Realidade bate na porta e Elon Musk limita oba-oba dos carregadores Tesla

a-tesla-supercharger-in-switzerland-shutterstock

Talvez o único calcanhar de Aquiles dos carros elétricos seja o tempo de recarga. A concorrência com gasolina é desleal, vide o tempo de abastecimento na Fórmula 1. Ou no posto da esquina. Reações eletroquímicas geram calor, ou seja: atuche muita energia de uma vez e sua bateria pega fogo.

Um Tesla X, para “encher o tanque” e atingir autonomia de 482 km precisa ficar espetado num carregador de 100 kWh por 6 horas e 33 minutos. Se for uma tomada comum, esse tempo chega a 11 horas e 51 minutos.

Ou seja: se você chegar em casa com pouca energia e esquecer de ligar o carregador durante a noite, esqueça ir trabalhar de carro no dia seguinte.

Para amenizar esse problema a Tesla criou os Superchargers, uma rede de estações de recarga com capacidade de até 120 kW, isso permite que você consiga 270 km de autonomia com meia-hora de recarga.

Inicialmente os Superchargers eram grátis pra todo mundo, agora os novos Teslas ganham 1.600 km de carga por ano. Mais que isso há cobrança, mas é bem em conta ainda. São 7.496 estações, que não são o suficiente. Para acabar com o hábito de gente que transforma o Supercharger em estacionamento, o sujeito que deixar o carro com 100% de carga parado paga US$ 0,40 por minuto.

Só que isso não vai ser o suficiente com o monte de carros que a Tesla pretende colocar no mercado, e pra piorar ela percebeu que tem um monte de gente que usa o carro de forma comercial abastecendo nos Superchargers.

Em outras palavras: Elon Musk está subsidiando motorista de Uber. E Elon Musk não subsidia ninguém.

Carros de frotas de empresas, gente que faz carreto, Lyfts, todo mundo está de sobreaviso.

O aviso foi dado, e de 17 de dezembro em diante (ontem) vão monitorar os padrões de uso e alertar os motoristas que estiverem abusando do serviço. Caso não mudem serão bloqueados do sistema. Sim, a Tesla pode fazer isso.

Não gostou? Compra um Renault Twizy.

renault-twizy

Relacionados: , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e para seu blog pessoal, o Contraditorium,

Compartilhar