Home » Games » Análises » Gears of War 3 - Análise

Gears of War 3 - Análise

8 anos atrás

Poucas franquias nessa geração despertaram tanto a ansiedade dos fãs quanto a Gears of War,  uma dessas belas surpresas que vieram para mudar o conceito de todo um gênero de jogos.

Depois de 5 anos, chega ao fim a trilogia do desenvolvida pela Epic Games e, passadas 3 semanas do lançamento, já me sinto confortável o suficiente para falar deste jogo sensacional do Xbox 360. Para saber as impressões sobre esse jogo, leia a sinopse e acompanhe mais este review do Meio Bit.

Sinopse

Em Gears of War 2, os COGs são obrigados a inundar Jacinto, uma das últimas cidades habitáveis em Sera, destruindo os túneis infestados de Locusts. Vimos também o surgimento de uma raça mutante chamada Imulsion, uma espécie de parasita que infecta os Locusts - criando assim os Lambents - e os fazem começar a guerrear inclusive entre si.

Quase dois anos depois deste evento, após uma breve calmaria, os Lambents ressurgem e começam a investida tanto contra os Locusts quanto contra os humanos. Sem solução aparente para a resolução do problema, os COGs vêem o reaparecimento de um velho conhecido Há muito desaparecido, que tratá uma grande revelação para a história.

Achievement Unlocked: Uma ótima campanha singleplayer

Foi uma grata surpresa ver que o pessoal da Epic se esforçou bastante para o singleplayer. Apesar do grande apelo para multiplayer, a campanha principal é sensacional com muita ação, tiroteio, covers e tudo mais que você espera de Gears. A história é empolgante, emocionante e o final é bastante digno para a série (apesar de eu ter achado meio Deus Ex Machina - se alguem concorda, compartilhe comigo nos comentários).

Você passará por diversos cenários já conhecidos das versões anteriores do jogo, além de locais que antes foram apenas meramente comentados e constam na mítica do jogo desde a primeira versão. Por entre as fases, você enfrentará também seus já velhos inimigos (os Locusts) e uma horda de diversos novos Lambents mais ferozes e mortíferos.

Enfim, não falarei muito da história para não estragar a experiência de quem ainda não jogou ou está jogando mas, para quem curtiu a trama de Gears até agora, tenho a dizer que você terá exatamente o que espera: ação, drama, revelação, momento feliz, momento triste. Esteja preparado psicologicamente para ver o badass Marcus Fenix com cara de choro.

Let's put it scientifically

Gostaria de destacar um ponto especial que gostei bastante: o aproveitamento dos outros personagens. Se no Gears of War 2 conhecemos bastante a história de Dominic, desta vez o jogo foca bastante em Cole.

Em umas das missões do jogo, você conhece a cidade onde Cole ganhou sua reputação como astro do futebol americano. A medida que você progride neste missão, a história mostra, em pequenos flashs, vida que Cole costumava ter e, ao final do capítulo, você tem todo um novo entendimento dos motivos e do porque do jeito de ser deste personagem.

O jogo também mostra muito bem a interação entre os personagens. Conhecemos uma nova COG feminina, Sam, que junto com Baird possuem as melhores linhas de diálogo do jogo. Aliás, ao longo da história estamos sempre alternando entre o grupo liderado por Marcus Fenix e outro liderado por Cole. Por vezes eles se juntam mas por vários momentos vemos pontos de vista diferentes da mesma história. Muito legal.

Modos de jogo

Gears of War 3 conta com o modo Campanha nas dificuldades tradicionais. A novidade aqui é que agora é possível jogar em co-op de até 4 jogadores. Ainda na campanha principal, é possível jogá-la em um novo modo, o Arcade, onde você e seus amigos "disputam" a campanha acumulando pontos ao longo do jogo.

  • Pausa para dica: O modo Hardcore não está tão difícil. Para aqueles já acostumados com o Gears, recomendo começar direto por ele.
  • Dica 2: para os achievements bitches (eu incluso): Para jogar no modo Insane é preciso primeiro zerar no modo Hardcore (é, xinguei muito no twitter também).

A parte online recebeu um carinho muito grande da equipe da Epic. Muitos bugs foram corrigidos e toda a mecânica de busca por partidas melhorada. Agora existem três possibilidades de entrar nos modos Versus: o "Casual", onde você é encaixado em qualquer partida, mesmo que já tenha sido iniciada; o "Ranked Match" em que você só entra em partidas que ainda não iniciaram e o "Private", onde você cria sua sala.

Um ponto de destaque que foi amplamente divulgado antes do lançamento de Gears 3 foi a repaginada no Horde Mode, chamado agora de Horde 2.0. Não houve bem uma repaginaaaaada mas houveram adições bem interessantes. Agora, você pode instalar bases e evoluí-las com dinheiro que vai sendo obtido a cada monstro morto e a cada round vencido. É possível construir e evoluir barricadas, sentry guns, turrets, decoys (uma espécie de chamariz para os Locusts), entre outros. Isso adiciona uma nova camada de estratégia ao, agora ainda mais difícil, Horde Mode.

Outro novo modo de jogo é o Beast, onde você encarna o papel de Locusts e deve invadir, antes que o tempo acabe, a base de COGs já instaladas no mapa. Neste modo você também vai ganhando dinheiro, mas que dessa vez é necessário para "comprar" Locusts mais fortes. Na minha opinião uma idéia interessante mas que ainda precisa ser melhorada.

Gráficos

É realmente uma maravilha o que o pessoal da Epic consegue fazer com a Unreal Engine. Tudo no cenário parece muito vivo e fluido, luzes perfeitas, texturas incríveis e os modelos dos personagens sem igual. Reparem nas cenas de tristeza do Marcus Fenix (sério, é o tipo de cena que eu não esperava de um brucutu destes)  e me impressionou pela qualidade.

Some a isso os belos cenários criados pela equipe de Cliff Bleszinski, num tom meio pós-apocaliptico. Relembrem de um dos trailers de lançamento, o Ashes-to-Ashes, e imaginem esta fase in-game. Um das melhores (em beleza) que já vi em games.

Jogabilidade e Matabilidade

Para os já acostumados com os Gears anteriores, a jogabilidade não mudou em quase nada. Algumas melhorias foram feitas no sistema de cover, que agora não tem mais os bugs chatos do GOW2 (aquele em que você dava uma cambalhota pra frente ao invés de se esconder. Lembra? Eu sabia!) e está bem mais fluido. Também foi adicionado um golpe onde é possível acertar um inimigo que está do outro lado do cover e deixá-lo atordoado por alguns instantes. Bem apelativo. Além disso, ao correr o personagem parece que está bem mais rápido.

Empale um Locust com estilo

As execuções continuam, com o detalhe que agora quase todas as armas possuem sua própria execução, que precisam ser desbloqueadas. Isso acontece a medida em que você vai matando inimigos com cada uma delas. Falando nelas, foram incluídas algumas bem interessantes como a Digger, que atira uma granada que passa por baixo do cover e acerta o inimigo do outro lado e a Retro Lancer, que possui uma precisão horripilante mas é uma das armas mais letais do jogo, além de diversas outras.

No mais, a boa e velha Lancer continua firme e forte e ainda é uma das melhores armas do jogo.

Outro aspecto interessante da jogabilidade é que foram incluídos novos alguns veículos e máquinas no jogo. A mais notável é o Silverback, uma espécie de exoesqueleto robótico que possui metralhadoras e canhões. Não vou colocar a imagem real do bicho porque a única imagem que me vem à cabeça quando penso nele é essa.

Confesso que não é nada de extraordinário, mas são inclusões que diversificam um pouco o jogo e saem daquela mesmice de cover-atira, cover-atira.

Considerações finais

A Epic conseguiu não cair na maldição da trilogia e entregou um jogo muito bom. Com uma história empolgante, envolvente e emocionante, além da jogabilidade impecável, Gears of War 3 é, sem dúvida, o melhor third-person shooter da atualidade (fãs de Uncharted, acalmem-se). Recomendo.

Lançado em 20/09/2011
Developer: Epic Games
Publisher: Microsoft Studios
Plataforma: Xbox 360

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários