Digital Drops Blog de Brinquedo

E a briga entre o Netflix e a Verizon parece estar longe do fim…

Por em 5 de junho de 2014

Netflix_PointtheFinger670

Você deve ter ouvido falar que o Netflix resolveu escancarar que os problemas de lentidão do buffer não é culpa sua, e sim problemas relacionados aos provedores de internet.

Na pegada “Um, dois, três, comigo não morreu”, a empresa passou a exibir mensagens como “A rede da Verizon está lotada no momento. Ajustando o vídeo para uma reprodução mais suave“.

E, por mais que seja divertido receber cartas numa era onde tudo é feito por email, essa experiência não é lá muito bacana quando o conteúdo dessa carta é um chamado “cease and desist” ou em uma tradução livre, algo como “pare agora e que isso não se repita!”.

continue lendo

emÁudio Vídeo Fotografia Comunicação Digital Wireless e Redes

GVT finalmente começa a operar no mercado residencial da cidade de São Paulo

Por em 30 de agosto de 2013

gvt-sao-paulo

A GVT anunciou hoje que, após anos de atrasos, a operadora finalmente começou a operar no mercado residencial da cidade de São Paulo e oferecerá seus serviços de internet banda larga, TV por assinatura e telefonia fixa. Presente na metrópole desde o longínquo ano de 2004, até o momento ela apenas atendia empresas, e todo esse atraso de deve a desentendimentos com a Prefeitura de São Paulo.

continue lendo

emCelular Internet Mercado Planeta Sem Fio

Anatel acaba com contratação obrigatória de provedor de acesso para banda larga

Por em 24 de maio de 2013

FREEEEEDOOOOOOOOM!!!

Boas notícias pessoal: a Anatel aprovou ontem, dia 23, modificações nas regras do fornecimento do serviço de banda larga, visando aumentar a concorrência e forçar uma redução nos preços dos planos, o que em última análise poderia beneficiar os consumidores.

Uma das modificações é esperada há muito tempo: finalmente a obrigatoriedade de contratação de um provedor de acesso para serviços de banda larga fixa foi eliminada. A partir de agora cabe às próprias operadoras fornecerem gratuitamente o serviço de acesso a seus serviços de internet. As únicas exceções são empresas pequenas que contam com menos de 50 mil clientes (já que a alteração poderia ser fatal a seus negócios) e usuários de internet discada, que ainda respondem por cerca de 10% dos usuários do país.

Como esperado, a chiadeira dos provedores foi instantânea. Em nota a Abranet (Associação Brasileira dos Provedores de Acesso, Serviços e Informações da Rede Internet) diz que a decisão institucionaliza o monopólio das operadoras. “Com todos os serviços nas mãos das empresas de telecomunicações e sem obrigação de isonomia e transparência, acaba a competição e os preços ficam a mercê dos monopolistas.”

Ele até pode estar certo em reclamar, mas sinceramente é um custo a menos com o qual lidar (eu no caso estou fora da estatística pois uso o BOL, que é gratuito). Uma mensalidade de 20 reais pode parecer pouco, mas no fim do ano esse valor paga seis pizzas. A opção que grandes provedores como Terra e UOL podem tomar agora é especializar seus conteúdos, de modo a trair os clientes em busca de serviços diferenciados. Mas como quem sabe usar a internet encontra tudo o que precisa, essa estratégia pode funcionar para clientes que gostam de ter tudo na mão.

No fim, ponto para a Anatel.

Fonte: Folha.

emComunicação Digital Internet Wireless e Redes

Vamos processar a Anatel?

Por em 21 de janeiro de 2013

A ANATEL é o órgão que regulamenta e fiscaliza (ou deveria) as telecomunicações no Brasil, mas na prática não é assim que a coisa funciona. Se ela fizesse seu papel com competência, não teríamos conexões de banda larga sofríveis, 3G abaixo da crítica e celulares com tarifas absurdas para uma péssima qualidade de serviço. Isso não é exclusividade da ANATEL, mas vamos nos concentrar nela.

A Lei Geral de Telecomunicações diz, em seu Artigo 2o, Inciso I o seguinte:

continue lendo

emArtigo Celular Internet Meio Bit

StreamBoost tentará facilitar o gerenciamento da banda larga

Por em 9 de janeiro de 2013

dori_stre_09.01.13

Com a popularização da banda larga, dos consoles da atual geração e dos tablets e smartphones, tem crescido muito a quantidade de aparelhos que compartilham nossas conexões e não há nada pior do que enfrentar um terrível lag enquanto jogamos só porque o seu irmão está baixando algum torrent ou assistindo algum vídeo educativo.

Pois é para tentar resolver esse problema que a Qualcomm anunciou o StreamBoost, uma tecnologia cujo objetivo é facilitar o gerenciamento de nossas conexões, permitindo que dispositivo consumam apenas a quantidade de banda necessária.

O novo sistema contará com uma página de configuração onde teremos a possibilidade de definir como cada aparelho deverá se comportar e nos mostrando em tempo real a utilização da nossa conexão. Além disso, haverá ainda um serviço hospedado na nuvem que continuamente melhorará a funcionamento do roteador.

No caso de casas conectadas a largura de banda sempre foi limitada, mas o gerenciamento inteligente de rede ajuda a resolver isso,” explicou Dan Rabinovitsj, vice-presidente sênior da Qualcomm. “Nós criamos o Qualcomm StreamBoost  para reconhecer e otimizar a distribuição de tráfego de rede, oferecendo aos usuários a melhor performance de internet possível em todos os dispositivos que estejam conectados a ela.

A expectativa é de que as primeiras empresas a disponibilizar roteadores com tal tecnologia sejam a D-Link e a Alienware, mas nenhuma informação sobre preço ou data de lançamento foi revelada.

PS: Aproveitando a oportunidade, alguém conhece algum programa que ofereça algo minimamente parecido com o Streamboost, me permitindo definir quanto cada máquina poderá utilizar da minha banda larga e que mostre quanto elas consumindo no momento?

[via Press Release]

emInternet Miscelâneas Miscelâneas

Eu só queria TV a Cabo em casa.

Por em 20 de dezembro de 2012

Antes de começar, uma pergunta: você, atualmente, encontra-se satisfeito com seus planos de telefonia (fixo e celular), banda larga, 3G e TV a Cabo? Por satisfeito, entenda-se: contente com o serviço prestado, pagando um preço justo por um produto de qualidade. É pouco provável que alguém esteja 100% satisfeito, independente de quem seja a operadora. A qualidade dos serviços dos prestadores varia absurdamente de região pra região. O 3G da operadora X funciona muito bem no Nordeste, mas quem mora no Sudeste não quer nem ouvir falar no nome da empresa.

No Brasil, as empresas falham miseravelmente na prestação dos serviços. Somos inundados com telefonemas, SMS, emails e todo tipo de propaganda invasiva oferecendo maravilhosos serviços e planos. Atletas famosos, modelos, celebridades, todos sorriem e recomendam que você faça parte dos clientes satisfeitos dessas empresas. O duro é achar o cliente satisfeito. Já começa na pré-venda.

continue lendo

emArtigo Miscelâneas

Velocidade média da Banda Larga no Brasil é de 2,1Mb

Por em 12 de novembro de 2012

Em que pese o claro desenvolvimento dos acessos de banda larga fixa no Brasil, tanto na questão da quantidade de residências quanto na velocidade do acesso em si, ainda estamos no paleolítico digital. Isso é, segundo o Akamai. O relatório do estado da internet no segundo quarto de 2012 mostrou que a velocidade média das conexões feitas no Brasil é de 2.1Mbps. Os picos de conexão no Brasil chegam a uma média de 14,9Mbps. Parece muito? Vamos comparar um pouco com o pico médio de outros países:

  • Chile: 19,5Mbps
  • Equador: 15,2Mbps
  • EUA: 27,1Mbps
  • Canadá: 25,2Mbps
  • Japão: 40,5Mbps
  • Romênia: 38,6Mbps

Numa escala mundial, ficamos à frente dos países africanos (uau!) e zonas de guerra como Oriente Médio. Na América do Sul ficamos atrás de Equador e Chile. Nós estamos abaixo da média mundial, onde a velocidade de pico de conexão é de 16,1Mbps. Não é surpresa nenhuma para mim. Quando partimos pra velocidade média das conexões, temos nossos fantásticos 2,1Mb. Isso é 5x menos que o Japão e 7x menos que a Coréia do Sul. Outro dado interessante: o pico médio de conexão na Coréia do Sul em 2007 era de 25Mbps. O Brasil, cinco anos depois não bateu nos 15. Como disse Rob Gordon, “isso é normal. Se o governo consegue chamar de Classe Média quem ganha R$300,00 por mês, consegue chamar 300Kbps de banda larga”. Faz sentido.

O Brasil tem seríssimos problemas de infraestrutura, o mais recente apagão mostrou isso. Nossas distâncias enormes também são um fator dificultador. Mas como disse Spock certa vez, “Ema, ema, ema, cada um com seus pobrema”. Outro dado importante é que apenas 0,5% dos acessos feitos no Brasil medidos pelo Akamai são maiores que 10Mbps. O cenário não é muito animador no momento. Até mesmo em São Paulo, maior cidade do país o problema é grave. Perdi a conta do número de amigos que moram lá e sofrem com a banda larga local. Muitos não conseguem acessos maiores que 2Mbps, outros penam com as quedas e falhas no serviço.

Que tal fazermos uma média no Meio Bit? Poste nos comentários qual é a velocidade (contratada) da sua banda larga.

Mais informações aqui.

PS: A Coréia do Sul não tem a banda larga mais rápida do mundo. Esse título na última medição ficou com Hong Kong. Chong Li curtiu isso.

emArtigo Internet