Sobre as tais Ondas Gravitacionais e o Cachorro Invisível de Einstein

vlcsnap-00006

Imagine que você está na piscina. Você pega uma bola de praia (existe bola de piscina?). Agora puxe-a toda para dentro d’água. Coloque uma pessoa a uns 2 metros de distância. Mova a bola lentamente para frente e para trás… Ela (a pessoa) não sentirá nada. Em seguida repita o movimento mas bem mais rápido, com força em direção à pessoa. Ela sentirá a pressão da água gerada pelo movimento da bola.

Em essência isso são ondas gravitacionais. Só que em vez de distorções na água, elas são distorções no próprio tecido do espaço-tempo. O vácuo, o nada e tudo que ele contém. E a beleza nisso é que na experiência na piscina além da distorção na água você também está gerando ondas gravitacionais, só que pequetitas.

A Teoria Gravitacional de Newton trata gravidade como uma força, mas é somente uma aproximação, Einstein propôs uma Teoria onde a gravidade seria consequência da distorção do tecido do espaço-tempo causada pela massa dos objetos. Se abrirmos mão de uma dimensão, em um universo plano a gravidade seria representada assim:

esa_warpedspace.jpg.CROP.original-original

Neste vídeo um professor demonstra com Lycra e bolinhas a deformação do espaço-tempo causada por objetos com massa:


apbiolghs — Gravity Visualized

Note que um objeto parado gera uma distorção espacial mas não uma onda gravitacional. Ilhas não causam ondas, terremotos sim. Em sua Teoria da Relatividade Geral Einstein previu que massa em movimento geraria ondas gravitacionais, e a beleza é que independe da quantidade. Se você balançar sua mão rápido, estará gerando ondas gravitacionais, mas com uma energia de um pentelhonésimo de micronada elevado a 10 multiplicado por menos coisa nenhuma.

Detectar ondas gravitacionais é algo muito complicado. Quer dizer, teoricamente não é, mas exige uma precisão imensa. Foi o que os futuros ganhadores do Nobel do LIGO — Laser Interferometer Gravitational-wave Observatory fizeram.

Como funciona

fig23

A instalação (na verdade são duas, Lousiana e Washington, separadas 3.000 km) conta com dois tubos de vácuo de 4 km de comprimento.

Um laser é emitido da estação central. O feixe é dividido por um espelho e vira dos raios perpendiculares. Filtros polarizadores garantem que as ondas são espelhadas. E por falar em espelho, no fundo dos tubos um espelho reflete os lasers de volta. Eles se encontram, se combinam e são direcionados para um detector, que se tudo correr bem não detectará… nada.

Screenshot - 13_02_2016 , 11_56_27

O segredo aqui é uma propriedade de todas as ondas, de rádio, luz, até as ondinhas da sua banheira: ondas interferem com ondas. Se são idênticas, com a mesma fase (o pico das duas ondas ocorre no mesmo momento) elas se somam gerando uma onda de maior amplitude, mas se as fases forem invertidas elas… se anulam:

standing (1)

O equipamento do LIGO é projetado para que os feixes de laser cheguem precisamente no mesmo momento. A única forma de alterar isso, fora a faxineira tirar o detector da tomada pra limpar atrás do emissor-laser é alterando a distância percorrida pelos feixes.

Fora acelerar o detector próximo da velocidade da luz, a alternativa seria distorcer o espaço-tempo em si. Em teoria uma onda gravitacional esticaria ou encolheria os túneis, e como são perpendiculares o efeito seria diferente em cada um.

O problema é que essas ondas são incrivelmente tênues. O suficiente para tirar os espelhos de posição por uma distância equivalente a 0,0001 vezes o diâmetro do núcleo de um átomo. Por isso o LIGO ficou 10 anos sem detectar nada. Depois de um upgrade foi inaugurado em setembro de 2015, bem a tempo de testemunhar uma catástrofe de proporções cósmicas.

1,3 bilhão de anos atrás dois buracos negros dos pequenos, formando uma entidade chamada GW150914 chegavam ao final de um balé cósmico de 1 bilhão de anos. Com massas equivalentes a 39 e 26 vezes a do Sol, os dois orbitavam um ponto entre os 350 km (não milhões, 350 km) que os separavam. Só isso já gerava ondas gravitacionais, mas gerar ondas requer energia.

interestelarsucks

Como Tudo é Força mas só a Termodinâmica é Poder, essa energia precisava vir de algum lugar. Os buracos negros perdiam energia cinética, diminuíam a velocidade e aos poucos suas órbitas iam decaindo.

Isso mesmo, crianças, órbitas não são estáveis, ao girar em torno de uma estrela um planeta altera a estrutura do espaço-tempo, consome energia e sua órbita decai. Claro que no caso da Terra a energia perdida em ondas gravitacionais é pífia, a interação Terra-Sol gera um arrasto gravitacional que é convertido em ondas com potência de… 200 W.  A cada dia a órbita da Terra decai o equivalente ao diâmetro de um próton, e dos geração-saúde, não os sedentários.

Levaria mais tempo que a vida estimada do Universo pra isso se tornar um problema, mas com buracos negros próximos, o efeito é exponencial.

Nos últimos segundos os buracos negros estão girando a uma velocidade incrível, até que os horizontes de eventos se tocam e eles se fundem. Esse processo liberou uma quantidade de energia quase inconcebível. Por uma fração de segundo, 50× mais energia potência que a emitida por todas as estrelas do Universo (observável). O equivalente a 3 massas solares foi convertido em energia, isso rasgou o tecido do espaço-tempo, a força de 5 mil supernovas emitida em 0,2 segundos produziu uma onda gravitacional que, depois de 1,3 bilhão de anos; conseguiu ser captada por macacos pelados brincando com espelhos.

cosmos1

Essas ondas desalinharam os espelhos em Hanford, esticando e comprimindo a própria estrutura do espaço. 10 milissegundos depois foram detectados pelas instalações em Livingston. Aqui uma simulação do evento:


SXS Collaboration — Warped Spacetime of GW150914

Qual a significância disso?

Até 1930 a única forma de observar o Universo era através de telescópios ópticos, então um sujeito chamado Karl Jansky conseguiu algo que até então era impossível, embora previsto desde o tempo de Maxwell, no Século XIX: corpos celestes emitem ondas de rádio.

A tecnologia precisou evoluir até sermos capazes de detectar esses sinais, e um novo campo se abriu. Hoje a radioastronomia é o alicerce de muito do nosso conhecimento.

jodie-foster-contact-contato-7

Como bem disse um robozinho sarcástico, até uns dias atrás Astrônomo de Ondas Gravitacionais era uma especialização totalmente cara-de-pau pra colocar no currículo, hoje é uma realidade. Embrionária, mas uma realidade, e a pesquisa do LIGO de quebra demonstrou que existem buracos negros binários, que eles podem se fundir e que buracos negros com massa acima de 25 sóis são uma realidade. Nada mau para um campo da ciência com alguns dias de idade e instrumentos equivalentes a barro fofo e pedra lascada.

Uma forma de evoluir isso é com detectores no espaço, separados por milhões de quilômetros isso nos dará uma precisão e resolução incríveis, poderemos detectar eventos tão insignificantes quando uma supernova pequena. Essa tecnologia está sendo testada neste exato momento (ok, a rigor começam 1º de março) por esta sondinha aqui:

LISA-Pathfinder-Instrument-Completes-Cryogenic-Tests-2

A LISA Pathinder se encontra a 1,5 milhão de km da Terra, no ponto Lagrange 1, uma região onde a gravidade do Sol e da Terra se anulam e é extremamente estável, tipo um mar de sargaços orbital, ou aquele desnível no piso do quintal onde a água sempre empoça.

O objetivo da LISA não é detectar ondas gravitacionais, mas testar se a tecnologia é viável. Para isso ela leva dois cubos idênticos, separados por 38 cm. Eles flutuarão, sem contato com a nave e permanecerão absolutamente estáticos. Um laser refletido entre os dois gerará dados de interferometria, igual ao experimento do LIGO, e os cientistas descobrirão se é possível fazer a tecnologia funcionar. Ninguém nunca construiu uma sonda com um cubo flutuante, onde a sonda se move para não encostar nele.

Se a LISA der certo, o próximo passo é a eLISA, e aí estaremos falando como gente grande.

eLISA_2arms_gws_3

Esqueça o laser de 4 km do LIGO. Com uma constelação de 3 sondas, com lasers e telescópios a eLISA formará um triângulo com 5 milhões de quilômetros de lado. Com o LIGO nós ganhamos um novo sentido, novos olhos para ver o Cosmos. Com a eLISA ganharemos óculos.

Mais detalhes neste vídeo de novembro de 2015 e já totalmente desatualizado.


European Space Agency, ESA — LISA Pathfinder – Window on the gravitational universe

E quanto a Einstein?

Lamento informar aos amigos jornaleiros mas ele não “previu” nada. Vamos a uma analogia.

Newton espiou o quintal do vizinho, viu pegadas, deduziu que ele tinha um bicho, mas como ninguém conseguia ver, era invisível.

Einstein estudou as pegadas e deduziu que era um cachorro invisível, mas foi além. Por ser um cachorro ele deduziu que na casa deveria haver coleiras, ração, brinquedos, e cocô no quintal.

Entrando na casa encontraram brinquedos, ração, coleiras, cama quentinha, tudo que uma casa com um cachorro invisível teria. Cada objeto descoberto reforçava a existência do cachorro, do controle-remoto mordido ao cobertor babado no canto do quarto.

Einstein-sufring-gravitational-wave

Por muitos anos a única coisa que não haviam encontrado era o cocô, quase tão invisível quanto o cachorro, até que agora, finalmente splooosh. Alguém pisou em algo mole e quente, e gritou EurECA!

O cachorro é a gravidade, os brinquedos e objetos são coisas que usamos no mundo moderno, como celulares, e fenômenos como lentes gravitacionais e dilatação do tempo.

A Teoria da Relatividade Geral faz tempo que é comprovada, ela era um imenso quebra-cabeça montado (dica, é um veleiro) com uma pecinha faltando em uma das pontas. Só que cientistas são muito criteriosos com seus brinquedos e só se sentem confortáveis com todas as peças no lugar. A ponto da mera detecção indireta de Ondas Gravitacionais ter rendido o Nobel de Física de 1993 para Joseph Taylor e Russell Hulse. Essa agora do LIGO? Mais fácil aquela animação tosca brasileira ganhar o Oscar do que essa equipe não levar um Nobel.

Fonte: o paper original, biatch!

Relacionados: , , , , , , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz e Calcinhas no Espaço.

Compartilhar
  • Doomed

    SENSACIONAL! Post que gera ondas gravitacionais no cérebro!

    PS: Cardoso, haverá, posteriormente, as salsinhas gravitacionais?

    • Luis

      Salsinhas no Espaçoooo

  • Hemeterio

    …e a primeira prova da Relatividade Geral veio a partir de Sobral, CE. O incrível é nenhum cientista ter notado que as estrelas mudavam de lugar, simplesmente observando casulamente chapas e chapas de eclipses e o ceu noturno, seis meses depois.

