Home » Engenharia » Uma teoria mais assustadora que a Esfera Dyson para a estrela KIC 8462852

Uma teoria mais assustadora que a Esfera Dyson para a estrela KIC 8462852

Lembra da KIC 8462852, aquela estrela esquisita que pisca de forma bizarra? Surgiu uma nova hipótese para explicar a variação de brilho, e é algo tão sinistro que mesmo o pessoal da ficção científica usa pouco o conceito.

3 anos atrás

15595kk

Em Stargate Universe a Destiny se reabastecia colhendo material solar.

KIC 8462852 é uma pedra no sapato dos astrônomos. É uma estrela muito mal-comportada. Ela adora estragar os lindos e perfeitinhos modelos que até agora definem perfeitamente a forma com que uma estrela deve agir.

Seu brilho sofre variações insanas e aleatórias. Em alguns dias ele pode cair 16%, depois ela passa 1.500 dias com variações de menos de 3%. Não há nada nos manuais que explique essa variação, as hipóteses chegaram a incluir Esferas Dyson, obras de engenharia quase além da nossa capacidade de compreensão, mas agora um grupo de cientistas propôs outra explicação. Pior ainda.

Eles criaram um modelo, que se encaixou bem nos dados observados, segundo o qual as variações de brilho de Tabby (o nome informal da estrela) são causadas por… mineração.

Eles calcularam que a queda de brilho pode ser explicada se algum processo industrial de coleta de material estelar esteja em andamento. Imagine uma mega civilização, com tecnologia indistinguível de mágica, colocando estruturas de tamanho descomunal em órbita baixa da estrela.

Essa estrutura converteria energia solar e a refletiria de forma concentrada, gerando uma ejeção de massa coronal que, ultrapassando a velocidade de escape da superfície da estrela (617,5 km/s no caso do Sol) seriam ejetadas no espaço e recolhidas por uma frota de naves.

Cada labareda dessas ejeta em média 1,6×1012 kg, ou 1.600.000.000  toneladas. Isso valores mínimos. É uma boa pescaria.

De posse dessa matéria toda, quase 99% hidrogênio e hélio, a super-civilização poderia transformá-la no que quisesse, afinal transmutação elemental é algo que deixou de ser mistério faz tempo, só demanda energia a rodo. Qualquer físico nuclear sabe transformar chumbo em ouro, só não faz por ser muito mais caro que o ouro obtido.

Essa civilização poderia estar fazendo obras de engenharia estelar também para estabilizar uma estrela mal-comportada, em vias de se tornar uma Nova, ou como também sugerido, podem estar coletando material para construir estrelas menores em locais mais convenientes.

Se isso soa como ficção científica e algo completamente inconcebível, imagine que você é um Neandertal e alguém está te explicando que no futuro abriremos canais entre continentes e recriaremos a face do planeta como em Dubai:

dubai

Claro, a hipótese de uma civilização capaz de manipular estrelas inteiras é remota e a possibilidade de ser o caso é ínfima, mas não é zero e isso é assustador. Será que seremos vistos como mais que amebas por uma espécie assim? Talvez Douglas Adams tenha sido extremamente otimista ao achar que os Vogons iriam enviar um comunicado avisando da destruição da Terra para construção de uma via hipersespacial.

Link do Paper.

Fonte: Next Big Future.

relacionados


Comentários