Foguete japonês falha pela segunda vez, mas acontece com todo mundo

large

Um fenômeno interessante da corrida espacial é que a gente acha que a NASA constrói um monte de foguetes, mas em verdade a NASA não constrói nada, ela especifica e empresas cuidam da parte de engenharia. Demorou pra esse ciclo ser quebrado, era apenas caro demais e lucrativo de menos para as empresas desenvolverem foguetes por conta própria, por isso a imagem (real) de que programas espaciais eram coisa de governos.

No Japão por exemplo a Agência Espacial deles, a JAXA, usa primariamente o H-IIA, um foguete desenvolvido pela Mitsubishi sob encomenda. Até hoje não havia nenhuma empresa privada investindo diretamente em exploração espacial, isso mudou com a chegada da ambiciosamente batizada Interstellar Technologies.

Embora existisse como grupo de hobbystas desde os anos 90, a empresa foi formalmente criada em 2005 por Takafumi Horie, investidor e figura pop no Japão, dono do Livedoor, um grande provedor de internet que virou portal.

Infelizmente Takafumi-san foi preso em 2006 por fraude de seguros e suspeitas de lavagem de dinheiro para a Yakuza, mas antes apresentou seus planos, que envolviam desenvolver um lançador de pequenos satélites, baratear custos e eventualmente até trabalhar com turismo espacial.

Apesar das aventuras pitorescas do fundador, a Interstellar Technologies conseguiu desenvolver um primeiro foguete muito enxutinho, o MOMO.

momo

Usando oxigênio líquido e etanol, o MOMO tem 10 metros de comprimento, pesa uma tonelada no total e consegue levar cargas pequenas de até 20 kg a uma altitude de 100 km, o que tecnicamente é espaço. Ele permite que experimentos sejam feitos em microgravidade por até 4 minutos (fonte: manual do bicho).

A grande diferença é que ele é muito barato, custa US$ 441 mil, o que é ¼ do custo de um foguete equivalente usado pela JAXA.

O primeiro lançamento do MOMO tecnicamente deu certo, ao menos nos primeiros 20 km, mas ele perdeu contato com a base e por segurança se autodesligou.


SciNews — Momo Sounding Rocket first flight (MOMO No. 1)

Isso foi em 30/7/2017, a empresa então perdeu todos os cientistas e ficou 20 anos sem lança… — ah não essa é outra agência. Os caras voltaram pra prancheta, e quase exatamente um ano depois tentaram de novo, com resultados bem mais espetaculares.

O MOMO-2 foi lançado 30/6/2018 mas aparentemente a câmara de combustão ou a bomba de combustível não resistiu à pressão e, bem, ele desceu tão rápido quanto subiu:


The Space Program — Interstellar Technologies Momo-2 Rocket Launch Failure

É desanimador, mas o lema da exploração espacial, Ad Astra Per Aspera significa “para as estrelas, apesar das adversidades” e não “vai na fé champs é facinho meu nego não tem como errar”. Von Braun errou, Korolev errou, todo mundo errou no começo.

Um dos melhores erros foi o Mercury-Redstone 6, um lançamento absolutamente ridículo, que resultou em um vôo de 10 cm.


vogonford — Mercury-Redstone 1 Launch failure (MR-1)

A própria SpaceX penou para acertar as pontas. O Falcon 1 foi testado entre 2006 e 2009, foram quatro lançamentos, os três primeiros mal-sucedidos. Elon Musk conta que o dinheiro estava no fim, eles só tinham grana para mais um lançamento.

Se o quarto não tivesse sido bem-sucedido, não haveria SpaceX hoje em dia.

No final o Falcon 1 foi uma plataforma de aprendizado, fez mais um lançamento, o único com uma carga comercial, e foi aposentado dando espaço para o Falcon 9.

Por isso podem ficar tranquilos, enquanto houver dinheiro o MOMO seguirá em frente, não duvidaria nada se no próximo lançamento ele já não faça um vôo perfeito. Aliás, eu ESPERO, afinal o mundo precisa de foguetes com rostos de zangado.

foguete

De resto, o pessoal posando com o MOMO-2 após sua michaeljacksonização inversa não parece muito preocupado com o futuro do projeto.

qqq12

Relacionados: ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e para seu blog pessoal, o Contraditorium,

Compartilhar