Games
Games
Digital Drops Blog de Brinquedo

Game Boy completa 25 anos hoje e nada mudou: a Nintendo continua líder nos consoles portáteis

Por em 21 de abril de 2014
Laguna_Game_Boy_Tetris

Tetris não foi o 1º jogo no Japão, mas vendeu muito Game Boy (crédito: Engadget)

Dia 28 de abril, próximo domingo, comemoramos os 34 anos da linha Game & Watch mas até 2004, com a chegada do DS, nenhum outro console portátil da Nintendo conseguiu superar o sucesso que foi a linha Game Boy. Há exatos 25 anos, em 21 de abril de 1989, começaria o reinado da Nintendo no setor de consoles portáteis dedicados a jogos: era lançado o Game Boy original no Japão.

Mesmo hoje, com a disseminação de jogos em smartphones e tablets, a japonesa ainda não enfrentou outro forte concorrente no ramo, que hoje está mais para nicho: o Nintendo 3DS, bisneto do Game Boy, lidera as vendas com bastante folga sobre seu concorrente. Se é que podemos chamar o excelente PlayStation Vita de concorrente. Até o PlayStation Portable, pai do PSVita, cujo hardware era uma aberração beneficiada pela pirataria, não vendeu o suficiente para bater o neto do Game Boy (Nintendo DS).

A japonesa conquistou todo um mercado, todo um nicho e permanece líder há 25 anos, mas o começo do reinado Nintendo não foi nada fácil: em 1989, a franquia Game & Watch estava morrendo. Por que comprar um sistema todo para jogar somente um jogo?

O saudoso Gunpei Yokoi, então chefe da divisão de pesquisa e desenvolvimento de hardware Nintendo, começou a pensar num sistema portátil cujos jogos eram vendidos em pequenos cartuchos removíveis.
continue lendo

emArtigo Destaques Jogos Museu Nintendo

OPINIÃO: ao contrário do Master Chief, não boto fé na Cortana

Por em 3 de abril de 2014

Não me entendam mal. Eu adorei tudo que vi sobre a Cortana, desde a concepção, usar o nome de uma Inteligência Artificial conhecida do público geek foi de uma visão ímpar, diametralmente oposta à IBM, que obrigou Clarke e Kubrick a removerem qualquer referência à empresa em 2001 — Uma Odisséia no Espaço, pois o computador era “o vilão”. Por estupidez marketeira deixaram de associar HAL-9000 à IBM.

Se a Cortana cumprir 15% do que promete já dará voltas em torno do Google e da Apple. O assistente de voz do Windows Phone hoje é a irmã menor da Siri. Especial mas muito amada, que só precisa de oportunidade pra mostrar que tem um coração enorme. Com a Cortana virará A Madame Curie. 
continue lendo

emArtigo Destaques Microsoft Software

Infelizmente não estamos prontos para uma inteligência artificial realmente esperta num game

Por em 14 de março de 2014

the-last-of-us

Há pouco mais de cinco anos atrás o Dori publicou um artigo onde ele discutia um dos comportamentos mais chatos de uma inteligência artificial: a tendência suicida dos inimigos. Diferentemente de uma situação real, onde pessoas procuram se proteger de um adversário e planejam táticas de ataque, a maioria das IAs segue o pensamento de colmeia: os inimigos se lançam sem nenhum planejamento como loucos em cima do jogador, que só tem o trabalho de mirar, atirar e eliminar os inimigos.

A partir daí passa a ser um exercício de força: muitos suicidas atacando em massa para te matar, tentando vencê-lo pelo cansaço ou forçando o esgotamento de recursos. Apesar de The Last of Us ter sido elogiadíssimo, oferecendo situações interessantes como negociações com os inimigos ao fazer um deles refém, entre outras, haviam trechos em que esse design de IA ficou evidente (o momento em que você está fugindo do subsolo e um horda tenta impedí-lo de sair pela porta a tempo).

Enquanto jogadores calejados, nós sempre quisemos que a inteligência artificial evoluísse a ponto de pensar como nós – tomar decisões rápidas, traçar táticas para nos surpreender, nos forçando a sair de uma zona de conforto e a usar o cérebro, a ser mais esperto que a máquina. O grande, ENORME problema é que a maioria dos jogadores não aceita ser superado pela CPU, e quando isso acontece ele reclama que o jogo está “quebrado”.

continue lendo

emArtigo Cultura Gamer Destaques Games Indústria Miscelâneas

Sobre o fim do GdH: que Deus guie bem teu caminho, Morimoto-sensei!

Por em 2 de março de 2014
Laguna_Equipe2005_ForumPCs

Equipe do FórumPCs em 2005 (Crédito: Flávio Xandó)

Há um ano e três meses, morria o FórumPCs: ele foi o primeiro sítio eletrônico focado em tecnologia que o tio Laguna acompanhou, foi lá que conheci o Digital Drops e, por causa deste, o MeioBit. Foi no FórumPCs que conheci os textos de muita gente interessante como o meu conterrâneo Luis Sucupira, o mestre Benito Piropo, o Alexandre Ziebert, a Elis Monteiro, o Flávio Xandó, o Julio Preuss, entre outras pessoas que escreviam (enormes!) textos excelentes sobre hardware de computadores e outros assuntos relacionados que interessavam muito a nós, uma espécie em extinção: o micreiro.

Dez ou mais anos atrás, nós entusiastas de hardware fazíamos questão de montar nossos próprios computadores pessoais desktop e, para isso, era mais interessante que necessário termos noções de eletrônica embora a tecnologia já fosse integrada o bastante para que, em qualquer problema que surgisse, fosse considerada apenas a troca da peça defeituosa, como uma placa-mãe, por exemplo. Portais como o FórumPCs nos mantinham a par do que havia de mais moderno nesse nicho. Um nicho que contava com boa concorrência. Um desses concorrentes teve anteontem o mesmo fim do FórumPCs. Estou a falar do Guia do Hardware, fundado pelo Carlos Eduardo Morimoto.

Houve uma época em que o tio Laguna era bastante curioso sobre o mundo GNU/Linux, uma época em que eu admirava aqueles que eram capazes de “compilarem seus próprios sistemas do zero”. Morimoto-sensei era um desses desbravadores. Com a ajuda de colaboradores bem competentes, Morimoto desenvolveu a mais famosa e, talvez, a melhor distribuição Linux brasileira, o Kurumin. Numa época em que eu tinha BASTANTE tempo livre, investi meu tempo e paciência para tentar me livrar das “garras mercenárias da Microsoft” e o Kurumin foi minha porta de entrada para aquele mundo livre e cheio de unicórnios do Debian, onde eu pagaria um preço justo pelo software. Se fosse de graça, melhor ainda, mas paguei pelos CDs do Kurumin à época.
continue lendo

emArtigo Blog Destaques Hardware Linux Mercado Open-Source Opinião Web 2.0

Americanos desenvolvem viagem no tempo e bombardeiam Afeganistão no passado

Por em 30 de janeiro de 2014

StarTrek4

Existe uma ilusão, que persiste mesmo em tempos de internet e Photoshop, de que imagens são confiáveis, são provas aceitáveis e inquestionáveis, e que realmente valem por mil palavras. Só se for um trecho da biografia da Ex-Vice Miss Bumbum. Na realidade imagens são perfeitamente manipuláveis, e não é de hoje.

Uns 10 minutos depois de a fotografia ter sido inventada, Daguerre pensou “humm vou photoshopar umas gostosas do meu lado nesse selfie e mandar pros brothers”. Uma foto famosa de Abraham Lincoln usou o corpo de outro sujeito. Na 1ª Guerra Mundial fotos compostas de elementos de diversas outras imagens para dar um tom épico e dramático eram publicadas como factuais. O Camarada Stalin por sua vez popularizou o ato de remover desafetos de fotos (e da existência, mas das fotos era mais complicado).
continue lendo

emArtigo Manipulação digital Mundo Estranho

Unity Engine agora suporta totalmente o PS Vita

Por em 24 de janeiro de 2014

escape-plan

O que faz uma boa engine? A qualidade se seus gráficos ou a possibilidade de facilitar o trabalho do programador, desenvolvendo uma só vez e permitindo portar para várias plataformas? Este é o assunto da vez do #SciCast, e sim, games também podem ser ciência.

Geralmente o ideal para uma boa engine é uma combinação de portabilidade e beleza técnica, e apesar de muita gente torcer o nariz para a Unity Engine por ela não ser capaz de entregar gráficos ultrarrealistas, ela é fácil de ser utilizada e é extremamente acessível, ainda mais agora que estúdios indies tem acesso à plataforma gratuitamente.

continue lendo

emArtigo Podcast Portáteis Sony

Quem diria, booth babes mais atrapalham do que ajudam no marketing

Por em 20 de janeiro de 2014

titanfall-e3-2013-stand

Uma tradição antiga em qualquer feira que se preze, seja de games, tecnologia ou da indústria automotiva é o uso das modelos promocionais, as famosas booth babes. Não me entendam mal, não vou bancar o hipócrita pois como homem eu gosto da presença de garotas bonitas nas barracas, mas é um fato que esse emprego é muito questionado não só pelas feministas como profissionais em geral, já que na maioria das vezes elas são apenas um “adereço visual”, são poucas as ocasiões em que elas sabem o que estão promovendo e conseguem se sair bem numa conversa mais técnica. A última vez que testemunhei isso foi na BGS 2012, no stand da Nintendo – curiosamente o lugar que continham as booth babes mais elegantemente vestidas da feira: ao invés de trajes mínimos ou cosplays, vestidos azuis simples. Afinal, a Big N cria produtos para toda a família.

A CES 2014 não foi diferente. A quantidade de moçoilas promovendo os diversos produtos das fabricantes era a esperada. Apesar de ser uma forma básica de atrair a atenção dos homens para seus stands, segundo um estudo conduzido recentemente essa estratégia não está vencendo – financeiramente falando.

continue lendo

emArtigo Destaques Entretenimento Miscelâneas Propaganda & Marketing Publicidade