Laptop de três telas da Razer roubado na CES 2017 aparece em site de leilões na China

A Razer foi sem sombra de dúvidas uma das maiores sensações da CES 2017, graças a seus conceitos mirabolantes. Só que todo o glamour em torno da empresa atraiu atenção indesejada: duas unidades do Project Valerie, seu estonteante notebook com três displays 4K foram roubados no que pode ser considerado um belo exemplo de “não durma no ponto”.

E recentemente um deles foi colocado à venda, embora a postagem já tenha sido deletada.

O Valerie é sem dúvida um hardware muito atraente não só pelo display triplo, mas também pelas características internas que fazem dele um notebook gamer de respeito (e que também aguenta softwares pesados; além disso um desenvolvedor ou quem trabalha com diversas planilhas e telas adoraria ter um brinquedo desses). No entanto a forma como os protótipos foram surrupiados impressiona pela ingenuidade de todos os envolvidos: ambos foram retirados do stand e levados para a sala de imprensa da Razer no domingo e aparentemente alguém levou ambos em torno das 16:00, perto do fim da CES.

Aparentemente, depois de retirados da exposição o estagiário dormiu no ponto e tirou os olhos dos protótipos, e um mais esperto os levou na mão grande. O que me intriga é como conseguiram remover duas unidades sem ninguém ver, já que o Valerie não é exatamente pequeno. A Razer ofereceu uma recompensa de US$ 25 mil por informações e não foi descartada a hipótese de espionagem industrial, já que isso não é novidade para a companhia: em 2011 sua unidade de P&D em São Francisco foi invadida e os ladrões levaram dois protótipos do que viria a ser o Razer Blade.

Só que esse não foi o fim da história: sabendo estar de posse de um protótipo valioso e não tendo muita massa encefálica, o ladrão ou um receptor (impossível precisar) colocou uma das unidades do Valerie à venda em um site de leilões chinês, pela exorbitante quantia de 150 mil yuan (o equivalente a US$ 21.788,00 ou R$ 70.633,00 em valores de hoje). Claro que a postagem não ficou muito tempo no ar e logo foi deletada, mas a cara-de-pau do espertinho é tamanha que ele listou o protótipo como um “produto usado”.

Até o presente momento o autor da postagem não foi identificado e em se tratando de China, não boto tanta fé de que o será de qualquer forma. No entanto, como a outra unidade não foi colocada à venda a hipótese de espionagem industrial se sustenta, o roubo pode ter sido encomendado por uma companhia do Pais do Meio que no momento estaria realizando engenharia reversa na outra unidade, enquanto esta posta à venda seria mais uma fonte de grana fácil. Afinal estamos falando do país do kibe, que copiou o 747o trem-bala e o know-how da Embraer em jatos comerciais; a parceria com o grupo chinês Avic foi encerrada em novembro.

Fonte: Extreme Tech.

Relacionados: , , , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Profissional de TI auto-didata, blogueiro que acha que é jornalista e careca por opção. Autor do Meio Bit e Portal Deviante, podcaster/membro fundador/Mestre Ancião do SciCast e host/podcaster do Sala da Justiça.

Compartilhar