Home » Games » Análises » Meu presente de Natal - Guitar Hero: Warriors of Rock

Meu presente de Natal - Guitar Hero: Warriors of Rock

Siaba o que esperar dos periféricos do Guitar Hero: Warrios of Rock.

9 anos atrás

jonatas_gh6_27.12.10

Fala aí galera, família se reuniu, comemos e bebemos bastante, e enfim chegou o momento que as crianças (inclusive algumas que já passaram dos 25 anos) mais anseiam. A hora dos presentes.

O Gizmodo publicou um artigo incitando as pessoas a contarem o que ganharam ou se deram de presente no Natal, então, vou aproveitar a ideia, para contar o que o bom velhinho me deu, embora eu sinta que a MasterCard vá me perturbar durante um bom tempo por causa desse presente, também usarei a oportunidade para fazer um review da aquisição.

Vamos lá. Papai Noel me deu um Super Bundle do Guitar Hero 6, comprou(ei) na Saraiva num precinho bem camarada numa promoção (estou falando de Brasil gente, logo, a esse preço eu nunca tinha visto) R$ 719,00. Numa caixa tamanho família, são cerca de 64x41x21 distribuídos em 9Kg (que na hora dos fogos, serviu de esconderijo para meu vira-latas medroso, para deleite da minha família a Kellyn'güiça de Oliveira [meu dog], arrumou uma forma de derrubar a caixa vazia do Guitar Hero e se esconder nela).

Fiz um video de unboxing, mas como não tenho prática no assunto, não ficou muito legal, mas prometo colocar no YouTube ainda assim e depois postar o link nesse artigo. Mas resumindo a ópera, a imensa caixa contém, a bateria, em excelente material que me parece ser aço carbono, leve e resistente, uma guitarra bem melhor do que a guitarra do Guitar Hero III, um microfone que nos levou a diversos vexames, o jogo e um CD com diversas músicas de bônus e claro, os manuais.

Como a caixa é muito grande e tem muita coisa incluída, vou separar em grupos: o microfone, a guitarra, a batera, o jogo e a experiência.

-= Microfone:

Esse é bem simples, comparei-o com os microfones do SingStar HSM (eu tenho irmã pequena), o acabamento do microfone do GH é muito bom, a resposta é mais inteligente, com excelente relação sinal-ruído, o Windows 7 reconheceu o microfone e para quem quiser utilizar, é uma excelente opção para se usar com MSN ou Skype, além de servir para o Chat in Game no PS3. Com relação a transformar o PS3 num Karaoke, bom sinto muito, minha voz não é das mais agudas, então, acompanhar R.E.M. em Losing My Religion se tornou uma experiência meio espartana. Só conseguimos acertar o passo quando minha prima resolveu cantar (ela mandou muito bem).

Uma última coisa legal, os últimos modelos de PS3 só tem 2 portas USB, e bom o kit precisaria de 3 portas, solução que adotaram: o receptor da bateria é um hub com mais duas portas, logo, o microfone, foi ligado no receptor da bateria. De ruim, o fio do microfone é curto. Tem cerca de 2 metros, logo, o cantor tinha de ficar muito perto da tela.

-= Guitarra:

Primeiro, vou frustrar todo mundo, não, não veio a Guitarra em forma de Machado, essa só no Guitar Bundle, mas veio uma linda guitarra vermelha, que é bem melhor do que a minha velha Gibson Les Paul do Guitar Hero III. Não vou falar muito dela porque acho que todo mundo já viu uma guitarra de plástico. O único destaque, fica para um direcional analógico no corpo da guitarra para facilitar a seleção nos menus, e o botão PS protegido por uma camada de borracha nesse direcional analógico, grande sacada. Bônus, as pilhas Duracell vieram no pacote 😀

De ruim, todo mundo gostaria de receber a guitarra-machado

-= Bateria:

Esse vai ser um pouquinho mais longo, primeiro porque eu estou babando com o brinquedo novo, bom, eu já tinha duas Gibson Les Paul então não tem lógica querer mais uma guitarra, mas a batera me enche os olhos desde o GH World Tour, aí veio aquele grande problema: eu não queria uma batera genérica da LeaderShip, que aqui no Rio custa 500 pratas e não é resistente, e não tinha R$ 1500,00 que é o que as grandes lojas de departamento cobravam pelo Bundle com a Batera do GH4. Outro problema, o tamanho da batera frustraram meus planos de que algum amigo me trouxesse dos EUA. Parecia sonho impossível, até que: tcham-tcham-tcham-tcham ... promoção da Saraiva :D:D:D.

Aliás, a Saraiva e eu temos um caso de amor e ódio, detesto a forma que eles mandam os eletrônicos, enquanto que as outras lojas embalam o produto e só depois colam as etiquetas de endereçamento, preservando sua privacidade no produto e preserva as caixinhas intactas (eu guardo as caixinhas), a Saraiva me cola uma etiqueta monstruosa, por vezes estragando minha embalagem. Fica a bronca. Mas eu não resisto às promoções :D:D

Voltando do devaneio, quando abri o Super Bundle, caramba... eu ainda não tinha usado nenhuma bateria do Guitar Hero. Quanta peça, pela primeira vez nos últimos 5 anos me vi lendo um manual de instruções, ler não, ver figurinha, o manual estava totalmente em português, mas nem precisei, tinha um passo-a-passo totalmente ilustrado em cores. Ponto pra Activision. Mais uma vez as pilhas acompanhavam.

Pilhas??? É, aí que eu pirei com a bateria do GH, participei de um grupo musical nos tempos de adolescente, meu melhor amigo no grupo ainda tem uma DD50, bateria eletrônica da Yamaha. Tá, e o que uma coisa tem a ver com a outra? Simples, mas fantástico: o "cérebro" da bateria, além de servir como controle "normal" de PS3 (sim, eu joguei Street Fighter IV com ele só de sacanagem) tem entrada e saída MID. Logo, eu posso destacar o cérebro e usar uma bateria eletrônica de verdade para tocar no Guitar Hero. A DD50, é só um exemplo que pude testar, mas tem várias baterias mais sérias que também funcionam. E, para quem é músico, existe a opção de linkar a bateria do Guitar Hero, com um teclado padrão MID e gravar Samples para acompanhamento da música. Que maneiro 😀

Como eu disse, linhas atrás, a bateria é resistente e funcional. Parece ser feita em aço carbono, os pratos respondem bem e não dão impressão de fragilidade, pelo contrário, as caixas propriamente ditas são analógicas, ou seja, respondem de acordo com a força om que batemos. Só não gostei muito do pedal do bumbo, apesar do mesmo ser configurável e de ter 3 posições possíveis, senti dor no pé quando vinha uma sequência de bumbos (uma barra na horizontal).

Só por desencargo de consciência testei a bateria, com seus 6 elementos no Demo do Rock Band 3, funcionou perfeitamente, se mostrando uma excelente opção.

-= Jogo:

Vou ser curtinho, tem vários reviews por aí, bom é Guitar Hero como qualquer outro, tem uma boa lista de músicas, melhor que Guitar Hero III, mas inferior à do Guitar Hero Metallica (o melhor na minha opinião). Acho que enquanto não lançarem um Guitar Hero System of a Down ou um Guitar Hero Manowar, não teremos um Guitar Hero definitivo.

Estamos fazendo o modo campanha com 3 jogadores, e tem sido bem divertido. O mais legal foi conhecer a lojinha e baixar músicas como Super Mario e Sonic para tocar na guitarra 😀

-= A experiência:

Estou curtindo cada descoberta no jogo, me divertindo e fazendo valer a pena essa grana investida. Recomendadíssimo para essa época de casa cheia.

Faço minhas as palavras do Gizmodo, e vocês, o que ganharam/se deram no Natal ?

Leia mais sobre: , , .

relacionados


Comentários