Foxconn para Trump: “quer um iPhone Made in USA? Então abra a carteira”

Desde a campanha eleitoral Donald Trump bate na tecla que não admitirá que a Apple continuasse a manufaturar seus dispositivos (com exceção do Mac Pro) na China. Mais de uma vez circularam notícias que o atual presidente dos EUA teria sido bem incisivo com o CEO Tim Cook sobre o estabelecimento de uma linha de montagem de iPhones, iPads e Macs em casa e abrisse mão de terceirização, permitindo a geração de empregos internamente (preferencialmente para americanos e não para imigrantes).

Problem is, Cook não é besta. Montar o iPhone nos Estados Unidos elevariam os custos de fabricação desnecessariamente e a única maneira de fazer isso funcionar é continuar contando com sua velha parceira, a Foxconn. O problema é que ela não possui nenhuma fábrica no país.

O Modus Operandi da manufatura chinesa é bem simples e o mesmo empregado na China: exigir incentivos fiscais e abatimento de impostos, de modo a viabilizar a abertura de novas unidades e cortar os custos de importação. Foi assim que ela veio para o Brasil, obviamente não mudando em nada o cenário do varejo: o preço do iPhone, mesmo passando a ser fabricado aqui não foi reduzido em um centavo sequer (e pobre de quem acreditou, a gente cantou essa pedra desde o início).

O CEO da Foxconn Terry Gou já deixou claro que se Trump pretende mesmo que o iPhone seja montado nos Estados Unidos, sua administração terá que abrir a carteira e oferecer incentivos:

“Os Estados Unidos oferecem programas para investidores estrangeiros? Eles terão que aprovar leis em primeiro lugar, e nós precisaremos esperar que as autoridades americanas tomem uma decisão primeiro.”

Gou demonstra preocupação sobre a possibilidade da administração Trump tomar tais decisões em alguns meses; caso aceitem as exigências a Foxconn negociará com estados interessados nas fábricas. O executivo lembrou planos sobre uma unidade avaliada em US$ 7 bilhões, capaz de gerar cerca de 50.000 empregos que se tornaria real caso o governo de fato decida tirar o escorpião do bolso e aceite abrir mão de uma série de impostos e ofereça inúmeras vantagens à companhia chinesa, como ela fez em outros mercados. Do contrário nada feito, e as chances da Apple montar ela mesma uma manufatura tendem a zero dados os custos.

O problema é que Gou não acredita que os cidadãos americanos sejam tão especializados (o termo correto seria mais facilmente controláveis) quanto seus colaboradores chineses (o caso brasileiro é uma exceção; quando a Foxconn tentou importar sua filosofia de trabalho as coisas não deram muito certo), uma afirmação que Steve Jobs já havia utilizado ao convencer o então presidente Barack Obama de que não era possível montar o iPhone nos EUA.

No entanto Trump não parece disposto a ceder; conhecendo a figura não é provável que sua administração aceite as condições da Foxconn e insista para que a Apple abra ela mesma uma linha de montagem no país, algo que Cook já deu a entender que não pretende fazer. Resumindo, esse cabo-de-guerra não acaba tão cedo.

Fonte: Business Insider.

Relacionados: , , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Um cara normal até segunda ordem. Além do MeioBit dou meus pitacos eventuais como podcaster do #Scicast, no Portal Deviante.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples