Nosso brilho interior

O post abaixo foi escrito para nossa nova categoria Ciência pelo Carlos Hotta.

Um estudo que foi publicado recentemente, e que ainda rola por aí, revelou que o corpo humano emite uma fraca luz que varia ao longo do dia. A luz é particularmente forte no rosto, na região da boca e bochechas e tem seu máximo de emissão ao redor das 4 h da tarde. No entanto, estas emissões de luz ainda são muito mais fracas que as bioluminescências apresentadas por vagalumes e organismos marinhos.

O achado, apesar de ser curiosíssimo, não tem muita relevância científica: a luz é um subproduto de reações que envolvem radicais livres, algo bem conhecido. O que é digno de nota foram os métodos e a tecnologia por trás do achado.

Para se medir nosso brilho interior, mais de mil vezes mais fraco do que nossos olhos conseguem detectar, foi necessário usar uma câmera CCD com resolução de 2048 x 2048 pixels resfriada a -120 ºC que permite a contagem de fótons. A baixa temperatura diminui o ruído gerado pelo equipamento eletrônico, permitindo a detecção do sinal. A câmera ainda contava com um conjunto de lentes especiais para maximizar a coleta de fótons. Estas câmeras são usadas rotineiramente para se detectar luzes extremamente fracas emitidas por organismos modificados geneticamente.

Além de todo este equipamento, a câmera precisava coletar fótons por 20 minutos a fim de formar uma imagem de qualidade! Sem contar que os voluntários nãp poderiam usar cosméticos no dia das medições e deveriam limpar-se com água morna antes de sentarem, nus, na frente da câmera. Os voluntários faziam este procedimento a cada três horas, das 10 h da manhã até às 10 h da noite (preciso mencionar, neste ponto, que a pesquisa foi feita no Japão?).

Antes destes avanços técnicos, os voluntários tinham que ficar expostos às câmeras por mais de uma horas, o que inviabilizava todas as medições. Agora que eles precisam de apenas 20 min para fazer as medidas, fenômenos como ritmos diurnos no nosso brilho podem ser percebidos.

O próximo passo é descobrir se mulheres e outras etnias também possuem o mesmo fenômeno e com a mesma intensidade. Logo teremos manchetes falando que homens japoneses são mais brilhantes que os outros.

Fonte: Kobayashi, M., Kikuchi, D., & Okamura, H. (2009). Imaging of Ultraweak Spontaneous Photon Emission from Human Body Displaying Diurnal Rhythm PLoS ONE, 4 (7) DOI: 10.1371/journal.pone.0006256


Autor: Nick Ellis

Nick Ellis é autor do Meio Bit, Digital Drops e Blog de Brinquedo.

Compartilhar
  • :O

    Façamos agora uma contagem regressiva para alguém, provavelmente uma apaixonada fã pré-adolescente de coisas como HSM, relacionar tal estudo à uma justificativa plausível sobre a liberdade poética, nas características físicas dos vampiros, vista em Crepúsculo

    🙂 😀
    _ _ _ _ _ _ _
    Linke para mim. Mas linke direito. E o esquerdo, também, cara!

  • Jeorane



    Atrasado, mal escrito, sem ilustrações, foto em baixa resolução.
    O que é isso? Isso é um artigo?

    Essa notícia já foi publicada há mais de uma semana em português em vários blogs.

    Por exemplo, veja essa notícia publicada em 23/07/2009 (uma semana atrás):

    http://hypescience.com/18993-esquisito-humanos-emitem-luz/

    Falta de assunto é chato.

    Fica bravo não,só estou exercendo minha insignia de troll, salsinha, anta, (qual vai ser a próxima?), etc

    • Acho que você quer perder o brilho de sua “ilustre” presença aqui no MeioBit, isso sim.

      😛
      _ _ _ _ _ _ _
      Linke para mim. Mas linke direito. E o esquerdo, também, cara!

      • Jeorane




        Confesso que até pretendia, mas depois de tantas condecorações…

        • Somente uma imagem pode descrever suas atitudes.

          __________________________________________________________

          “Somente a Beira do Abismo que nos vemos Obrigados a Evoluir”

          • Jeorane



            Na verdade a imagem mais adequada seria a de um velho rindo, mas gostei.

    • Acho que não é para responder este tipo de comentário né? Mas vamos lá.

      Acho que nenhum dos textos que vc leu por aí se focou no aspecto tecnológico da descoberta. Esse é o diferencial do que escrevi.

      • _______________________________

        Eu assinaria aqui, mas sou analfabeto.

        Ceticismo.net

        • Jeorane



          You did it!

      • Jeorane



        Carlos Hotta, eu quero te dar os meus mais sinceros parabéns.

        Muito elogiável a forma como você se comportou diante de uma crítica, ou quase.

