Home » Meio Bit » Fotografia » Grooveshark: música de graça direto do navegador

Grooveshark: música de graça direto do navegador

10 anos atrás

Nós brasileiros somos órfãos do Pandora, excelente serviço de streaming e descoberta de novas músicas. O Leo já falou dele por aqui em 2005, e passados alguns anos desde então, em meados de 2007, fecharam o site no Brasil – na realidade, em todo lugar, exceto Estados Unidos.

Felizmente, essa lacuna finalmente foi preenchida, e da melhor maneira possível. O nome do serviço de streaming de música que está conquistando mais e mais fãs a cada dia que passa é Grooveshark.

Grooveshark -- Current Songs - Google Chrome

Antes de começar, é importantíssimo criar uma conta no serviço. Isso porque, com ela, o sistema consegue armazenar suas preferências e, com o tempo, afiar as sugestões de novas bandas e cantores, tudo baseado no que você já ouve. O cadastro é gratuito, embora exista o modelo VIP (U$ 3,00/mês), que comentarei mais abaixo.

Após criar sua conta, começar a brincar com o Grooveshark é fácil. Digite o nome de uma banda ou cantor no campo de busca, e o sistema listará as músicas disponíveis. Selecione algumas, e elas irão para a playlist atual, na parte inferior da janela. Importante: ative o botão Radio, no canto inferior direito (na imagem acima, em laranjado). É ele que importa músicas da biblioteca automaticamente baseado no que você já ouviu, logo, é ali que está boa parte da graça do Grooveshark.

O Grooveshark é limpo e muito intuitivo. À esquerda, temos um painel semelhante ao do iTunes, com atalhos rápidos para as principais áreas, e listagem das playlists do usuário. No centro, fica a área mutante do serviço, que varia de acordo com o que está selecionado no painel lateral. Aqui, vale mencionar a listagem de músicas, que traz uma série de pequenos ícones no lado direito, a saber:

  • Coração: permite favoritar uma música;
  • Pasta: salva a música na sua biblioteca;
  • Carta: compartilha a música, por e-mail, Twitter, Facebook ou StumbleUpon;
  • Flecha para baixo: download da música. Mas calma, não é nada ilegal; entenda por “download da música” algo como “compre essa música”. Conexão com iTunes Store e Amazon MP3;
  • Celular: download de ringtones, disponível em algunas faixas, e também compradas, no caso, via thumbplay.

item-playlist-grooveshark-20091029 Na playlist atual, cada música é um quadradinho, que mostra a arte do álbum, recheada de comandos. Temos os botões de favoritar e compartilhar, além de duas caretinhas, uma feliz, outra triste. Essas caretinhas são importantes para ajudar o Grooveshark a entender seu gosto. Ao clicar na caretinha triste, a música sai da playlist e, se estiver sendo tocada, é interrompida, com a seguinte começando na mesma hora.

O Grooveshark ainda funciona como uma espécie de rede social, com contatos, fãs e tudo mais. É possível ouvir as playlists das outras pessoas, ver músicas favoritas, dentre outras coisas.

perfil-do-john-grooveshark-20091029

Vale mencionar, ainda, as playlists inteligentes, baseadas no que há de mais popular no serviço como um todo, e nas músicas recentemente tocadas na sua conta. Mais uma forma de encontrar música nova, que bata com seu gosto.

Por fim, o Grooveshark VIP. Trata-se do modelo pago do Grooveshark, com algumas vantagens para assinantes, esses reconhecidos no sistema por um badge dourado com a inscrição VIP. As principais vantagens em ser VIP são:

  • Acesso antecipado às novidades implementadas no sistema;
  • Remoção de anúncios;
  • Maior personalização da página principal (mais temas);
  • Aplicativo desktop, para ouvir músicas sem precisar do navegador.

Pelo que custa, U$ 3,00 por mês, ou U$ 30,00 por ano, os benefícios são bem interessantes.

O Grooveshark é uma grata surpresa no mercado da música. Felizmente vai contra a maré imposta pela Apple com sua iTunes Store e levemente modificada por concorrentes, como a Microsoft com sua Zune Marketplace, e dá aos usuários uma opção impressionante, tanto pela qualidade, quanto pela liberdade, de ouvir música no PC. De graça, for free, sem precisar gastar um tostão.

Melhor que isso, só se houvesse algum tipo de integração com o Last.FM, Zune Social, essas redes mais antigas que fazem scrobbling de músicas. Imagine puxar todo o histórico do Last.FM, por exemplo, para o Grooveshark, e o sistema processar esses dados para entregar músicas condizentes com seu gosto musical. Seria o máximo. Não que o sistema em si, do jeito que está, seja ruim; na realidade, fora essa integração com outras redes musicais, é difícil encontrar um ponto no qual ele precise melhorar…

relacionados


Comentários