Fotografando Flores

Um dos meus temas fotográficos favoritos são flores. Elas estão sempre disponíveis, não se atrasam para a sessão fotográfica e nunca reclamam de nada. E o mais bacana, todo mundo gosta de uma boa fotografia com flores. Podem fazer o teste e perguntarem para os amigos. Só os mais ranzinzas vão ficar indiferentes ao tema. Felizmente, fotografar flores não é uma tarefa difícil e não precisa de um equipamento super moderno ou caro. Obvio que se você tiver uma lente macro e uma câmera reflex o trabalho fica mais confortável, mas uma câmera compacta da conta tranquilamente do trabalho. Eu digo que a única ferramenta indispensável é o tripé.

foto_05

A primeira coisa que temos em mente é onde encontrar as flores? Bem, nesse caso necessitamos de uma pequena pesquisa de campo. Você pode optar por procurar em parques públicos, na zona rural ou simplesmente em um jardim bem cuidado. Já fiz imagens muito bacanas em floriculturas. Geralmente o dono concede a permissão sem problemas, e depois você faz um pequeno agrado cedendo algumas imagens. O único problema de locais fechados é que você tem que se preocupar com a iluminação. Em caso de compactas mais primitivas a falta de luz pode ser um problema fatal. O uso do flash é recomendado deste que você saiba como controlá-lo de maneira satisfatória (rebatedores e difusores).

_MG_9816

Mas, o mais divertido é mesmo unir a fotografia com a aventura. Por isso que escolher parques e locais da zona rural rende os melhores frutos. Nesse caso a fotografia também entra como terapia. Fugir um pouco do caos urbano. Os melhores horários para fotografar flores são na parte da manhã e ao entardecer. Nesses períodos você foge da luz dura do sol e pode contar com uma iluminação mais suave. Dias nublados também são perfeitos, pois as nuvens funcionam como um difusor natural para o sol. Como já dito, a câmera pode ser qualquer uma, desde que você esteja familiarizado com o funcionamento do equipamento (ler o manual da câmera é importante).

30012011-IMG_3633

Porém, o tripé é de grande necessidade. Como estamos trabalhando em períodos de baixa iluminação e algumas flores aparecem apenas em áreas com sombra, baixas velocidades de obturador podem ser necessárias. Para evitar fotos tremidas um bom tripé é indispensável. E como escolher um bom tripé? Bem, muitos dizem que o tripé tem que ser firme e pesado para que não se mova durante a foto. Além dessas duas características eu também analiso a altura máxima do tripé. Fotografar com um tripé mais baixo do que você é muito desconfortável. Sempre escolha um tripé que, totalmente aberto e sem o uso da girafinha, chegue pelo menos a altura de seus ombros.

Assim como toda fotografia de natureza, fotografar flores não é uma atividade movimentada. É necessário paciência, observação e, acima de tudo, gostar do tema a ser fotografado. Por esse motivo não aconselho a saída em grupos muito grandes para esse tipo de fotografia. Muita conversa ou grandes movimentações podem ser negativos para a concentração. Dentro do quesito paciência também entra o trato com os fatores climáticos do momento. Além do perigo constante da chuva no verão ainda temos o vento, que pode vir a inviabilizar uma boa fotografia.

20100124-IMG_1970

Brincando com a câmera

Na parte do uso da câmera não há muito segredo. É sempre bom usar as regulagens corretas de Balanço de Branco. Se a foto for feita em JPEG a correção da temperatura de cor pode ser muito complicada. Regulagens de diafragma e obturador devem levar em conta a luz do momento. Na maioria das vezes eu utilizo o modo de medição pontual de luz. Outra consideração é não se utilizar do modo macro. Use a lente no zoom máximo, se afaste do objeto fotografado e tente preencher todo o quadro da foto com a flor. Utilizando a distância focal máxima você não corre o risco de ter a distorção normal que acontece nas grande angulares e ao mesmo tempo vai desfocar o fundo o máximo possível, dando a impressão de perda de profundidade de campo.  Muitas vezes temos apenas a preocupação de olhar o centro do quadro, esquecendo o que está nas bordas. Construir uma boa moldura natural para a imagem confere um pouco mais de beleza ao momento. E por fim, sempre use velocidade ISO baixa. Quando utilizamos ISO acima de 400, principalmente em compactas, perdemos qualidade de imagem e temos o aparecimento do ruído.

CURSO-FOTOGRAFIA-016

Depois que a imagem foi capturada é só fazer uma edição simples, aumentando um pouco a saturação e a nitidez. Uma coisa importante em flores é dar destaque para as cores e, se possível, para as texturas. Depois, um toque que aprendi em um texto do Guilherme Lechat, é colocar uma pequena moldura preta em volta da imagem. Fica um pouco mais clássico e profissional ao mesmo tempo. A assinatura na imagem é algo que fica a cargo do gosto de cada um. Eu prefiro deixar a imagem livre dessa poluição, mas em caso de assinar a imagem escolha uma fonte bonita e deixe seu nome em um tamanho discreto.

curso-fotografia-027

Ganhando dindin?

Se você pegar gosto pela coisa, sempre existe a possibilidade de ganhar um dinheiro com esse tipo de fotografia. Eu aprendi isso de uma maneira bem prática, usando minhas próprias fotos como decoração de meu escritório. Comecei a fazer ampliações no tamanho 60×40 e colocar nas paredes. Como chamaram muita atenção e começaram a perguntar onde comprei e quanto paguei, comecei a vender esses quadros. Isso não vai lhe conferir uma renda mensal fixa, mas a satisfação de agradar aos outros com seu trabalho e saber que ele vai estar decorando os mais diversos ambientes é uma coisa sem preço.

20100124-IMG_1971

Toques finais

– ao sair para fotografar no campo sempre se lembre de usar roupas confortáveis, sapatos que não machucam os pés, o uso de um chapéu para proteção do sol é aconselhável e leve sempre água suficiente para o período que vai ficar no local.

– Não suje os espaços naturais e não danifique plantas ou a paisagem para melhorar a sua foto;

– dependendo do local, um bom repelente contra insetos também faz parte dos acessórios indispensáveis;

– algumas pessoas produzem fundos fotográficos com cartolinas coloridas para usar atrás das flores. Pode ficar interessante, mas eu prefiro tudo ao natural, bem desfocado;

Relacionados: , ,

Autor: Gilson Lorenti

Geógrafo de formação e fotógrafo de coração, comecei a fotografar com 18 anos de idade (antes disso nunca tinha pegado uma câmera na mão). Depois de muito estudo veio a carreira profissional que passou por várias modalidades da fotografia até realmente descobrir o que gosto de fazer. Hoje me dedico ao ensino de fotografia, fotografia Fine Art e Books Fotográficos (gestante, moda, sensual). Tomando emprestado as famosas palavras de Ansel Adams "Quando as fotografias não forem mais suficientes, me contentarei com o silêncio".

Compartilhar
  • renatosiqueira

    Engraçado, também adoro fotografar hibiscus.
    Acho que elas são mágicas pra fotografar.
    Uma vez fiz uma foto de uma delas com um K790i da SonyEricsson que ficou muito legal.

    • @renatosiqueira, essa é a flor que mais encontro aqui na região 🙂

      • Lechat

        @Gilson Lorenti, parabéns pelo belo trabalho. Obrigado pela lembrança. Forte abraço, Lechat.

  • wendley

    Ótimas dicas. Todas as fotos ficaram muito boas, mas a 1ª e 3ª estão fantásticas.

  • Bem legal o post.
    Tenho uma pergunta: como aplicar as regras de composição com as flores?
    Dá pra perceber que em algumas delas você usou a regra dos terços.

    • @Adelino Gaspar, realmente, a regra dos terços foi utilizada em algumas das imagens. se você conseguir fazer com que o fundo fique neutro, eu não vejo problemas em usar as mais diversas regras de composição para fotografar flores. Como a minha formação é mais voltada para o retrato, e a regra dos terços já se enconta em meu cógido genético, algumas fotos são feitas dentro dessa estética e só percebo depois que vejo no computador 🙂

  • Excelente, Gilson. Parabéns pelo post. Apenas para completar as informações sobre a profundidade de campo que foi indicada, cito que a curta profundidade de campo (fundo bem desfocado, que chamamos muitas vezes de DoF – Deep of Field) depende de três fatores principais:
    – Quanto maior a abertura (F/4 é maior que F/11, por exemplo, para os menos entendidos), menor a DoF;
    – Quanto maior a distância focal para a mesma abertura menor a DoF. A distância focal normalmente medida em milímetros. Uma lente 200mm, que tem maior distância focal que uma 55mm;
    – Quanto menor a distância para o objeto a ser fotografado, menor será a DoF. Um objeto fotografado em F/4, 200mm, a 1m de distância terá DoF menor que um objeto fotografado em F/4, 200mm, 3m de distância.
    Aos usuários e leitores do MB, façam a experiência. Tenho certeza que aprenderão bastante sobre o assunto…
    Abs.

    • wendley

      @danielkenji, Ainda complemento com:
      – Quanto maior a distância do “fundo” ao objeto focado, menor DOF
      – Quanto maior o sensor da câmera, menor o DOF (considerando a mesma distância focal equivalente).

      • @wendley, Perfeito, quanto ao tamanho do sensor.
        O DoF entretanto permanecerá o mesmo independente da distância do fundo. A sensação de DoF mais curto entretanto, será maior.
        :ok:

  • harlleysathler

    Muito legal o post, Gilson! Também adoro fotografar flores e embora eu não conheça muito sobre fotografia e use apenas uma compacta para tal já consegui resultados legais (pelo menos para um leigo).

    Só fiquei com uma dúvida: Você sugere não usar do modo macro. Qual o motivo?

    Pergunto porque fiz algumas fotos de flores pequenas (e insetos) usando esse modo e consegui resultados legais, inclusive com o fundo completamente desfocado.

    No mais, valeu as dicas de edição! Certamente vão ser valorosas para a próxima visita ao meio do mato!

    • @harlleysathler, algumas câmeras fotográficas possuem um modo macro horrível e que só funciona em grande angular. Flor é o tipo de assunto que não gosto de agregar distorção. trabalhar com o zoom da câmera pode-se mostrar muito mais confortável.

  • Luciano

    A foto mais fodástica que eu fiz de flores, acredite se quiser, foram de trevos de quatro-folhas. Se ficou curioso em ver, segue link:

    http://www.caetano.eng.br/crashcomputer/galerias/flores/slides/DSC00123.php

    Em tempo, nesta galeria tem um monte de outra fotos legais de flores.

    http://www.caetano.eng.br/crashcomputer/galerias/flores/index.php

  • Cara, assunto ótimo! Dicas incríveis!
    Esses detalhes são importantíssimos, mas ainda tenho uma dúvida. Não tem como conseguir desfoque bacana com câmera compacta, a não ser com o recurso de macro. Tem alguma dica com relação a isso?
    Outra dúvida: como lidar com cores muito fortes e irreais em câmeras como as compactas da Sony?

    • @Jotabhe, a profundidade de campo depende de vários fatores, mas infelizmente as lentes pequenas das compactas tem dificuldade com essa característica. O danielkenji deu várias dicas bacanas alguns comentários acima. Pratique com elas e veja se consegue um resultado satisfatório. O primeiro passo para lidar com as cores das compactas e regular bem o balanço de branco. Depois disso uma pós-produção no computador para acertar temperatura, contraste e saturação.

  • Opa! Mais um artigo muito bem feito e detalhado! 😀
    Uma coisa que eu gosto muito são “making of”, tipo a 2a foto. Ela me ajuda mais a aprender, me encaixa no contexto.. uma pena que são raros os que fazem assim.

    • @criscmaia, vou anotar a sugestão no caderninho 🙂