Meio Bit » Arquivo » Indústria » CEO da Oracle quer mais java nos netbooks

CEO da Oracle quer mais java nos netbooks

13 anos atrás

Durante  uma apresentação em São Francisco Larry Ellison, principal inimigo relevante da Microsft (convenhamos, Stallman não conta) e CEO da Oracle fez a seguinte declaração:

"Vocês verão que nós seremos bem agressivos com Java, desenvolvendo aplicações para coisas como telefones e netbooks. Haverá computadores que serão fundamentalmente baseados em Java"

OK, podemos dar um desconto, ele estava em uma conferência de Java, mas como a Oracle comprou a Sun, algum interesse há.

Mas não se anime. Essa história rola desde 1995. Java surgiu com a promessa de ser maravilhoso, rodar em qualquer computador sem precisar de recompilação, tudo seria lindo e maravilhoso. Chegaram até a anunciar "chips java", que rodariam aplicações até 100x mais rápido (ou seja, ainda lento) do que o normal.

Na prática os programas Java são FEIOS. Ao abandonar as especificidades de cada plataforma é preciso adotar um menor denominador comum. O runtime (ops, desculpe, Máquina Virtual, é mais chique) consome memória, é mais uma fonte de bugs de segurança e trabalho para o usuário final.

Em plataformas onde Java não é bem-vinda, como a Apple, o desempenho global é sofrível.

O Java se tornou o Linux das linguagens. Faz sucesso no ambiente corporativo, mas no desktop é irrelevante. Quem usa, nem sabe que usa e não se importa.

Java em netbooks, com seus recursos limitados é uma péssima idéia. Netbooks "fundamentalmente baseados em Java" então, nem se fala. Aliás, também nem se fala mais no prometido JavaOS que iria salvar o mundo das cáries e do Windows.

Eu quero um netbook que rode tudo E cujo sistema operacional seja otimizado para o hardware dele. Quanto a Larry Ellison, 1995 ligou e pediu as promessas de volta.

Fonte: Reuters

relacionados


Comentários