Home » Ciência » E se o Coronavirus chegar na Estação Espacial?

E se o Coronavirus chegar na Estação Espacial?

A transmissão do Coronavirus já atingiu o mundo quase todo, mas e o espaço? Há chances da doença chegar até a Estação Espacial Internacional?

19/03/2020 às 18:53

Sabemos que a transmissão do Coronavirus acontece mesmo quando o paciente está assintomático, o que quer dizer que você pode estar perfeitamente saudável, mas contaminado e contaminando todo mundo.

Um astronauta pode subir contaminado sem ninguém saber? Pode se contaminar lá em cima? E se acontecer, qual o pior cenário?

A ideia de doenças no espaço não é nova. Espaço não é nada bom pra saúde, pesquisas demonstram que 100% das pessoas expostas ao espaço morrem, mas mesmo quando isso não acontece, o ambiente é ideal para doenças. Pense bem, homens e mulheres confinados, respirando o mesmo ar, comendo da mesma comida, usando os mesmos banheiros.

Isso não é teoria, é fato. Foi descoberto da pior forma em 1968, no voo da Apollo VII. O comandante, Walter Schirra Jr pegou uma gripe, provavelmente já incubada, e imediatamente passou para Don F. Eisele e Walter Cunningham. Os três sofreram com espirros, febre, dor de cabeça e o pior de tudo: Imagine que você está cheio de catarro, e não há gravidade para puxar pra baixo. Nariz entupido e sinusite nas nuvens, ou melhor, bem acima delas.

A preocupação com doenças também ia do outro lado. A NASA não tinha ideia de a superfície lunar abrigava micro-organismos nocivos, então criaram a Unidade Móvel de Quarentena, uma espécie de trailer modificado, com banheiro, cozinha, área de lazer, etc, aonde os astronautas passaram 21 dias em Quarentena, quando voltaram da Lua. ele foi usado nos missões Apollo XI,XII e XIV. depois viram que não era mais necessário.

Para evitar que astronautas subam com alguma doença, a NASA implementa uma série de medidas, a principal é colocar os futuros viajantes em uma quarentena preventiva, chamado "Programa de Estabilização de Saúde de Tripulação de Voo", aonde eles ficam com contato restrito com outros humanos e agentes infecciosos, e mesmo as visitas são monitoradas, sendo medidas e avaliadas antes de interagir com os astronautas.

Essa quarentena também é observada pelos animais e plantas enviados para a Estação Espacial.

Alimentos e carga são esterilizados, mas temos o problema do ar.

Aqui na Terra, a não ser que você seja especialmente porco, ninguém nota seu cheiro, nem os cheiros do ambiente. Exceto se você morar em Vila Velha perto da fábrica da Garoto, aí é o paraíso.

Objetos costumam emitir odores, todos eles, mas eles são rapidamente diluídos pela atmosfera. em um ambiente fechado e de microgravidade, as moléculas pesadas não descem nem se espalham, então tudo cheira forte.

Bactérias e outros bichos nefastos ficam flutuando eternamente, prontas pra entrar pela boca do primeiro desavisado.

Diante desse risco todo a NASA instalou 21 filtros de partículas e de bactérias no segmento americano da ISS. eles são trocados em média a cada dois anos.

Os russos provavelmente usam uma camiseta velha mergulhada em vodca na frente da saída do ar-condicionado, mas também funciona.

Agora a parte sinistra: Micro-organismos nocivos ADORAM o espaço. Eles se multiplicam mais rapidamente e seus efeitos são mais fortes do que em terra, e ah, eles também sofrem mais mutações. Ou seja: Se um astronauta ficar doente, vai ser doente de verdade.

E se o astronauta ficar doente de verdade, há protocolos de isolamento. A NASA tem protocolo pra tudo. O doente deverá ficar na área de repouso, o mais longe possível dos outros. Caso seja uma doença contagiosa, há roupas e máscaras de proteção que os astronautas não-contaminados deverão usar.

Em casos extremos, uma das duas Soyuz usadas como bote salva-vidas pode ser usada para retornar à Terra com o astronauta doente. Nesse caso pelo menos três astronautas deixariam a estação, pois somente um comandando a cápsula é fora dos procedimentos. Possível, mas não recomendado, e não dá pra contar com o doente.

Ordinariamente, quando a tripulação da Estação Espacial internacional era composta por seis pessoas, isso não seria problema, exceto em caso de contaminação grave confirmada, aí os seis teriam que descer. Hoje, com em média somente três tripulantes, isso significa que em caso de doença infecciosa ou emergência incapacitante como uma apendicite, a Estação seria abandonada.

Em tese isso não é um problema, inicialmente. Quase tudo dentro da ISS pode ser controlado de Terra, inclusive os reboosts, quando os motores de uma Progress de carga ou uma Soyuz são usados para elevar a altitude da órbita da estação, uma tarefa de rotina, ela perde altitude continuamente por causa do atrito com a ínfima mas existente atmosfera a 420Km de altitude.

Normalmente a manobra é feita pelos astronautas, e como você deve estar reparando, sim, é um joystick, para tristeza de todo mundo que zoou o comando manual da Enterprise E em Star Trek: Insurrection.

O problema é se algo der errado, um cabo frouxo, um fusível queimado, algo que um astronauta resolveria em dois minutos, mas que sem controle pode afetar a estação inteira. Já tivemos emergências aonde caminhadas espaciais foram organizadas em horas, para consertar sistemas de refrigeração ou painéis solares. Sem presença humana, bye-bye.

E não, aqueles "robôs" tipo o Robonauta 2 são inúteis, meros brinquedos de controle-remoto, sem autonomia ou capacidade de manobra, e de qualquer jeito já foram mandados de volta pra Terra.

Caso a ISS sofra algum tipo de dano, será preciso mandar uma missão de resgate, o que leva alguns meses de preparo e planejamento. Se nesse meio-tempo ela sofrer uma falha crítica no sistema de refrigeração, ela pode literalmente cozinhar por dentro. Se o sistema de controle de atitude falhar, ela começará a girar sem controle, talvez além da capacidade de recuperação.

Se isso acontecer, a Estação estará condenada, e a única coisa a fazer é calcular o ponto de impacto e mandar uma cesta de frutas pro lugar, pedindo desculpas.

É possível? Sim, mas imensamente improvável. A NASA e a Roscosmos estão planejando aprimorar a quarentena dos futuros astronautas que voarão para a ISS, e a transmissão do Coronavirus nesse caso é praticamente impossível. O cenário só é possível se a NASA foi muito zicada, e pelo menos Zica não é problema esse ano. Ainda.

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários