Rumor — Nintendo NX utilizaria cartuchos em vez de mídia óptica (e isso faz sentido)

Laguna_Nintendo_NX_fake_Logo_peq

A Big N sabe como esconder seus segredos, especialmente sobre o Nintendo NX. O lançamento mundial em março de 2017 é basicamente a única informação oficial mais atual que a empresa divulgou de forma oficial sobre o novo console.

Até o final do presente ano, quando a Nintendo fizer algum evento de lançamento, teremos que nos contentar com rumores e vazamentos, alguns totalmente falsos. Outros parecem fazer muito sentido.

É o caso do mais novo rumor sobre o Nintendo NX, novo console que aparentemente utilizará cartuchos em vez de mídia óptica.

Laguna_cartuchos_dos_videogames_portateis_peq

Alguns de meus cartuchos do Game Boy, Game Boy Advance, Nintendo DS, 3DS e PlayStation Vita

A Macronix deixou escapar que estaria por receber grande encomenda da Nintendo para o começo de 2017 (Q4 FY 2016). A Macronix é a principal fornecedora de chips ROM para os atuais consoles portáteis da Nintendo.

No caso o Nintendo 3DS e o New 3DS utilizam cartuchos cujos chips ROM são litografados no processo de 75 nm e têm capacidade máxima de armazenamento de 8 GB. A Macronix já está testando chips ROM fabricados no processo de 32 nm e que armazenam cada um um máximo de 32 GB, por enquanto.

O rumor mais frequente sobre o Nintendo NX é que o novo console será constituído por duas partes independentes com os mesmos jogos: uma parte portátil e o console de mesa propriamente dito. Como o modus operandi da japonesa quase sempre tem sido o de dar retrocompatibilidade nos portáteis, é praticamente certo que o NX portátil rodará os velhos jogos de (New) 3DS por hardware.

Assim podemos inferir que o rumor se refere principalmente aos cartuchos do NX portátil. Só que tanto o NX portátil quanto o NX de mesa rodariam os mesmos jogos. Se rodam os mesmos jogos, por que enfiar uma mídia óptica no console de mesa? Bom, no máximo seria para uma retrocompatibilidade com as mídias físicas do Nintendo Wii U. Só que mídia óptica representaria maior custo para a japonesa.

Aliás, quando falamos em mídia física para jogos nos consoles, que características ela deve possuir?

Vamos recapitular:

    1. capacidade de armazenamento adequada ao tamanho da grande maioria dos jogos daquela geração;
    2. a mais alta taxa de transferência de dados possível;
    3. a menor latência na busca dos dados que a tecnologia contemporânea permita;
    4. o mais baixo custo possível.

Desde a quinta geração de consoles que as mídias ópticas vêm sendo a principal forma offline para distribuir e comercializar os jogos: a capacidade de armazenamento e o baixo custo de replicação sempre compensou a baixa taxa de transferência e a alta latência (na casa dos milissegundos).

Em portáteis, mídia óptica só existiu na aberração chamada PlayStation Portable (PSP) ao final da sexta geração. A própria Nintendo muito relutantemente só adotou mídia óptica na sexta geração, escolhendo a tecnologia da Matsushita (Panasonic) no Gamecube. Essa mesma parceria entre a Nintendo e a Panasonic resultou nos discos ópticos proprietários do Wii e Wii U, este com formato e capacidade de armazenamento semelhantes ao Blu-ray.

Problema: a maioria dos jogos AAA da oitava geração exigem altas taxas de transferência dos dados e baixa latência que nem as atuais mídias ópticas (estou a falar do Ultra HD Blu-ray 4K) conseguem oferecer. Traduzindo: tanto o Xbox One quanto o PlayStation 4 exigem que os jogos sejam instalados nos respectivos discos rígidos por questão de performance.

Se o Nintendo NX utilizar cartuchos, o console poderá rodar os jogos sem estes precisarem ser instalados no armazenamento interno do novo console: os cartuchos conseguirão taxas de transferências bem maiores que mídias ópticas e latência na casa dos nanossegundos. A Nintendo poderia inclusive economizar dinheiro ao colocar pouco ou nenhum armazenamento interno no Nintendo NX. Qualquer coisa, o usuário compraria um HD externo à parte para armazenar as compras digitais, compras como os jogos do velho Wii U no eShop do NX.

E não, não temos uma situação semelhante ao Nintendo 64 no século passado: os atuais jogos do (New) 3DS em cartucho são vendidos a no máximo US$ 40 (não falo de edições especiais). Com a Nintendo e outras editoras podendo cobrar até US$ 60 pelos jogos AAA do NX, é um rumor que faz sentido.

