Home » Ciência » Engenharia » Ucrânia de olho em base de lançamento de foguetes no Hemisfério Sul. Não, Brasil, você não.

Ucrânia de olho em base de lançamento de foguetes no Hemisfério Sul. Não, Brasil, você não.

A Ucrânia está interessadíssima em construir uma base de lançamento de foguetes em um país do hemisfério sul. Não, não é o Brasil. Esse bonde nós já perdemos. Se tudo der certo, todo o dinheiro e tecnologia vão para a Austrália mesmo.

1 ano atrás

maxresdefault

A Ucrânia não dá muita sorte. Com o fim da Guerra Fria ela herdou um razoável percentual do arsenal nuclear soviético. Um esforço diplomático russo e americano convenceu o país a basicamente vender as armas, em troca de garantias que Moscou e Washington os protegeriam em caso de ameaças. Tempos depois os russos invadiram a Ucrânia, tomaram a Criméia e estão financiando uma guerra civil que pode acabar com a independência do país.

Pra piorar a Ucrânia se descobriu com um programa espacial sem nenhum lugar para lançar seus foguetes. Muito raramente conseguem um acordo com os russos e lançam de Baykonur, mas é um danado de um climão.

Esse problema já tinha sido previsto bem antes, mas para completar o azar, em 1995 eles tiveram a brilhante idéia de se aliar ao Brasil para realizar o sonho da base própria. Assinado por FHC em 1995, o programa previa a construção de um foguete por parte da Ucrânia e a construção da base por parte do Brasil. Como já demonstramos, o Brasil só conseguiu fazer um cimentado, e vendo que o Brasil não andava a Ucrânia também não fez muita coisa da parte dela.

O acordo foi encerrado em 2015 (mas ainda custa R$ 500 mil pro Brasil, ou seja, pra nós) e a Ucrânia ficou chupando dedo, mas não por muito tempo. Vazou hoje informação de que pelo menos desde 2016 Kiev vem dando idéia na Austrália.

A Ucrânia quer uma área entre 5 e 7 mil quilômetros quadrados no noroeste da Austrália, perto da Base Aérea de Curtain.

screenshot-19_03_2018-22_43_44

A área em questão é equivalente ao retângulo na imagem acima. Lembrando que a Austrália é basicamente um imenso deserto então não há risco de os foguetes caírem na casa de ninguém.

Segundo autoridades locais um estudo de viabilidade pode ser feito em dois anos e por menos de US$ 500 mil, o equivalente ao que o Brasil paga em 3 meses para manter quatro funcionários da estatal Brasil-Ucrânia que AINDA está aberta sem fazer nada.

Os ucranianos querem que essa base seja o principal espaçoporto para toda a Ásia e Oceania, com investimentos de governos, empresas privadas, todo mundo. Faz sentido, não sai barata uma obra dessas: o novo complexo de lançamento russo em Vostchny quando ficar pronto, no final do ano, vai ter consumido US$ 7,5 bilhões.

Fonte: Space Daily.

Leia mais sobre: , .

relacionados


Comentários