Nubia Red Magic, o smartphone gamer da ZTE que traz o que faltava: luzes RGB

O ano de 2018 está testemunhando o nascimento de uma nova linha de dispositivos móveis, os “smartphones gamers”. Tratam-se de aparelhos com hardware de ponta e características especificamente voltadas a atrair o consumidor que gosta de curtir games pesados em movimento, mas não quer carregar dois dispositivos distintos e não mais liga para consoles portáteis dedicados.

Depois do Razer Phone e o Xiaomi Black Shark, é a vez da chinesa ZTE (que está passando por um problema dos grandes) através de sua subsidiária Nubia tentar a sorte com o Red Magic, que traz aquilo que ninguém pediu mas é uma das principais características dos dispositivos voltados à comunidade Glorious PC Gamer Master Race: luzes RGB.

O feature mais chamativo do dispositivo é uma faixa central com LEDs capaz de reproduzir até 16 milhões de cores diferentes e quatro efeitos distintos de iluminação. Os mesmos podem ser configurados pelo usuário (e espero, ser desligados) e fazer parte do design arrojado inspirado nos notebooks e desktops gamers, com uma traseira angulada e detalhes aplicados na lente da câmera principal e do leitor de impressões digitais.

Sendo bastante sincero o Red Magic nem é o primeiro smartphone a fornecer um show de luzes na parte trazeira, a TCL já fez isso em 2017 com o extremamente chamativo Alcatel A5 LED mas independente disso, este é o primeiro dispositivo premium voltado ao público gamer que permanece fiel às convenções de design da categoria para computadores, ainda que isso não fosse o ideal para um smartphone dada sua autonomia mais restrita.

O display é um LCD LTPS IPS de seis polegadas, com proporção 18:9 e resolução Full HD+, ou 2.160 x 1.080 pixels (402 ppi) protegido por um vidro Dinorex T2X-1, resistente segundo a choques e riscos segundo a fabricante.

Por dentro o Red Magic é equipado com o Snapdragon 835, SoC da Qualcomm com CPU Kryo e quatro núcleos de 2,35 GHz, quatro de 1,9 GHz e GPU Adreno 540, sendo o mesmo chip presente no Razer Phone (o Black Shark é o único que já utiliza o Snapdragon 845, presente também no Galaxy S9/S9+); temos 6 ou 8 GB de RAM, 64 ou 128 GB de espaço interno sem suporte a microSD, câmera principal de 24 megapixels com abertura f/1,7, Flash LED, HDR, autofoco com detecção de fase e que filma em 4K a 30 fps, câmera selfie de 8 MP e abertura f/2,0, Dual-SIM, Bluetooth 5.0, A2DP, aptX, BLE, a-GPS, GLONASS, BDS, conector USB-C e Android 8.1 Oreo.

O dispositivo possui um sistema de resfriamento por convecção, composto por três camadas de grafite e três aberturas na parte traseira, além de uma bateria de 3.800 mAh para alimentar tudo isso. O Black Magic conta ainda com um “botão gamer”, que tal qual o presente no Black Shark da Xiaomi otimiza a experiência na hora de jogar. Já o software proprietário GameBoost retira outros apps da memória para liberar mais recursos aos games rodando em primeiro plano.


Red Magic – Gametime. Anytime

O Nubia Red Magic entrará em pré-venda no próximo dia 26, em caráter de crowdfunging no IndieGoGo e será oferecido pelo preço inicial de US$ 399 para quem for rápido no gatilho; não há informação de quanto o smartphone gamer custará em regime de vendas normal, mas é possível que gire em torno de mais tradicionais US$ 599.

Relacionados: , , , , , , , ,

Autor: Ronaldo Gogoni

Profissional de TI auto-didata, blogueiro que acha que é jornalista e careca por opção. Autor do Meio Bit e Portal Deviante, podcaster/membro fundador/Mestre Ancião do SciCast e host/podcaster do Sala da Justiça.

Compartilhar