Digital Drops Blog de Brinquedo

Japão cria outro carro robô futurista que ninguém vai usar

Por em 14 de março de 2013
emHardware relacionados       
Mais textos de:

Site | Twitter
  • Well Dias

    “e se segura apavorado, igual ao sujeito no vídeo”. Hahahaha… era exatamente isso que eu estava pensando quando vi o vídeo (sim, vi o vídeo antes de ler o texto). Parece que o cidadão está em pânico lá dentro.

  • OverlordBR

    Não é à toa que o carrinho se parece com a cadeira do Pike, Cardoso.
    Ele foi desenvolvido exatamente para isto: cadeirantes. E também para idosos.
    Foi projetado para andar nas calçadas e até com um dos pares de rodas sobre elas.

    E até para entrar em elevadores. Bem legal.

    Agora, sabe quando uma tecnologia de acessibilidade destas chegará ao nosso maravilhoso país? ;)
    Aqui, os babuínos não conseguem fazer nem uma simples rampinha em cada esquina!

    • http://contraditorium.com Carlos Cardoso

      e onde o cadeirante guarda a cadeira?

      • OverlordBR

        O cadeirante deixa a cadeira de lado. ;)

        O veículo é projetado para entrar até dentro de edifícios, Cardoso.

        Tem 70 cm de largura. Exatamente a largura de 99,9% das cadeiras de rodas comuns. ;)
        Os múltiplos sensores dele permitem que ele entre em elevadores, tem suspensão ativa, absorção de impacto… enfim, o negócio é show.

        É difícil de enxergar a utilidade porque aqui no Brasil, nada é projetado para pessoas com deficiências. Como falei ali em cima: nem uma simples rampinha de cimento com uma demão de tinta amarela conseguem fazer nas esquinas.

        Mas imagina um país onde acessibilidade é tanta que tu podes entrar com um veículo destes dentro de um edifício.

        Tem uma foto legal dele com um dos pares de roda sobre a calçada:
        http://cdn2.ubergizmo.com/wp-content/uploads/2013/03/ropits2.jpg

        • GalegO86

          Legal :) Mas só se essa calçada for padrão japonês, pois aqui deve ser o dobro da altura e nos EUA também…

          • Eduardo Tenório

            Mas claro que tem que ser padrão japones. Japão é o país do futuro e eles esperam que os demais tenham o mesmo bom senso (quando se trata de tecnologia) apresentado por seus cidadaos.

            O problema eh q nos, subdesenvolvidos, n temos esse bom senso.

  • http://www.facebook.com/people/Wagner-Felix/661933705 Wagner Felix

    Tem um “cow bell” na frente do “carro”?

  • Furanus Alheius

    Medo, é preferivel os trambolhos acima dos carros autônomos tipo o da google que esse troço com bingulin balançando na frente …

    parece até que vai estender tentáculos quando estacionar atrás de outro desse de cores questionaveis…

  • carlitus

    “Pino de segurança”. Lembrei do revolucionário veículo criado pelo Mr. Garrison: http://www.southparkstudios.com/clips/153051/flexi-grips

  • Hollander

    Pela altura x largura, corre o risco do paraplégico cair com o robô e ficar tetraplégico.

  • http://www.facebook.com/people/Aleandre-Da-Silva-Costa/100000014529639 Aleandre Da Silva Costa

    Não acho totalmente inutil, se você fizer as adaptações corretas, mudar um pouco o designer, vai ser um excelente cadeira de rodas high tech. Mas quanto a carros ecologicamente corretos eu acho que no brasil já deveriam ser fabricados carros de dois lugares pois usar a metade do espaço pra estacionar e consumir menos combustivel, mas com designe bonito por favor. A maioria dos carros que vejo so transportam uma pessoa mesmo, e no dia que for sair com a namorada não tem como dar carona pro cunhado folgado. Mas infelizmente ter um carro de 2 lugares significa que você vai ter um carro pra trabalhar e outro pra passear e carregar a familia.

  • Tejobr

    Não é um AAT, Assistente de Aus… quer dizer Aspirador Autônomo Tripulado?

  • Tejobr

    Não é um AAT, Assistente de Aus… quer dizer Aspirador Autônomo Tripulado?

  • http://nada-aqui.posterous.com Marcio Neves Machado

    6km/h???? DAFUQ?? Prefiro ir andando. Levo o mesmo tempo e ainda faço um exercício :D

  • riviery

    Eu confesso que ri na parte do “pino de segurança” jogada disfarçadamente no meio do texto.