Talvez o único entrave seja o tamanho máximo inicial de 32 GB, mas nada impede de termos cartuchos mais caros de até 128 GB. Bastaria uma atualização no firmware do console.

Fonte: Screen Critics UK via IGN US.

Leia também:

Relacionados: , , , , , , , , ,

Autor: Emanuel Laguna

O “tio Laguna” nasceu no Siará em meio à Fortaleza de 1984. Sempre gostou de brincar de médico com os aparelhos eletrônicos e entender como um hardware dedicado a jogos funciona, mas pretende formar-se como Engenheiro Eletricista qualquer dia. Antes apaixonado pelos processadores gráficos desktop, vê nos smartphones, tablets e outras geringonças mobile o futuro da computação.

Compartilhar
  • Lucas Timm

    Talvez o único entrave seja o tamanho máximo inicial de 32 GB, mas nada impede de termos cartuchos mais caros de até 128 GB. Bastaria uma atualização no firmware do console.

    Ou, a depender do tamanho final do cartucho, 4 chips no mesmo encapsulamento. Por que não? 🙂

    • Também tem isso! 😉

      • Ednei Pohkan

        Faltou comentar da eficiência energética em relação aos leitores de mídia ótica.

    • Diego Marco Trindade

      No SNES, tinham cartuchos com chips específicos dentro deles, para fazer processos diferentes que o console não estava preparado na época, como para o Top Gear 3000. Acho que da mesma forma eles podem ter modelos diferentes de cartuchos, o que permitiria utilizar um cartucho com maior ou menos armazenamento (logo, custo) dependendo da demanda do jogo.

      • Terra Nova

        Exato totalmente possível

    • Terra Nova

      Gênio! matou a acharada

  • Rolando

    Quem diria, eu que tive um Atari 2600 agora estou vendo uma provável volta dos cartuchos mesmo que feitos com uma tecnologia totalmente nova.

  • arakawa

    Tai a oportunidade pra Nintendo revolucionar e vender jogos em flash drives USB. Ou SSDs SATA hot-swapable.

    Mas quem eu estou querendo enganar? Eles vao inventar algum padrao escroto cheio de limitacao.

    • Pelo menos no 3ds a gente usa um sd card padrão para baixar jogos pelo eshop. E a trava é que os jogos estão decodificados para o seu console. O Wii-U também usa um hd usb. Acredito que como a nintendo quer popularizar o nx ela não vai dar esse tiro no pé. Se for pra ganhar com hardware exclusivo ela vai ganhar com os amibos.

      • arakawa

        Eu estou falando em usar isso como midia pros jogos, nao como storage.

  • Samuel

    Acho legal que cartuchos voltem. Tanto quanto joysticks, eles são sinônimos de videogames ainda pra mim.

    Mas com a distribuição online, internet cada vez mais rápida, e até as portas USB começando a perder relevância, faz sentido mesmo qualquer mídia física?

    • tuneman

      pra Nintendo até que faz sentido, pois o eShop é muito atrasando em relação a PSN ou Live.

  • Oba! Agora só falta os cartuchos virem com uma memória flash e permitir que os jogos sejam atualizados direto no próprio cartucho, sim isso que falei pode ser viagem, mas perfeitamente possível, é só a Big N querer. E como dito, o HD pode até ser dispensável, o save fica na memória do cartucho, que graças a tecnologia nem precisa de bateria. Para não ficar na mão, uma entrada SD para armazenar os DLCs e os jogos comprados na eShop (pensando bem é melhor ter um HD mesmo)
    Quer mais memória nos cartuchos, bank switching!

    • felipelsp

      Ja existe

  • Concordo, faz todo sentido voltar com os cartuchos.

    Seria fácil fazer um de 128 GB, se considerarmos que um Blu-ray é em torno de 50 GB, o cartucho, ganha em espaço, confiabilidade (mídia óptica principalmente com criança não dura nada), tamanho da mídia, consumo de energia, velocidade e custo. Ainda mais se o NX for realmente um portátil, consumo de energia é algo extremamente relevante.

    • Maom

      Nem me fale… Outro dia chego em casa e pego meu filho de 1,2 aninhos com o MGS 5 do ps4 na mão todo babado. Ele foi andando até a tv e teve a brilhante ideia de sair apertando todos os botões do bd, receiver, net, ps4 e wiiU como sempre faz… Mas dessa vez apertou o eject e meu bd quase se foi. Não chegou a riscar pq não devia fazer muito tempo… Mas ele experimentou o BD pela quantidade de baba. kkkkk
      Ah já cansei de pegar o bd pra fora do antigo ps3 tb que tinha o eject tactil e minha empregada sempre acionava quando passava um paninho nos móveis. Pelo menos ela não colocava na boca mas o ps3 ficava ligado o dia inteiro até eu chegar em casa.

      • kkkkkkk você me deu a ideia de colocar os eletrônicos em um movel que deixe tudo trancado ou em um lugar bem alto. Melhor deixar meus futuros filhos manusearem os eletrônicos apenas quando tiverem noção de como não os quebrarem, nem engolir algo que seja prejudicial a eles.

  • la_gomes

    Se for verdade novamente poderei soprar cartuchos quando o jogo não inicializar

    • Sopraremos os cartuchos pelo saudosismo, funcionando ou não…

      • Papel Alumínio

        Todos sabemos que a saliva oriunda dos assoprões lubrificava o cartucho e melhorava a chance dele funcionar.

  • Cocainum

    Como aplicar patch de correção em cartuchos com jogos em ROM?

    Foi a Ubisoft quem perguntou…

    • Boa pergunta: alguns cartuchos do 3DS já permitem update. Por que os do Nintendo NX não permitiriam?

      • Cocainum

        Então não são ROMs. São chips de memória flash.

        • Concordo, mas o povo do Android chama memória flash de ROM. Como são maioria, devemos chamar a memória flash desse jeito aí.

          E a matéria original japa chama de chip ROM, por mais que eu discorde.

        • Marlon

          Uma EPROM ou EEPROM continua sendo uma ROM, mesmo sendo gravavel. Memória flash é uma EEPROM moderna com tecnologia de gravação mais rápida.

          • Cocainum

            Não. Uma EPROM (apagável via luz ultravioleta) é uma EPROM, não uma ROM. Existem siglas diferentes pois são coisas diferentes.
            As antigas EEPROM foram substituídas pelas memórias FLASH pois essas últimas são muito mais fáceis e rápidas para a escrita de dados.

            Não existe absolutamente nenhuma razão para confundir EPROM com FLASH ou ROM, visto que o termo “Memória Flash” é absolutamente conhecido e disseminado.

            PS.: Na matéria abaixo, que fala sobre o mesmo assunto, fica claro que eles diferenciam perfeitamente os conceitos de ROM e de FLASH.

            http://www.nintendolife.com/news/2016/05/rumour_rom_chip_maker_macronix_drops_hint_nintendo_could_be_abandoning_optical_storage_for_nx

            Com relação aos updates, se forem mesmo chips ROM (e não FLASH), também fica claro que, se forem permitidos, serão feitos em uma memória auxiliar (um HD, SSD ou cartão de memória), “desviando” do arquivo original que está no cartucho. O problema dessa opção é que vai acabar consumindo espaço nessa memória auxiliar. Se os patches forem grandes, você pode acabar ficando sem espaço para novos jogos, mesmo que “teoricamente”, os jogos estejam em cartuchos externos.

            PS2: O Disqus está “comendo” parte do link. Mas buscando no Google por “nintendo nx rom” deve ser o primeiro item da lista.

          • Marlon

            EPROM = erasable programmable Read-Only Memory (ROM), continua sendo uma ROM
            EEPROM = Electrically Erasable Programmable Read-Only Memory, ainda é uma ROM
            Flash memory = Toshiba developed flash memory from EEPROM, ou seja, é um tipo moderno de ROM como eu falei.
            Na matéria eles falam de NOR Flash que é um outro tipo de Flash (assim como existe tambem NAND Flash).

          • Cocainum

            Então. Na matéria eles fazem perfeitamente a diferenciação entre ROM e NOR FLASH, ou seja, não só dizem que é memória FLAsH, como dão o tipo dela. Então não existe possibilidade de estarem “confundindo” ROM com FLASH.

            Quanto a dizer que é tudo ROM, dependendo do nível macro que usarmos, podemos incluir membros com as mais diferentes categorias. Por exemplo, podemos dizer que ROM, EPROM, EEPROM, FLASH, RAM e MICROPROCESSADORES são chips de silício. Está errado? Não, apesar das imensas diferenças entre eles. Se usarmos outro nível macro de categorização, poderemos dizer que ROM, EPROM, EEPROM, FLASH, RAM e HARD DRIVES são memórias. Está errado? Novamente, não. Mas as diferenças são gigantescas.

            Como a matéria não trata de conceitos relacionados a memórias e sim do uso prático delas em um produto (Nintendo NX), deixando ainda claro que eles diferenciam perfeitamente uma ROM de uma NOR FLASH, perde completamente o sentido argumentar que, a nível macro, é tudo ROM (assim como é tudo chip e é tudo memória). Não é esse o sentido da matéria em questão.