        Você tem futuro, mas como já deve ter percebido o nível dos leitores e de alguns autores do MeioBit não é lá muito alto.

        Atualização (31/07/2009):

        Agora que você trocou a figura melhorou bastante a estética e a compreensão do artigo.

        Veja que minha crítica foi importante, nunca se deixe influenciar somente pelas bajulações.

        • Ioca100

          Off: Gostei do avatar,conhecia as duas mãos juntas pelo polegar.

          She’s cool…
          Girl…

  • AndreR

    Uma dúvida:
    Porque essa diminuicao de temperatura diminui o ruido?

    Digo isso porque uma vez levei minha camera, uma ultrazoom da Canon, pra condições extremas. A temperatura era negativa e a sensação térmica devido ao tempo devia dar uns -15ºC ou menos. Aí as fotos ficaram com um ruído estranho, eram barras transversais. Tinha isso inclusive nos vídeos.

    Claro que nem se compara a qualidade entre as cameras, mas a pergunta é: se diminuisse mais ainda a temperatura desse experimento, o sensor apresentaria mais ruído por estar fora da faixa de temperatura dele?

    • Os componentes eletrônicos geram um ruído por causa da movimentação dos elétrons. Este ruído é aleatório e depende da temperatura no qual o equipamento está inserido. Quando o sinal é muito baixo, ele pode ser escondido pelo ruído.

      Uma explicação melhor pode ser encontrada aqui: http://penta2.ufrgs.br/Antonio/termico.html

  • drlupa

    Isso me lembrou o filme Matrix. Imagina no futuro oculos que exibe o brilho dos outros. Ai vc fica com uma mina dahora, ela te olha com tais oculos e conclui: Nossa que brilho Grande! }:)

    • Pode-se usar sensores infra-vermelho.

      Como o infra-vermelho são, basicamente, ondas de calor, ela verá qual das suas partes está mais quente. }:)

      _______________________________

      Eu assinaria aqui, mas sou analfabeto.

      Ceticismo.net

  • Se é gerado por radicais livres, podiam testar alguém depois da atividade física e ver se muda algo. Será que emitimos UV ou Raio-x também (bem menos, ok)?

    • luizfelipestang

      se voce comer plutonio talvez consiga emitir raios gama

  • Rodrigo8

    um belo assunto para puxar depois de umas caipirinhas …

    mas heim vcs leram no meio bit a parada de luz q sai da boca … kkk

    deve ser para iluminar oq onde e como kkk

  • Se for levar por esse caminho, então, praticamente todo ser vivo produz luz, então, mesmo que em um grau ínfimo 😛

    • Depende do que vc entende como “luz”.

      _______________________________

      Eu assinaria aqui, mas sou analfabeto.

      Ceticismo.net

  • guicpv

    “(preciso mencionar, neste ponto, que a pesquisa foi feita no Japão?).”

    Pow, o texto já dá a entender isso desde o comecinho. Quem mais iria querer medir a luz de uma pessoa? o0

  • dberlezi

    O pessoal da auto-ajuda que vai adorar este estudo:
    “Você é uma estrela… Tanto que emite luz…” Cientificamente comprovado.

  • Ioca100

    Queria saber se a luz dos baianos/as é mais intensa.

    She’s cool…
    Girl…

    • shimatai

      Mais intensa não é, mas com certeza é mais lenta…. hahahahaha 😉

      “O único lugar onde ‘sucesso’ vem antes de ‘trabalho’ é no dicionário.”
      Albert Einstein

      • luizfelipestang

        tao lenta, que o stevem spielbert compra ela para efeitos especiais do star wars

  • EmanuelSan

    E nada sobre emissão eletromagnética? E rede wireless entre mentes (transmissão de pensamento talvez apenas básicos como fome, medo, raiva, …)? PES? … Bola de cristal? ok, exagerei.

    Mas o resto seria exagero meu! Talvez seja apenas a falta de um equipamento que consiga detectar e medir.

    • luizfelipestang

      Se ao conectar a interface eletronica no cerebro de um macaco, ele utiliza um braço robotico como se fisesse parte dele, eu fico imaginando o que ocorria se fosse feito um “cross-over” entre dois cerebros humanos. sera que voce sentiria o que a outra pessoa esta setindo, ou poderia ler os pensamentos dela. seria interessante se alguem tentasse isso.

      • thunder_geo

        @luizfelipestang, ou um cross-fire ou um SLI? rsrsrsrs só não exite tecnologia para metodos não invasivos (por mais avançado que seja o escaner, ele não vai passar de um sisteminha binario no resultado final) e como exite falta de cobaias para todos os outros metodos (vide serrote), vai ser meio dificil rolar um “inseption”.

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis