eletrônicos e entender como um hardware dedicado a jogos funciona, mas pretende formar-se como Engenheiro Eletricista qualquer dia. Antes apaixonado pelos processadores gráficos desktop, vê nos smartphones, tablets e outras geringonças mobile o futuro da computação.

Compartilhar