Agora Vai — Temer cria comissão para botar nos eixos o Programa Espacial

20161006ctnry8hweaaufsm

Sejamos honestos: o Programa Espacial do Brasil não anda bem das pernas. Desde nossa última grande explosão, em 2003, não fizemos nada de grandioso, exceto mais algumas explosões menores, mandar cubesats superfaturados para não funcionar no espaço, subir satélites sem antes escrever o software, ou então não ter licitado a construção das antenas de recepção dos sinais, mas isso tudo pode mudar!

A primeira boa notícia é que num golpe de ousadia o governo extinguiu o cargo de datilógrafo, modernizando mesmo que de forma acidental a Agência Espacial Brasileira.

Agora, inconformado com os resultados ruins, o presidente Temer, um homem de ação, tomou uma atitude! Vai resolver de vez essa pendenga. O Brasil terá um programa espacial sim, quanto antes melhor!

Pra isso ele criou o Comitê de Desenvolvimento do Programa Espacial Brasileiro (CDPEB). E como a agilidade é essencial, o comitê terá apenas 360 dias para apresentar resultados. Menos de um ano, chupa Elon Musk!

Esse comitê irá determinar diretrizes e metas do programa espacial brasileiro, decidir como serão implementadas e supervisionar sua execução. Vamos para o espaço, baby!

Como é algo que demanda extrema agilidade, não podemos perder tempo então a primeira reunião será praticamente ontem, se ontem quer dizer “daqui a 30 dias”. As próximas reuniões não tem data, precisam marcar uma reunião para decidir a data das reuniões.

Sério, é frustrante ver o mundo seguindo adiante, países como a Índia, que foram sinônimo do atraso hoje mandando sondas pra Marte e o Brasil, com um programa espacial que teoricamente tem mais de 60 anos, girar em torno do ralo, servindo apenas para gastar dinheiro, com um único departamento plenamente funcional: o que gera as desculpas pra justificar o próprio fracasso.

Aí vem a Presidência, em sua incrível sabedoria e adiciona mais uma camada burocrática, mais uma comissão que não vai resolver avaliar analisar supervisionar bosta nenhuma, e vai custar uma boa grana. Quanto? Não sei, mas depois que o Brasil gastou no foguete com a Ucrânia o mesmo que Elon Musk gastou pra desenvolver e construir o Falcon Heavy, chuto, e podem cobrar, que comeremos pelo menos o equivalente a um Falcon 9, uns US$ 50 milhões. Pra nada.

Fonte: UOL.

Relacionados: , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e para seu blog pessoal, o Contraditorium,

Compartilhar