Após perda de visibilidade, Folha de S. Paulo deixa de atualizar sua página no Facebook
fev08

Após perda de visibilidade, Folha de S. Paulo deixa de atualizar sua página no Facebook

Folha de S. Paulo deixa de atualizar sua página no Facebook, após modificações no algoritmo da rede social diminuírem a visibilidade das mesmas no Feed de Notícias dos usuários.

Continuar Lendo...
Stripped, o futuro das tirinhas de jornal e o retorno de Bill Watterson
fev27

Stripped, o futuro das tirinhas de jornal e o retorno de Bill Watterson

Documentário financiado via Kickstarter sobre o futuro das tirinhas de jornais conta com entrevista e cartaz produzido por criador de Calvin e Haroldo

Continuar Lendo...
Jornais britânicos são acusados de fabricar notícias contra os games
fev02

Jornais britânicos são acusados de fabricar notícias contra os games

Não chega a ser uma grande novidade vermos a mídia tradicional sendo acusada de não gostar muitos dos videogames, mas veja a seguinte situação: A BBC e o jornal Daily Mail, mesmo que logo depois nos apresentou a aquela senhora que com 100 anos joga videogame, publicou um artigo cujo título, em tradução livre seria algo como “Chapados de cansaço: Geração de crianças está se tornando zumbi por causa das seções de jogos tarde da noite, reivindica caridade.” Até aí tudo bem, eles deixam claro que a afirmação teria sido feita por outra instituição, no caso a Kids and Media, publicando inclusive que Robert Hart-Fletcher teria dito que “o fenômeno dos jogos está por aí há um bom tempo e agora estamos começando a ver os efeitos no comportamento dos jovens.“ O artigo vai além, afirmando que o sujeito defende a ideia de que “no passado as pessoas mantinham relações genuínas com empatia e compaixão, que foram substituídas por relações virtuais onde não necessariamente precisavam mostrar esses sentimentos.” Só há um pequeno problema nessa história, Hart-Fletcher logo tratou de negar ter feito tais declarações, alegando inclusive ser uma pessoa que recomenda os games para as crianças, já que eles permitem, por exemplo, que a molecada tenha contato com pessoas de todo o mundo e teria até mesmo divulgado um arquivo de áudio onde prova suas palavras. Isso me pensar se estariam os veículos procurando uma maneira de caluniar a indústria de games ou simplesmente chamar a atenção, o que é difícil provar, mas seja como for, é triste ver que novamente ver os jogos sendo usados como desculpa para o comportamento das pessoas, seja a matéria real ou não. [via...

Continuar Lendo...
Controle do Wii U deverá funcionar como e-reader
jan03

Controle do Wii U deverá funcionar como e-reader

Mesmo que você seja um dos que acreditam que o Wii U fracassará vergonhosamente e não tenha visto muita graça no controle do videogame, não há como negar que a novidade tem potencial, podendo servir para muito mais do que apenas jogarmos. A Nintendo continua fazendo mistério sobre as funcionalidade do console, mas de acordo com uma fonte ouvida pelo site ForgetTheBox, a fabricante deverá fazer com que o tablet/joystick sirva como um e-reader, assim, poderíamos adquirir revistas, livros, jornais e gibis através da loja virtual do Wii U e transferí-los para o controle. Isso também resolveria o problema dos manuais, já que eles deixariam de ser impressos e poderiam ser lidos através do acessório, assim como aqueles guias. A intenção da fabricante seria disponibilizar todas as edições já lançadas da revista Nintendo Power e já estaria procurando outras editoras interessadas, inclusive oferecendo versões digitais de periódicos que os jogadores tenham assinaturas e há ainda a possibilidade de que o 3DS receba um serviço semelhante. Por enquanto tudo não passa de rumor, mas ele parece possível e se confirmado, seria algo muito bem vindo. Porém, é importante que possamos acessar esse conteúdo quando o videogame não estiver ligado, nos permitindo, por exemplo, ler os arquivos mesmo quando não estivermos em casa. [via...

Continuar Lendo...
NYTimes contra o perfil no Twitter que burla seu Paywall
mar23

NYTimes contra o perfil no Twitter que burla seu Paywall

Às vésperas de estrear o Paywall, seu sistema de assinatura online, The New York Times enfrenta ferramentas que burlam os limites estabelecidos para o acesso gratuito ao site.

Continuar Lendo...
“Atualização ou Morte!” – fora as dívidas…
jul14

“Atualização ou Morte!” – fora as dívidas…

(compo: San Picciarelli) Nelson Tanue, empresário à frente do Jornal do Brasil confirmou que o periódico na versão impressa vai deixar oficialmente de existir — a data da divulgação da última edição do jornal vai ser informada entre quarta e quinta-feira dessa semana. Sempre ouvimos falar que um grande jornal de um país, outro de outro, anda mal das pernas porque não consegue se segurar diante das novas formatações para a distribuição de notícias. Muitos deles fazem o máximo para parecer que estão se modernizando, quando na grande (e dura) realidade é que não conseguirão sobreviver se não pularem para onde o leitor (que paga as contas) já deixou bem claro que prefere estar: online. O discurso da vez é “O primeiro jornal da internet” e isso chega a quase todos eles. O fim para o papel escrito do Jornal do Brasil também tem muito a ver com isso, uma vez que as suas dívidas já somam atualmente R$ 100 milhões e quedas absurdas de circulação e retorno. Mesmo após algumas tentativas de tentar vender o jornal para a iniciativa privada (que não aconteceu), tudo corre para qualquer caminho capaz de manter pulsando um dos maiores jornais do país. O JB teve a sua primeira edição publicada em 1891 e atualmente tem 180 colaboradores, sendo metade destes jornalistas na redação ativa. “A decisão de acabar com o papel está sendo tomada esta semana. Teremos uma decisão na quarta-feira ou na quinta-feira. Provavelmente, seremos o primeiro jornal a estar apenas na internet. É algo que está acontecendo no mundo todo”, afirmou Tanure em entrevista ao O Globo. Como fruto de todo esse impacto, rachas e demissões parecem ser a primeira das tantas ondas envolvidas nessa mega conversão. Não se trata nem mais de transformar algo assim em algo assado, o lance é reinventar e recomeçar tudo mesmo — nem que isso custe algumas cabeças. Foi precisamente o caso da demissão do atual ex-presidente do jornal Pedro Grossi. “Eu demiti o Pedro Grossi porque ele era a favor de continuar no papel”, explicou Tanue. Grossi escreveu uma carta publicada no dia 12 explicando para o staff do JB o motivo de sua saída – que só deve acontecer formalmente assim que o fim da edição impressa for divulgado. Infelizmente ainda se espera dolorosamente demais e luta-se muito até não ter mais por onde sangrar, até que de fato não haja outra coisa a fazer senão abandonar o papel. Não deve ser fácil ver um centenário sendo obrigado à “atualização ou...

Continuar Lendo...