          • Marlon

            O que eu disse é que Flash é uma evolução da memoria eeprom, claro que depois disso outras tecnologias foram criadas e ela está mais distante da rom agora do que quando foi criada.
            Voce perguntou “Como aplicar patch de correção em cartuchos com jogos em ROM?”
            e eu disse e repito, é possível regravar em uma memória ROM, ou seja, baixar um update e gravar no cartucho. Ela nao vai se tornar uma memória flash pelo fato de ser gravavel, vai continuar sendo uma ROM.

          • Cocainum

            Ok. Eu vou desenhar:

            Você não consideraria uma matéria “errada” se dissesse que o Nintendo NX vai usar cartuchos com chips ROM, quando na realidade estava querendo dizer que seriam chips FLASH?

            Se, pra você está tudo ok, então ótimo. EU não ficaria satisfeito.

            Independentemente de, conceitualmente e a nível macro, uma memória que todo mundo conhece como FLASH possa ser, com muito boa vontade, chamada de ROM (estamos falando de uma matéria em um site de tecnologia,, não de comentaristas do G1), o fato dessa diferença ter grande influência no funcionamento do produto, torna essa eventual “confusão” completamente absurda.

            A diferença entre esses tipos de memória simplesmente mudaria toda a forma como o console trataria o processo de atualização dos jogos, além de influenciar a quantidade e o uso da memória auxiliar que ele possa ter (cartões de memória, SSD ou HD). Não é apenas uma questão “conceitual”.

          • Marlon

            Na materia que voce postou fica claro (para mim) que eles esperam da nintendo em memórias ROM. Eles falam de memória flash e setor automotivo so para nao terminar o quote pela metade.
            Além do que a Macronix fala em seu site sobre ROM:​​ Gaming Machine XtraROM e ASIC XtraROM.

          • Maom

            Na boa, mas parece o Sheldon e o Leonard discutindo qual anel tem mais poder no capitão planeta, o de fogo ou o de água. kkkkkk
            Ambos estão certos mas apenas distorcendo a ótica para enquadrar em uma categoria ou não.

            Ps.: o Anel de coração é o mais poderoso! Chupem

          • Cocainum

            Estou fora desse negócio aí de “O meu anel é mais forte que o seu”.

          • Bruno Renostro

            Sou formando de engenharia, e fiz 90 horas só sobre microprocessadores, EEPROM é um tipo de ROM sim!As primeiras siglas só dizem respeito a forma que é feita a gravação/regravação.ROM pode ser regravada sim, permitindo updates.

          • Cocainum

            Se fosse EEPROM, a matéria diria. Eles chegam ao nível de detalhe de mencionar o tipo de memória FLASH fabricado pela empresa (NOR FLASH, em contraste com o outro tipo que é a NAND FLASH).

            Se fossem usar EEPROMs nos cartuchos, certamente diriam. Então, quando falam em ROM, estão falando das que nunca podem ser apagadas, ou seja, daquelas que já vem programadas diretamente no silício.

            Além disso, não existe nenhuma EEPROM que chegue sequer perto dos 32 GB mencionados. Memórias EEPROM são muito, muito, muito menores. Duvido que exista qualquer EEPROM que passe da faixa dos kilobytes. Imagine então uma EEPROM de 32 gigabytes. Levaria uma semana para ser programada.

            Então, quando a matéria, e eu também, mencionamos ROM, estamos nos referindo àquelas que não apagam. Ponto.

        • arakawa

          Nada impede de se ter ambos. E isso nao e nenhuma novidade, mesmo pra Nintendo, vide The Legend of Zelda do NES.

        • Ivan

          Qual a diferença? Não poderiam só usar flash igual cartão de memoria?

          • Cocainum

            A diferença é a que gerou uma longa discussão. Eles mencionam na matéria, ROM, não FLASH. Não estamos discutindo as opções que eles teriam, mas efetivamente o que eles decidiram usar, ou seja, chips ROM, que não podem ser apagados de jeito nenhum, e não FLASH.

            Teoricamente, poderiam usar FLASH e permitir que os cartuchos fossem atualizáveis. Mas como a opção foi por chips ROM, então as atualizações são gravadas em alguma memória auxiliar, e os cartuchos sempre terão a versão 1.0 do jogo.

          • Ivan

            Não vejo diferença entre isso e as midia oticas de hoje, não teria vantagem de ser atualizavel mas só fazer download como é hoje.

          • Cocainum

            A diferença envolve o tamanho dos jogos e dos patches e a quantidade de memória auxiliar (SSD, HD ou cartão de memória) que a Nintendo disponibilizar.

            Jogos para consoles portáteis são pequenos e os patches também, então é possível usar cartuchos ROM e mesmo com uma quantidade pequena de memória auxiliar (um cartão de memória, por exemplo), podem ser guardadas as atualizações de uma grande quantidade de jogos.

            Já os jogos de consoles de mesa, são muito maiores e consequentemente, os patches também. Com jogos em cartuchos ROM, é realista deduzir que eles não serão instalados em um HD, mas rodarão direto do cartucho. No caso das atualizações, elas são gravadas na memória auxiliar, já que os cartuchos não podem ser atualizados.

            Assim, a quantidade de memória auxiliar que a Nintendo irá disponibilizar torna-se importante. Se for pequena, assumindo-se que não é necessário instalar os jogos e eles podem rodar a partir dos cartuchos, você pode acabar ficando sem espaço, pois patches de vários gigabytes ocuparão espaço nessa memória auxiliar.

            No caso de consoles com HD e que usam DVD ou Blu-ray, os~jogos são instalados e os patches substituem os arquivos antigos, então o tamanho dos jogos atualizados não fica muito maior em relação aos jogos antes da atualização.

          • Ivan

            Só a nintendo disponibilizar espaço no hd pra isso, já sabem do problema então não teria problema de falta de espaço.

          • Cocainum

            Considerando-se que ele vai ter um HD. Ainda não sabemos…

          • Ivan

            Claro que tem que ter, não terá jogos online? temas? nada? não faz sentido não ter um um.

          • Cocainum

            Existem rumores de que a Nintendo quer substituir tanto o Wii U quando o 3DS, inclusive a parte “portátil” seria laçada antes e depois funcionaria como um controle para a parte “console de mesa” que seria lançada depois.

            Se isso se confirmar, a “certeza” de que terá um HD, pelo menos na parte portable, não é tão certa assim.

          • Ivan

            jogos do 3ds ficam no sd, até agora não vi problema nenhum.

            Como perguntei antes não lembro de ter respondido, pq não usam memoria flash de cartão sd pros jogos?

          • Cocainum

            Jogos de 3DS são bem menores (e os patches também). São chips de 8 GB nos cartuchos. Para o NX estão testando chips com 4X essa capacidade.

            É tudo especulação, mas parece que a ideia é usar os mesmos cartuchos, ou seja, os mesmos jogos, tanto no modo “portátil”, quanto no modo “console”. No modo “portátil”, rodaria em resolução menor, na telinha do aparelho, então não precisaria de um chip gráfico tão poderoso.

            No modo “console”, rodaria os jogos em Full HD (4K?), usando um chip gráfico mais potente. Mas, se forem os mesmos jogos, o tamanho do arquivo é o mesmo, e dos patches também.

            O que pode acontecer é que você consiga rodar muitos jogos em modo “console” e muito menos em modo “portátil”, antes de ter que fazer uma “limpeza” na memória auxiliar.

          • Ivan

            Jogos digitais do 3ds ficam em um cartão sd normal, é disso que to falando, pq não usam um cartão logo, ou um cartucho que é na verdade uma memoria flash igual a um sd?

          • Bruno Renostro

            Memorias ROM podem ser apagadas sim!Não fala besteira, depende da tecnologia de rom que se usa!Tem rom que só permite regravar depois de serem apagadas por luz ultravioleta, e outras que podem ser apagadas eletricamente, dai a diferença da sigla.Gravar dados na EEPROM é uma das primeiras coisas que se aprende a fazer em programação Assembly,

          • Cocainum

            As memórias que podem ser apagadas por luz ultravioleta, chamam-se EPROM.

            As memórias que podem ser apagadas eletricamente, chamam-se EEPROM.

            Também existem memórias que podem ser programadas apenas uma vez, chamadas PROM. Todos os bits vem de fábrica com o valor “1” e podem ser “queimados” através de um sinal de programação. Depois disso, não podem ser apagadas e reprogramadas.

            Finalmente, temos as memórias ROM, que já vem programadas direto no silício e não podem ser apagadas ou reprogramadas de forma nenhuma.

            Quando vocês dizem que “certos tipos” de ROM podem ser apagados, estão (ou deveriam estar) se referindo a categoria genérica “ROM” em que se enquadram todos os 4 tipos acima (por isso compartilham as 3 últimas letras da sigla), que serve para diferenciá-las da RAM.

            Mas, assim como existe a “categoria” de memórias ROM, a qual todas elas pertencem, também existe o tipo ESPECÍFICO chamado ROM, que já vem programada no Die de silício e não pode ser apagada de forma alguma. É desse tipo de memória que a matéria se refere.

            Ou vocês acham que um texto que chega ao nível de detalhe de falar em memória NOR FLASH (para diferencia de outro tipo de memória FLASH, chamada NAND FLASH), não iria usar a sigla correta se estivesse se referindo a EPROM ou EEPROM?

            É óbvio que eles estão se referindo ao tipo (e não a categoria) de memória ROM, ou seja, aquela que ninguém pode apagar.

            Mencionar que existem ROMs que podem ser apagadas só servem para demonstrar um pseudoconhecimento que não tem nenhum sentido em relação ao assunto que está sendo tratado.

            Não serão usados chips EPROM nesses cartuchos. Não faz absolutamente nenhum sentido. Ninguém vai abrir o cartucho para apagá-lo usando luz ultravioleta para em seguida atualizar o jogo. É completamente absurdo.

            Não serão usados chips EEPROM, pois a programação não vai ser feita a nível de bit. Não existem e nunca vão existir chips EEPROM no design tradicional com as capacidades multi-gigabyte que estão sendo mencionadas aqui, pois levaria uma semana para fazer uma reprogramação.

            E certamente, não serão chips FLASH, pois se fossem, a matéria simplesmente diria isso.

      • Daniel Zanco

        Pensava que os updates eram instalados no cartão SD

      • Rodolfo da Silva Carvalho

        Os updates não ficam armazenados no cartão SD?

      • Jaffy

        Uma dúvida… essa baixa latência de transferência de dados afetaria o desempenho do jogo? Por exemplo… isso permitiria uma física melhor ou o uso de texturas maiores – não comprometendo os FPS?

    • Marlon

      Existem ROMs gravaveis. A velocidade de escrita é lenta mas é possivel. Também é possivel um sistema de arquivos hibridos com a base na ROM e o update em uma memoria flash/hd externo.

    • Thomaz de Oliveira dos Reis

      Da mesma forma que os DVDs e Blu-ray permitem…

    • Ichigo

      No 3DS, os patches são instalados no storage do aparelho (cartão SD) e não no cartucho.

    • 640k is enough

      Basta desenvolver com um bom teste para minimizar bugs.

      Era 8/16/32 bits mandam lembranças.

      • Igor Embromation

        Tipo entrar no cenário e zerar o jogo… Lembranças boas! XD

        • 640k is enough

          Confesso que não sei qual jogo que permite fazer esse tipo de cheat.

          Sei que com o aumento das variáveis que exigem os novos jogos, fica difícil exigir a perfeição contra bugs, mas também não dá pra ficar aguentando updates cada vez maiores. GTA V do PS3 é uma aberração em updates, por exemplo.

    • Penso que da mesma forma que acontece com os jogos em DVD/BluRay: a atualização vai para o armazenamento do console.

    • fernbrb

      Não acho que esse será um problema já que não dá pra aplicar patchs de correção em jogos distribuídos em mídias óticas também, e esse é justamente o formato usado nos videogames atuais…

  • JackChanBiPOLAR

    Se eu tiver que soprar de vez em quando pra usar, eu compro!

    • Terra Nova

      AEHAEH

  • Theuer

    “Aí sim, fomos surpreendidos novamente”
    Zagalo; Mario Jorge

  • Theuer

    Confesso que nunca me acostumei em pagar mais de 150MANGOS por um jogo download, ter o jogo em cartucho faz MUITO SENTIDO.
    Divago…
    As pessoas realmente terão o jogo, seu acesso será veloz e os updates ou ao menos os Saves ficarão lá.
    Por parte do fabricante, atrapalhará a pirataria e diminuirá o hardware do console(caso o cartucho tenha NAND para guardar updates)
    Bom, eu gosto. 🙂

  • Christian Oliveira

    o/ saudosista, lembrei dos cartuchão do Neo Geo, respect!

  • Germano

    Tendo a discordar que mídia fisica, em qualquer formato, seja uma boa aposta hoje em dia. E os jogos mobile estão ai para corroborar isso.

    • Ednei Pohkan

      Vai ter os 2 e mídia física não ocupa espaço no HD do console, além de em muitos casos ter o mesmo preço.

  • Othermind

    Midia optica custa infinitamente menos que um cartucho com memoria.. Um jogo AAA custa 60 doletas…. No nintendo NX vai custar mais? Ou a empresa vai aceitar ter menos lucro com os jogos para essa plataforma? Até pq um jogo AAA tem facil mais de 40GB… o que deixaria o cartucho mais caro..

    Outra.. enquanto jogo um game o ps4/xone vai baixando atualização e aplicando para os outros jogos que tenho no hd…Ou melhor.. enquanto estou no trabalho o console faz isso para todos os jogos mesmo desligado (stand by).. E no NX como seria?