    1919. Cientistas ingleses e franceses, no Brasil — e noutra ilha desimportante — testando a teoria de um judeu alemão. Um ano depois da desgraça da WWI. Isso é mais belo que mil Campanhas da Fraternidade Ecumênicas.

  • Luis

    Agora falta detectar os gravitons…. e Hill Valley aí vou eu.

    • Luiz

      Estou esperando, gravitrons tem um sabor melhor.

      • Alexandre Souza

        Eles tem midchlorians?

  • João

    Boa, boa! Matéria escura a caminho!!!

    • E Energia Escura também.

      • MacTantan

        Promessa é dívida, Sr. CC.
        Parabéns pelo superpost.

        Edit: o idiota q vos fala se compromete a baixar o nível de estupidez deste blog, deixando de frequentá-lo.

        • ricms

          q?

      • Jean

        Energia escura também? Mas energia escura tem gravidade?
        To perguntando na boa, por ter ficado na dúvida mesmo. Eu havia lido que Energia escura era quase o oposto da gravidade, a força que fazia o universo se expandir.
        Imagino no futuro, humanos usando energia escura para controlar – “manipular” – a gravidade, enquanto se comunicam usando entrelaçamento quântico, usando energia da fusão nuclear que estará dominada por nós.

        • Luiz

          É chamada materia escura pois o unico efeito “visivel” é o gravitacional.

          • Jean

            Mas essa aí é a matéria escura, ou a energia escura também? Essa é minha dúvida.
            Eu entendi que deduziram a existência da matéria escura porque os cálculos a respeito da quantidade de massa do universo não batia, faltava algo. A energia escura vem de uma hipótese a respeito do que acelera a expansão do universo. Bom, foi o que eu entendi, mas eu sou bem ignorante a respeito dessas coisas.
            Obrigado Luiz pela resposta

          • Luiz

            Corrigindo, Dark Matter produz efeito gravitacional, Dark Energy é o que supostamente produz a expansão do espaço-tempo.

      • Alexandre Souza

        Olha o racismo…energia afrodescendente!

    • Jean

      Pois é, foi o que pensei quando vi a notícia. Acredito, no meu achismo, agora temos a oportunidade de “ver”, estudar a matéria escura.
      Que época²!

  • DiMais

    e depois da eLISA, enviaremos a iLISA e será mágico!

    • Zé das Covi

      e custara no minimo 5x mais que o eLISA , então alguns coreanos irão lançar algo parecido com o iLISA porem melhor e mais feio , após alguns anos de varias agencias lançando LISA’S a agencia que lançou o iLISA 1 vai lançar o iLISA 2 com tudo que os outros já fizeram porem a 3 anos atrás e cobrando 5x o preço .

      • iLISAs de space

      • E quando precisar trocar um dos espelhos será necessário fazer na assistência autorizada senão o iLISA será bloqueado na próxima atualização do sistema operacional alegando que o espelho trocado por terceiros comprometerá a segurança das medições, podendo vazar para governos subversivos ou outros povos que porventura poderiam invadir a Terra.

      • Diego Marco Trindade

        Eu pensei que a Melhor Coréia e seu Grande Líder iriam anunciar que eles já dominam a gravidade e por isso fazem grandes ônibus voadores cruzarem seus céus.

    • Alexandre Souza

      A manutencao vai ser um tormento…

    • Monstro Medieval

      E depois a Galaxy LISA.

  • Hemeterio

    Outra coisa, desculpe o mini flood.

    Sobre a coincidencia do LIGO detectar um sinal tao improvavelmente bom.

    Well, o Hubble tambem foi construido no momento preciso pra estar por aqui pra captar o Shoemaker-Levy se espatifar em Jupiter. O que vale a maxima: construa que eles virao.

    Quando Cygnus X1 explodir daqui a 10 anos, alem de uma segunda lua cheia, vamos ter uma caralhada de dados pra analisar. Que epoca!

    • E câncer, muito câncer.

      • Jean

        Vou ganhar muito dinheiro com a pílula anticancer quantica.

        • à base de grafeno natural.

          • Jean

            Retirado de ervas, usando mão de obra palestina negra e homossexual,bem remunerada trabalhando apenas 4 horas por dia. Pensa no marketing socioecológico vegan sem glúten?

      • Oncologia, aqui vou eu!

    • Luiz Antonio

      Por favor, esclareça minha ignorância. Porque Cygnus X1 irá explodir daqui a 10 anos?

      • Hemeterio

        Ela pode explodir em 10 anos, ou em 10mil, o que é um nada e termos de vida estelar. O fato é que ela ja é uma pre supernova, na nossa galaxia, e relativamente perto. se nao nos matar vai ser um show.

        • Luiz Antonio

          Hemeterio, grato pela atenção, mas pelo que li na net, Cygnus X1 é um buraco negro formado a partir de uma estrela massiva que colapsou, houve uma implosão e não uma explosão, que é o que acontece com uma supernova. Entendi errado o que li?

          • Marco Antônio Manes

            Luiz Antonio,veja bem:A estrela massiva colapsou e vai continuando a colapsar.A pressão exercida
            pela força gravitacional vai aproximando cada vez mais os núcleos dos átomos .Quando os prótons
            de dois átomos se aproximam suficientemente,aparece a força forte e eles (os átomos) se fundem
            passando a constituir um novo átomo mais pesado.Este processo vai continuando conforme a estrela continua a colapsar.Este processo vai gerando átomos com as mais diferentes quantidades de prótons e nêutrons no núcleo formando a tabela periódica.Mas quando o elemento ferro (56 prótons no núcleo) é gerado,é o fim da estrela,ela explode (por quê, ainda não sei),espalhando
            a matéria sintetizada pelo espaço afora,que irá formar novos planetas e estrelas (neste ponto em
            que ela explode é que ela é chamada de supernova.Foi assim que eu,você e toda a matéria que constitui o nosso sistema solar fomos sintetizados a partir de simples átomos de hidrogênio.Esta
            explosão é algo absurdamente espetacular,espalhando radiação .Por isto que eles falaram sobre
            câncer em quem estiver numa distancia não muito segura da explosão.Espero ter contribuído.

          • Luiz Antonio

            Grato, Marco Antônio. Eu pensei que por Cygnus X1 ser considerado um buraco negro, este seria o final do ciclo da estrela, mas então essa implosão (colapso) que está acontecendo e a concentração absurda de matéria, irá gerar uma explosão e uma supernova.

          • Marco Antônio Manes

            Exatamente. Depois que a estrela explodiu ela envia para o espaço a matéria que ela sintetizou,matéria esta que irá constituir as estrelas de segunda ,terceira ou n-ésima geração.Ou planetas ,ou sistema solares completos,dependendo da quantidade de matéria contida naquele grumo.E a estrela que explodiu,costuma manter em si ainda uma quantidade de matéria,se transformando em uma estrela de nêutrons
            que fica girando e emitindo radiação,são os pulsares,que parecem estar pulsando devido à sua rotação. Mas veja bem: não são todas as estrelas que viram supernovas,isto irá depender da quantidade de matéria contida nela,pois se a matéria não for suficiente,o colapso se detêm e ela vira uma anã branca.Desculpa eu estar me estendendo demais,mas todo este processo me deixa maravilhado .

          • 👽 Gliesiano

            O buraco negro vai continuar sendo buraco negro eternidade adentro.
            O que acontece é que Cygnus X1 tem uma companheira super massiva, e ela é que pode virar supernova.

          • Luiz Antonio

            Ah sim! é por isso que eu estava confuso, fui pesquisar e Cygnus X1 é um sistema binário de estrelas. Uma delas possivelmente virou um buraco negro e a outra “próxima” é que pode se tornar uma supernova. Obrigado a todos pela atenção.

          • valeu pela explicação, mas surgiu uma dúvida: se quando chega ao elemento ferro (56), a estrela explode, como temos os elementos com número atômico maior aqui na Terra? Suposição: duranet o processo de explosão, ocorrem mais fusões atômicas, espelindo urânio, plutônio e outros tipos de câncer em pedra pelo universo afora?

          • Marco Antônio Manes

            Valeu Samuel,tua dúvida é bem pertinente.O negócio é o seguinte :Os átomos pesados –(leve é o hidrogênio,que é o mais simples e foi formado quando a temperatura do Big Bang começou a arrefecer,formou-se um pouco de hélio também)– não vão sendo formados ordenadamente,queremos dizer: não
            vão se formando primeiro os de dois prótons,depois o de três,o de quatro e assim sucessivamente
            A coisa é aleatória mesmo de repente naquele burburinho de imprensa daqui imprensa de lá,apa
            rece um átomo mais pesado depois um mais leve.Lembra sempre que a aleatoriedade é a lei que
            nos comanda,muito mais do que imaginamos.Aliás isto me lembra daquela musica do Lulu Santos onde ele diz o seguinte:…E não há lógica que faça desandar o que o acaso decidir …
            Agora um coisa é certa quando aparece o elemento com 56 prótons,que é o ferro o destino da
            estrela fica selado : ela explode como supernova.A resposta do porquê disto eu não tenho ,mas
            venho correndo atrás.Quem sabe teremos aqui em breve a resposta vinda de alguém que possa
            nos ofertá-la ?

          • Wallacy

            Como o colega disse, a questão é que ferro é um elemento que consome muito mais energia que libera em fusão, algumas estrelas maiores ate fundem ferro e só colapsam com elementos maiores. Mas no geral, depois de uma certa quantidade de ferro a gravidade vence. Ela sempre ganha na verdade.

            O Canal Kurzgesagt – In a Nutshell – tem vídeos ótimos a respeito.

          • Beleza! Revisando então, o que eu sei sobre buracos negros (fora os dos filmes que o Cardoso tanto preza). É conhecimento antigo, não me atualizo há tempo, então, vale a pena ver se já tem novidades:
            Quando uma estrela supermassiva passa exigir uma velocidade maior que a da luz para que a energia escape da força de sua gravidade, a estrela colapsa em si mesma formando o buraco negro. Ali, nessa singularidade, se forma o fenômeno mais intrigante do Universo (e olha que é um Universo cheio de maravilhas): para a luz “escapar”, ela precisaria de uma velocidade superior aos 300.000 Km/s. Não pode, pois é uma constante. E a matéria que chega ali, que o buraco negro continua sugando, também está acelerando a medida que se aproxima, então, num determinado ponto, se ela avançar mais um pentelhionésimo de proton, irá ultrapassar a velocidade da luz, o que também é proibido segundo Einstein.
            Então, ali, nessa linha, temos de um lado a luz que não pode parar e de outro lado a matéria que não pode avançar. Ali, no Horizonte dos Eventos, o que acontece?
            Sei que o Einstein sacou que o tempo vai passando mais devagar para a matéria a medida que ela se aproxima do horizonte. Mas, e no momento em que irá tocar o Horizonte? O tempo simplesmente para? O que ocorre quando o tempo para? Em algum ponto fora do Universo, surge uma nova expansão de matéria em um novo espaço-tempo?
            É tanta coisa para descobrir, é como um filme de suspense e mistério. Talvez seja este o maior motivo que me faz crer em um pós-vida: existem todas essas questões que a Ciência vai, passinho por passinho, esclarecendo. Gostaria de um além vida ou de uma reencarnação “mais adiante” para ficar sabendo das respostas! 😉

          • Marco Antônio Manes

            Samuel, vamos tentar colocar o pensamento em ordem. o método científico começou lá atrás com
            Galileu.Kepler,Descartes,entre outros.Galileu tentou achar um modo unificado de estudar física,mas não conseguiu unificar todos os conceitos .se é que foi de autoria dele a descoberta de uma lei fundamental da física:A lei da inércia.mas foi Isaac Newton que com suas três leis básicas
            conseguiu colocar a física em ordem: Lei da ação e reação,Lei da inércia(que é de Galileu) e lei
            que relaciona força massa e eceleração(F=m.a) .Só que para Newton,o tempo e o espaço eram
            constantes,quero dizer:o compasso do tempo não se altera com a velocidade do corpo em estudo
            e as medidas do espaço também eram independentes do movimento.
            Foi o Dr.Albert Einstein ,com sua Teoria restrita (que não leva em conta a gravidade) da Relatividade quem estabeleceu que o compasso do tempo se distende e a medida do espaço na
            direção do movimento,se contrai,isto foi em 1905.Dez anos depois ele unificou a relatividade com a gravidade.Estabelecendo que um corpo na presença de outro (ou seja:imerso em um campo gravitacional),sofre os mesmos efeitos que sofreria se estivesse em movimento:O tempo passa mais devagar e o espaço se contrai , tanto mais quanto maior for o campo gravitacional. estas teorias (relativi
            dade restrita ou especial e relatividade geral) foram estabelecidas tendo em vista uma hipótese
            fundamental,que ninguém tinha se dado conta :A constância da velocidade da luz.
            Agora : PELAMORDEDEUS,não vamos misturar ciência com conceitos religiosos ,como vc se referiu a pós vida.Tudo bem ,não tenho nada contra o sujeito ter suas crenças religiosas,nem
            eu me considero ateu,nem não ateu.mas ciência e religião são coisas diferentes,apesar de que
            talvez não incompatíveis (falei grego agora ,não?).
            Talvez isto sirva de gancho para o inicio de uma nova troca de impressões.Quem se habilita?

          • Hã… Bem, seu resumo da História da Física é legal e tal, mas… Confesso que fiquei decepcionado. Eu esperava que vocẽ fosse pegar o gancho sobre o Horizonte dos Eventos e fosse especular sobre o que ele pode significar. Ou, então, que trouxesse alguma informação, alguma novidade sobre o assunto. Esse “resumo” que fiz sobre buracos negros acho que li em um livro do arthur clarke há dez mil anos atrás.
            Sobre Religião, entendo sua preocupação, mas garanto que são temas bem separados. Eu apenas quis finalizar minha especulação sobre o Horizonte dos Eventos manifestando meu interesse em estar, de alguma forma, vivo para poder acompanhar essas maravilhosas descobertas científicas (e a solução do enigma que, para mim, é o mais intrigante do Universo).
            Não tenha medo de misturar assuntos. Isso aqui não é um local para debates rígidos. Vamos “viajar na maionese” à vontade. 🙂

          • A Terra está numa distância segura, certo?

        • Luiz

          Esperei minha vida toda por uma supernova, estou decepcionado, não posso morrer sem ver uma. Nem que eu morra vendo uma.

    • Sander Manzoli

      Quando ela explodir, demoraremos 6 mil anos pra ver… ou seja, não veremos… a não ser que ela já tenha explodido há ~6000 anos!

  • MacTantan

    Problemas, problemas:
    a) ondas, sejam mecânicas, eletromagnéticas ou gravitacionais, NÃO se movem;
    b) objetos embalados por essas ondas têm deslocamento zero;
    c) a energia, que se propaga através (ou na forma) de ondas, exige suporte material para deslocar-se. A “quantidade média” de matéria no espaço é pífia, para viabilizar formação e ondas gravitacionais.
    Ps.: Albertinho é um entre muitos gigantes.

    • Não sei se você está zoando ou só sendo idiota.

      Ah, deixa pra lá. Vendo os seus outros comentários percebi que é só idiota mesmo.

    • Senhores, achamos um concorrente ao Nobel de física!

      • Luiz

        Coitadinho, duvido que consiga resolver uma derivada sequer, falando merda que não sabe.

    • 👽 Gliesiano

      c) a energia, que se propaga através (ou na forma) de ondas, exige suporte material para deslocar-se

      Tem uma estrela a 8 minutos-luz daqui que insiste em discordar de você, sr. MT. Fica sem protetor solar nenhum na praia por umas horas que ela vai provar isso na sua pele.

      • MacTantan

        Ok, perfeito!
        Vou tentar novamente. :))

        Gosto de pensar que as diversas regiões apontadas na literatura científica como componentes do Sol (Núcleo, Zonas de Radiação e Convecção, Fotosfera, Cromosfera, Coroa solar etc) são arbitrárias, úteis para facilitar os estudos do nosso astro-rei, mas não podem mascarar o fato de serem uma única entidade.

        Assim, mais do que se banhar em radiação eletromagnética, a Terra se encontra imersa no próprio Sol!
        Agora, talvez, seja mais fácil entender meu comentário. A energia da atividade solar percorre um longo caminho através da massa da estrela (mais ou menos como a Armação – cradle – de Newton) até iniciar uma atividade cancerosa na minha pele desprotegida …

        Digira essa maluquice toda e, se for o caso, continuamos.

