NVIDIA demonstra raytracing em tempo real, mas prepare your…

1280px-glasses_800_edit

Anos atrás, nos primórdios da computação gráfica já se sabia fazer imagens absolutamente realistas. Criado em 1968, o algoritmo de raytracing trata cada pixel como um raio de luz: ele viaja de trás pra frente, saindo da “tela” e indo em direção aos objetos. Cada vez que ele esbarra em alguma coisa, as propriedades de cor, textura, iluminação, reflexão e mais quantos parâmetros você quiser, são calculadas. O raio em seguida continua sua viagem para o próximo objeto.

Levando-se em conta que uma imagem em 4K tem 8.294.400 pixels, a mais simples imagem em raytracing, uma tela em branco exige que o algoritmo seja rodado 8.294.400 vezes. Agora imagine na imagem acima quantas vezes um raio de luz quica entre os objetos até chegar na parede ao fundo.

Até hoje raytracing estava fora do alcance de humanos normais. Na verdade nem o pessoal cascudo usava, nenhum filme usa computação gráfica renderizado em raytracing. Não dá tempo, sai caro demais.

Agora, como anunciado, a NVIDIA está desenvolvendo junto com a Microsoft uma API para raytracing, o DXR, e promete que reles placas de US$ 3 mil conseguirão renderizar raytracing em tempo real.

Por enquanto isso é conseguido em equipamentos um tiquinho mais caros, como o NVIDIA DGX-1, um tarugo com um monte de GPUs Tesla 100V: são 40.960 núcleos CUDA e um poder de processamento de 1 petaflop/s.

Esse bicho não só roda Crysis (no low) como consegue renderizar raytracing em tempo real, a 24 fps. Para demonstrar isso apresentaram um demo interativo com a Capitã Phasma. Os reflexos, as sombras, tudo interagindo com tudo, é lindo. Basicamente um filme.

Ah sim, não se anime: uma DGX-1 custa US$ 150 mil.


Reflections Real-Time Ray Tracing Demo | Project Spotlight | Unreal Engine

Fonte: Ars Technica.

Relacionados: , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz, Calcinhas no Espaço e Do Tempo Em Que A Pipa do Vovô Subia.

Compartilhar