    E as DLC? Vao pra onde? Vou ser obrigado a colocar um hd externo / pen drive/ etc? Então o console viria capado já que isso se tornaria praticamente indispensável…

    E a loja online? Mais uma vez usaria HD externo/interno? E a taxa de transferência para ler o HD ? A “vantagem” do cartucho iria desaparecer rapidinho para algo que se torna cada vez mais comum.. midia digital…

    • Diego Marco Trindade

      Boas questões. O problema maior é essa mania da Nintendo de demorar a revelar detalhes das coisas, aí a gente sempre fica um pouco pessimista.

      Com relação ao custo do cartucho, não sei quantas vezes mais custa, mas quantos $ vai custar a mais? 1, 2, 3? Com certeza vão fazer baixar ao máximo esse custo, e o 3DS mostra que é viável usar a mídia.

      Quanto ao armazenamento, acho dificil fabricarem um novo console com menos que um USB 3.0. E o USB 3 lê quase 10x mais rápido que BD (625 x 72 Mb/s segundo a wikipédia).

      Com tanta DRM hoje em dia, podiam até patentear um formato de pendrive USB 3, para encaixar num slot do console e ficar camuflado, como aquelas chaves que encontramos em diversos jogos que você encaixa na pedra.

    • Marlon

      Nintendo querendo reinventar a roda. Eu so queria que o NX fosse arquitetura x86-64 parecida com XboxOne ou PS4 para que a portabilidade dos jogos fosse fácil.

    • Terra Nova

      E se a solução da Nintendo for essa? “SSDs” extremamente baratos economizando no hardware, energia e processamento do NX.

  • Leandro Tonetto

    Duvido

  • Tartaruga Mutante

    Não concordo, o N64 falhou pela falta de espaço de armazenamento do cartucho, a mídia em cartucho fatalmente sai mais cara, não adianta comparar com cartuchos de portáteis pois os mesmos não precisam de tanto espaço.
    O fato é que a Nintendo nunca gostou de mídia óptica e tem medo da pirataria. Acho que apostar numa distribuição exclusivamente online seria menos arriscado.

    • Thomaz de Oliveira dos Reis

      Cara, os tempos são outros. Primeiro que tanto no WiiU quanto no 3Ds quase todos os jogos de mídia física podem ser comprados com mídia digital (salvos raríssimos casos). Eu duvido que a Nintendo vai abandonar essa forma de distribuir jogos. Outra que na época no 64 memórias ROMs e Flash ROMs engatinhavam ainda. Atualizações de firmware também hoje são processos extremamente mais simples. Não existe nenhum motivo técnico HOJE EM DIA para ter o mesmo problema que o 64 teve.

  • Papel Alumínio

    Só eu ou mais alguém falava fita ao invés de cartucho?

    • Rafael Vasconcelos

      Acho que todo mundo.

    • f4v3r0

      Eu falava fita e todos que eu conheço também…

    • #TamoJunto

    • Terra Nova

      E nostalgia!

    • Rodolfo da Silva Carvalho

      Eu falo os dois termos, mas uso mais cartucho.

    • Tiago Ferrari

      Só tu, diferentona! Rainha da nostalgia! Senhora dos games antigos! AIUhsaiuhsiuashiuashiaushih Aqui nas bandas do RS todo mundo falava fita!

      • Papel Alumínio

        Acho cartucho feio demais.
        Fora que é uma palavra desnecessariamente longa.

        • Clésio Etílico

          Desnecessariamente é uma palavra desnecessariamente longa.

    • Flávio Pedroza

      Tem gente que ainda chama CD/DVD/BLUE-RAY de cartucho. Outro dia presenciei no shopping uma mãe/tia? ao telefone, acho que falando com um garoto, pedindo que ele escolhe um “cartucho” para ela comprar de aniversário…Pela conversa dela, o guri não tava entendo do que ela estava falando:”Cartucho…CAR-TU-CHO…Como assim não sabe…É jogo de videogame…A tá, é isso, mesmo, DVD de jogo.”

    • Ednei Pohkan

      Fita era usado pq os 1º dispositivos realmente usavam fitas, fita, k7 depois inventaram o cartucho.

  • Podiam logo era anunciar algo concreto, queria ver o circo pegar fogo de vez!

  • f4v3r0

    Aproveita e volta com os manuais de antigamente. Aquilo sim era legal.

  • Terra Nova

    Um sopro de nostalgia!

  • Maom

    Eu sou fã de cartucho… Colecionar eles, apreciar a arte na ilustração dele, ver aquela torre de cartuchos empilhada… Enfim, quem ainda usa nintendo 3ds aqui sabe do que estou falando. E quando tenta comprar um jogo usado vê que em alguns casos o preço dele com o tempo aumenta e não diminui… Isso de deve a esse fator colecionável que todo nintendista trás consigo. Se fosse presidente da nintendo apostaria em cartuchos para não perder essa renda extra e ao mesmo tempo satisfazer os clientes.
    Pq o bd do ps4 por exemplo eu sinto que não vale nada. Passo meia hora instalando o jogo no video game e depois mais meia hora baixando atualização… A impressão que se tem depois é de que o bd já é inútil e pode ser descartado.