        • 👽 Gliesiano

          Assim, mais do que se banhar em radiação eletromagnética, a Terra se encontra imersa no próprio Sol!

          https://media.giphy.com/media/jUwpNzg9IcyrK/giphy.gif

        • Jean

          Peraí, você está dizendo que devemos incluir a heliosfera como parte do Sol? Tipo, o diâmetro do sol vai até os confins do Sistema Solar?

          É…é um ponto de vista que eu nunca li.

          • Daniel

            somos dois, mas faz algum sentido. Se você observar os desenhos…

          • Para que ser modesto? Vamos considerar o sol até o limite de sua influência, a heliopausa.

            O calor que está fazendo, ajuda a colaborar com a tese.

          • Jean

            Estou esperando o cara para explicar, mas acho que vocês assustaram ele rs

          • MacTantan

            Sim, Sr. J.
            Do meu (tortuoso) ponto de vista, o “diâmetro” do Sol ultrapassa a Nuvem de Oort …
            Sério: qq estrela é tão grande quanto sua “influência” sobre o espaço-tempo.

          • Jean

            Acredito que você está equivocado, pois se for assim: A lua está na Terra, o Sol ( por consequência, nós ) estamos inseridos no Buraco Negro no centro da Galáxia, junto com as galáxias satélites. Não faz sentido.

          • MacTantan

            Ok.
            De todo modo, grato pela discussão civilizada.

        • Parece verídico!

        • Luiz

          Legal, temos anti-vaxxers, e agora anti-vacuoxers

        • Wangles MReis

          Por favor onde posso encontrar mais material sobre o que está dizendo?

          • MacTantan

            Errr … Espalhado por todo e qq texto sobre física (desde, é claro, que o texto obedeça o método científico).
            Tudo que faço, Sr. WMR, é ler e ouvir com olhos e ouvidos críticos. Com muuuuita calma e humildade. Leio, releio, treleio …
            Tudo q posso indicar a você é: jamais amarre ou comprometa sua independência intelectual a qq “corrente” científica.

    • Fabiano Figueiredo Acosta

      Tá, mas até onde sei, estamos imersos em gravidade, é muito complicado achar um lugar no universo em que a gravidade seja zero, estamos orbitando a Via Láctea, cujo centro é bem longe. Acredito que essa observações de ondas gravitacionais seja a interação das gravidades presentes no Universo. Ou tua acha que na ISS não há gravidade?

      • MacTantan

        A equipe do LIGO, Sr. FFA, divulgou que as ondas gravitacionais observadas se originaram da fusão de dois buracos negros (embora não saibam sua exata localização, pois o equipamento não é capaz disto).
        As órbitas da ISS obedecem as Leis newtonianas da Gravitação.
        A ação gravitacional não é uniforme, ao longo do espaço-tempo. Analise a figura abaixo:

    • Marcos Vieira

      MacTantan, compreendo os seus questionamentos, entendo que não há matéria ou “energia” se deslocando, até há, mas isso são ondas eletromagnéticas. As potentes emissões de energia, são responsáveis por dar inicio a propagação (das ondas gravitacionais que foram detectadas), que na verdade é a própria estrutura espaço tempo contraindo e alongando em todas as direções a partir do centro do evento, essa estrutura é o meio de propagação, a ideia dessa estrutura foi utilizada por Einstein como parte do entendimento da sua teoria, e a evidencia de sua existência detectada através da curvatura sofrida pelos raios de luz que passam perto de uma estrela, como o sol, o que pode ser observado em um eclipse. Observe que não é a gravidade da estrela que curva o raio diretamente e sim a deformação que essa causa na estrutura, melhor não é a massa da estrela, já que a deformação é a própria gravidade.

      • MacTantan

        Grato, Sr. MV, por seu comentário. Ele aborda grande quantidade de questões, mas tentarei não me alongar demais.

        A mim incomoda o oba-oba de setores da comunidade científica internacional em torno do caso. Há grande quantidade de dúvidas sem respostas adequadas (submetidas ao Método Científico).

        A teoria prevê que as ondas gravitacionais são geradas por um objeto em movimento acelerado e isto requer um fluxo crescente de energia (quando a aceleração cessa, cessam as ondas gravitacionais). É esta a razão dada pelos pesquisadores do LIGO para o sumiço dos sinais antes detectados pois, vez que a dupla de buracos negros se fundiram, o buracão remanescente não mais apresenta movimento acelerado).

        Como você disse, a teoria diz que a energia dos corpos iniciam a propagação das ondas gravitacionais e isto exigiu postular-se a existência de (mais) uma partícula (gráviton, ainda não encontrado), responsável por transmitir (mediar) o “poder” da energia para ao espaço-tempo, ondulando-o. Problema: tal partícula tem massa? Se tiver, não pode pode ser mediadora, pois seria mais um outro objeto massivo, exigindo outro mediador! Se não tiver massa, seria como o neutrino, uma partícula autista que, como a nossa Presidanta, não interage com com quase nada …

        À propósito, este é o mesmo dilema que ronda o fóton, outra partícula prevista para ser mediadora da energia eletromagnética. Se não possuir massa, como explicar a influência gravitacional que a luz sofre sob os efeitos da gravidade?

        Há, também, o fato de que o LIGO não tem capacidade de apontar a origem dos sinais detectados. Os pesquisadores responsáveis argumentam que os sinais detectados são “compatíveis” com aqueles que se espera serem emitidos por objetos em forma de “halteres”, como uma dupla de buracos negros orbitando em torno de um centro comum.

        Então tá então …

        Tá longo demais, este comentário. Paro aqui. Mas, se tiver qualquer outra questão que quiser compartilhar, responderei com prazer.

  • Douglas Santos

    Cardoso, é difícil botar a culpa nos jornaleiros quando a Intro do paper começa com:
    “In 1916, the year after the final formulation of the field equations of general relativity, Albert Einstein predicted the existence of gravitational waves”

    • Então podemos tirar a culpa de quem fala qu Evolução é apenas uma Teoria, já que é chamada assim. “prever” em ciência é diferente do que faz a Mãe Dinah.

      • Douglas Santos

        Eu não vi ninguém falando que ele previu com uma bola de cristal, tarô ou qualquer merda assim. Se tem idiota que entendeu assim (assim como o termo “Teoria”) aí é outra história. Não tô defendendo os jornaleiros, pq fazem merda mesmo (como o tweet da Época, que anunciou a descoberta de buracos negros… vi no seu twitter mesmo).
        Ninguém parou de falar em “Teoria” pq idiotas entendem errado né, então acho que não precisamos nos preocupar em usar a palavra “previsão” ou não.
        De qualquer forma, texto ótimo e esclarecedor.

        • Luiz

          Saber o significado de teoria em ciencia é quase entrar para uma sociedade secreta, é perfeito para separar os ignorantes. É como aqueles toque de mão especiais que usam.

      • Edgard Diniz

        “Prever” é um termo perfeitamente adequado na linguagem científica. Se o cara deduz a existência de algo que ainda não foi observado, e que depois é visto de fato, então ele previu. Simples assim.

    • Edgard Diniz

      Também não consegui ver problema com o termo “prever”. Quando alguém deduz algo de alguma teoria que ainda não foi confirmado experimentalmente, usa-se o termo “prever” mesmo. É a linguagem usual do meio.

  • Sou apenas um curioso e não tenho nada a acrescentar ao texto. Só quero deixar um agradecimento ao autor pelo texto incrível e divertido. Aprendi muita coisa em pouco tempo.

    • Felipe Borges

      Li no giz
      No G1
      No Tecmundo
      No canaltec
      Vi no YouTube
      No Facebook
      Li no whatsapp
      No Twitter

      Mas só consegui entender mesmo quando o professor Cardoso nos agraciou com esse belo e divertido texto.
      Estava esperando tanto por isso que não consegui nem deixar para comentar pela manhã (são 02h32 único horário que consegui pegar no celular hoje).
      Valeu a espera.
      Obrigado mais uma vez Cardoso.

      • hey you

        Sempre que acontecem esses anúncios eu fico aguardando o texto dele. Você podia escrever um livro de divulgação científica Cardoso.

      • Sander Manzoli

        Muito bom o texto, mas muito bom MESMO, como sempre!

        É que eu sou meio cético ainda… a deformação é tão pentelhesimal, que não há razão técnica para afirmar que o único trigger dessa deformação foram as ondas gravitacionais.

        A Terra é viva. O núcleo é líquido, em enorme pressão, placas continentais se movem até que bem rápido… uma “respiradinha” da Terra já faria detectar algo assim, mesmo que a apenas 4km… uma deformação causada pela própria geologia da Terra… creio que o experimento detectou sim a variação, mas a afirmação da causa disso é pouco científica pro meu gosto… detectaram um efeito e rebitaram uma causa como única… ciência não é assim, ou não deveria ser… não estão mais uma vez apenas justificando o gasto imenso de grana investida nisso e pessoas precisavam manter o emprego ou buscar “fama”? Daqui um tempo a comunidade científica vai voltar e dar uma desculpa, como já fizeram dezenas de vezes em ocasiões semelhantes.

        • Robert Melo

          Mas pelo que pude ler, foram levadas em conta tantas dessas condições que poderiam desencadear falsos positivos a fim de anulá-las. E trabalharam muito para certificar que essa detecção não era um falso positivo (inclusive já ocorreu um falso-positivo proposital a fim de garantir que a equipe estava ligada). Além disso, a magnitude do evento dessa ocasião deve ser mais que suficiente para se distinguir de qualquer outro evento terreno, além da capacidade que os cientistas teriam para prever esse resultado a partir do acompanhamento do evento que o desencadeou.

          • Sander Manzoli

            Perfeito… por isso gosto desse blog, não só pelos textos, mas pelas respostas como a sua.
            O ponto é que toda essa certeza vem de quem fez e alega ter feito… não há garantia que TODAS as condições foram efetivamente levadas em consideração nem que é impossível ser um falso-positivo. pode ser um simples efeito não compreendido por eles ainda. Não se pode por exemplo afirmar que se trata de uma nave alienígena um UFO avistado em que se falhou identificar o que é realmente.

    • Esqueçam o Lula. Carlos Cardoso é que é O Cara!
      Acrecento meus parabéns. Fazer divulgação científica já é louvável. Fazer de modo divertido e que prende a atenção desse jeito, é coisas de maestro!

  • Atrollando Natuacara

    BREACK NEWS by salsinhas G1:

    O cachorro do Einstein foi flagrado cavando um buraco de minhoca e volta no tempo e consegue morder o próprio rabo e impede que ele cave um buraco de minhoca para voltar no tempo…

  • Vinicius Zucareli

    Somente uma pequena correção num texto de outra forma fantástico:
    “Por uma fração de segundo, 50× mais energia que a emitida por todas as estrelas do Universo”
    Aí trata-se do Universo Observável, segundo o próprio site do LIGO e da NASA (onde eu tinha lido primeiro as matérias).

  • ricbit

    Não é 50x mais energia que todas as estrelas do universo, é 50x mais potência! O número só é grande porque aconteceu muito rápido, e potência = energia / tempo. No original é “The total power output…”, power=potência.

  • Unfear

    Se conseguiram fazer isso com um par de espelhos, imagine o que um datilografo não é capaz, quem sabe se a gente juntar todo alumínio acumulado no carnaval, não rola um carro alegórico até Marte.

  • PugOfWar

    Não sei se é só impressão minha, mas na simulação mostrada existe uma curvatura positiva do espaço, é isso mesmo Arnaldo?

    • Creio, da mesma forma que ao cair uma pedra no plano de um lago, no primeiro momento a água curva-se para baixo e depois para cima ao tentar “compensar” a força da pedra atirada.

  • Rijanio

    Cardoso, só não entendi uma coisa, se você diz que as ondas gravitacionais são o cocô, e diz que Einstein “deduziu que na casa deveria haver coleiras, ração, brinquedos, e cocô no quintal.”. Então Einstein previu as ondas gravitacionais! Ou não?!

    • Luiz

      O que o colega abaixo disse responde tua pergunta, ” “Prever” é um termo perfeitamente adequado na linguagem científica. Se o
      cara deduz a existência de algo que ainda não foi observado, e que
      depois é visto de fato, então ele previu. Simples assim. “

  • Samuel

    Não sei como ainda não vi ninguém falar nisso, mas há alguns anos foi demonstrado que a energia liberada pela explosão de um mísero helicóptero já é suficiente para gerar uma onda na Matrix.

  • Filósofo Antonio Jaques

    Há um erro grosseiro na teoria da gravitação: por que um corpo com massa deformaria o espaço em um único plano? uma bola de boliche afunda se posta sobre uma cama, porque ela é “puxada” para baixo, mas no espaço não há para baixo

    • Fabiano Figueiredo Acosta

      O Cardoso explicou que, para melhor entendimento, abriria mão de uma das dimensões…

  • Daniel Porto

    Parabéns aos cientistas brasileiros e de institutos brasileiros envolvidos na descoberta!!!!
    Odílio de Aguiar, pesquisador do Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais
    S. Mirshekari e R. Strain, Instituto de Física Teórica, University Estadual Paulista/ICTP South American Institute for Fundamental Research

  • PP CarvalhoF

    “Tudo é Força mas só a Termodinâmica é Poder! ”

    Porra Cardoso! Essa frase vai ficar gravada na memória!

    Só queria agradecer esse(s) texto(s) maravilhoso(s). É maravilhoso poder ler coisas importantes e com um conteúdo realmente relevante (saudades do finado Fórum PCs!) e com esse seu toque de humor é divino!

    Simplesmente OBRIGADO!

  • Othermind

    Para quem não conhece o blog “Mensageiro Sideral” é bem bacana pra quem curte assunto como este do post…

  • la_gomes

    Que venha a velocidade de dobra!

  • Ótimo texto! Todos os outros textos mais atrapalham o entendimento dessa constatação científica do que explicam

  • Leda Ferreira

    Há muitos anos atrás, quando era adolescente, assisti a um documentário no Discovery Channel (na época em que ainda havia documentários sobre o espaço) detalhando esse experimento. Nesses anos às vezes eu me perguntava por que ainda não havia notícias sobre ondas gravitacionais detectadas. Finalmente ^_^

  • Meninão Bobo

    Ótimo texto, ótimos exemplos e muito obrigado!!! Entendi quase tudo, só não entendi a ultima imagem, o Einstein surfava?

  • Sander Manzoli

    Muito bom o texto, como sempre!

    Eu sou meio cético ainda… a deformação é tão pentelhesimal, que não há razão técnica para afirmar que o único trigger dessa deformação foram as ondas gravitacionais.
    A Terra é viva. O núcleo é líquido, em enorme pressão, placas continentais se movem até que bem rápido… uma “respiradinha” da Terra já faria detectar algo assim, mesmo que a apenas 4km… uma deformação causada pela própria geologia da Terra… creio que o experimento detectou sim a variação, mas a afirmação da causa disso é pouco científica pro meu gosto… detectaram um efeito e rebitaram uma causa como única… ciência não é assim, ou não deveria ser… não estão mais uma vez apenas justificando o gasto imenso de grana investida nisso e pessoas precisavam manter o emprego ou buscar “fama”? Daqui um tempo a comunidade científica vai voltar e dar uma desculpa, como já fizeram dezenas de vezes em ocasiões semelhantes.

  • Carlos Godrix

    Sem pânico galera, essas ondas gravitacionais vão chegar no brasil como marolinhas gravitacionais.
    – Lula, Inácio

  • OverlordBR

    Ótimo texto! Parabéns, Cardoso.

  • HiagoHenrique

    Agora eu to curioso pra saber o que o BILU e cia ltda pensa disso.. IHiauhAUDA

  • A que velocidade essas ondas viajam?

  • AJVERDE

    Realmente muito divertida a explicação, além da didática para entendimento de algo tão complexo. Só faltou dizer que, apesar de comprovada, nunca virá a ser lei pelo fato de ser incompleta e estarmos buscando uma teoria única que unifique a Relatividade e a Mecânica Quântica, no caso, a Teoria Quântica da Gravidade.

  • Alex Soares

    Excelente matéria Cardoso.
    Os mistérios do Universo, os enigmas da Física e Astronomia e as possibilidades das teorias me fascinam, sua matéria para explicação de algo tão complexo de forma tão simples deveria ser utilizada como modelo por editores em outras mídias, afinal leva ao pé da letra o que Einstein já dizia “Faça as coisas o mais simples possível…”

    Parabéns !

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Locaweb, Cupom de desconto HP, Cupom de desconto Descomplica, Cupom de desconto Nuuvem, Cupom de desconto CVC, Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto World Tennis