Home » Cultura » Quase dois anos e US$ 25 milhões depois, parceria entre CNN e Casey Neistat chega ao fim

Quase dois anos e US$ 25 milhões depois, parceria entre CNN e Casey Neistat chega ao fim

É, não deu: CNN encerra a Beme, companhia criada pelo YouTuber Casey Neistat adquirida pela emissora por US$ 25 milhões, como forma de criar conteúdo para jovens.

2 anos atrás

Enquanto o YouTube fecha a torneira e endurece as regras para a monetização de vídeos, alguns YouTubers com bolsos fundos ou com conteúdo minimamente relevante tentam novas estratégias. Felipe Neto, por exemplo tem uma produtora própria, algo que Casey Neistat também tinha: a Beme, companhia de vídeo que ele fundou junto com Matt Hackett foi comprada pela CNN em novembro de 2016 por US$ 25 milhões, um senhor negócio para quem vivia de fazer reviews de gadgets.

Originalmente a Beme se dividia entre a rede e um app, em rede social de vídeos que foi prontamente descontinuado como parte do acordo. Neistat também deixaria de se dedicar a seu canal pessoal e passaria a ser curador da rede Beme News no YouTube, que foi um esforço da emissora para criar conteúdo jornalístico capaz de atrair os jovens para suas atrações digitais já estabelecidas. O YouTuber teria total liberdade criativa para tocar o negócio como achasse melhor, mas segundo informes Neistat não conseguiu nesse meio tempo encontrar uma fórmula que fizesse do Beme News uma parte relevante do ecossistema da CNN.

A bem da verdade, a rede de notícias está pegando ojeriza de novas formas de conteúdo jornalístico: recentemente ela encerrou o The Update, o noticiário feito para o Snapchat que só viveu quatro meses; a desculpa oficial é que o formato não é monetizável, portanto não vale a pena ser mantido no ar. E agora o Beme enquanto plataforma está chegando ao fim: a CNN anunciou o fim da plataforma como um todo, com seus conteúdos sendo absorvidos pela emissora. Neistat e Hackett, como esperado foram dispensados. O canal em si deverá continuar vivo, mas o quadro de funcionários será revisto e demissões são esperadas (atualmente o Beme emprega 22 pessoas).

Quanto a Neistat, ele publicou um vídeo no YouTube explicando sua saída do Beme e de qualquer forma, ele havia retomado a produção constante em seu canal desde que a parceria com a CNN não estava progredindo, e mesmo com US$ 25 milhões no bolso agora ele terá que começar tudo outra vez, jogando pelas mesmas regras de todos os demais YouTubers do Programa de Parcerias para fazer grana.

Fonte: CNN.

relacionados


Comentários