  • TaSerto Schmitt

    o @max_laguna pensei que fosse algum conterrâneo da cidade de Laguna….
    Gostei muito da matéria, parabéns.

  • Felipe Braz

    Opa, vamos voltar a soprar cartuchos! o/

  • Leo

    ou seja, se isso acontecer nunca mais a Nintendo estará no Brasil com a legislação vigente…

  • Bruno Aveiro

    Uma coisa que me irrita muito na Nintendo é o travamento por região (um jogo comprado no Japão não funciona em um video game americano por exemplo).
    Será que essa geração será assim?

    • felipelsp

      Sim

    • Heltinho Minardi

      A Nintendo disse que finalmente vai poder retirar a Trava de Região no Nintendo NX.

  • marcelosite

    Fala sério, ah essa altura do campeonato cartucho ? Joga simples nintendo.
    Blu-ray ultra os carai, ou pendrive ou download. A mídia é só um transporte.
    E o NX vem com um ssd ultra rapido que grava nele o necessário para o jogo rodar magicamente rápido.
    Tipo o ssd para o jogo em execução e um hd normal pra gravar tudo aquilo que vc espera um dia poder jogar e não tem tempo.

    • Ivan

      A questão não é rodar o jogo em si pelo BD é que demora pra instalar e vc perde espaço no hd pq teve que instalar o jogo, com cartucho que são mais rapidos que midia otica vc não teria esse problema, ou seja todo o espaço do hd ou ssd que seja, ficaria pra jogos baixados.

  • A Verdade Ofende

    Ainda acho que o futuro dos games pra próxima geração está no inicio de uma era somente digital. Isso nós já temos para os PCs e Smartphones e, com isso, nós temos o custo zero com a mídia física e o abatimento do valor que seria lucrado pelos logistas. Ou a loja online pega os tais royalties ou lucra em cima da cada copia da forma que quiser. Pronto, isso seria a melhor solução e faria o preço dos SSDs mais potentes caírem devido o crescimento da procura que elevaria a oferta. Provavelmente este será o rumo que a Microsoft vai tomar no próximo Xbox, e eu gostaria que a Nintendo e Sony fizessem o mesmo.

    Mas se tiver de utilizar cartuchos tudo bem, é mídia física mais adequada com certeza. Porém a solução é a mídia digital.

    • Ivan

      Na verdade seria o contrario sobre o preço do ssd, mais procura maior o preço, se a oferta cai o preço sobe.

      • A Verdade Ofende

        É sempre assim até onde sei: Quanto maior a procura, maior a oferta e menores os preços. Ou seja, quanto mais consumidores, mais empresas entraram na disputa pra conquistar os consumidores e quanto maior o número de empresas na competição menor será o preço. Claro, SSD, assim como HDs, são produtos sem prazo de validade e por isso os preços não caem rápido.

        • Ivan

          Se todo mundo quer oferta cai e preço sobe,por isso o feijão subiu de preço

          • A Verdade Ofende

            Todo mundo querer é gente demais.
            Mas quando muita gente quer haverá muitas empresas pra abastecer a demanda e quanto mais empresas entrarem como concorrência menor será o preço. Embora pareça plausível, no caso dos alimentos é um pouco diferente. Mas em geral, quanto maior a oferta, menor será o preço. A oferta cresce conforme cresce a procura.

          • Ivan

            Todo mundo quer, demanda é pequena, causa redução da oferta preço sobe, mesmo mais empresas produzindo a demanda vai ser grande mantendo o preço elevado

  • Power Otaku-Kun

    Vou falar bem resumidamente.

    Nintendo no passado usou cartucho e a Nintendo fabricava e cobravam das Soufhouse. PS1 usou CD. Softhouse foram pro que era mais barato, o CD

    Hoje, chips de alto armazenamento tem processamento mais rápidos, mas são mais caros na fabricação atualmente (tem algum chip de 50 GB no mercado por uns 3 dólares?). Blu-ray de 4K com 100 GB de armazenamento, mais barato na manufatura que os chips.

    Qual meu ponto? Será que uma EA, Ubisoft, Activision, desenvolvedores indies bancariam esses cartuchos pra lançar games no NX?

    • Boa pergunta, mas é bom lembrar que jogos tanto no PS4 como no Xbox One têm tido vendas bem expressivas em download. Seria mesmo necessário todas as editoras lançarem jogos em mídia física?

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis