Home » Meio Bit » Internet » YouTube e Vimeo testam vídeos via HTML5

YouTube e Vimeo testam vídeos via HTML5

9 anos atrás

Dois dos maiores sites de vídeos do mundo, YouTube e Vimeo, estrearam recentemente seus programas beta de utilização do HTML5, ao invés do Flash, para a exibição de vídeos. O objetivo é livrar o usuário da dependência do plugin da Adobe, alvo recente de muitas críticas e algumas falhas de segurança graves.

No YouTube, acesse a página youtube.com/html5 e clique no link Entrar no HTML5 Beta. Já no Vimeo, basta, nas páginas dos vídeos, clicar no link Switch to HTML5 player, abaixo da lista de mais vídeos, do lado direito da tela.

Ambos os serviços funcionam nos navegadores Safari, Chrome e Internet Explorer (!), desde que esse último tenha o Chrome Frame, que traz o engine do Chrome para o IE, instalado. O Firefox 3.6, lançado ontem, não é suportado. Isso ocorre porque o navegador da Mozilla só trabalha com OGG Theora, e o formato utilizado em ambos os sites é o h.264, escolhido por ser mais flexível. Isso é só um dos reflexos que a confusão que a (tentativa de) padronizar os formatos das tags <video> e <audio> pode causar.

Na prática, YouTube e Vimeo apresentam resultados diferentes. No site do Google, há uma perda notória de qualidade nos vídeos quando esses são exibidos em HTML5. Veja o comparativo (qualidade do vídeo Flash na padrão, 360p, imagem salva em *.jpg com qualidade 90):

comparativo-youtube

No Vimeo os resultados são melhores, mas ainda longe do ideal. A qualidade do vídeo mantem-se firme, inclusive com a opção de exibi-los em HD, porém há “travadinhas” constantes que irritam bastante.

O HTML5 ainda traz algumas outras restrições, como a impossibilidade de rodar vídeos em tela cheia e de exibir anúncios no YouTube (yay!). Em termos práticos, ainda está atrás do Flash nos quesitos qualidade e desempenho. Mas, tudo tem um começo, e é bom ver que, desde já, mesmo com a tecnologia inacabada/incompleta, grandes players do meio como YouTube e Vimeo se prontificam a abraçar a novidade.

Fontes: Vimeo e YouTube.

relacionados


Comentários