Acredite se puder: governo da Nova Zelândia criticado por código-fonte em bolo

jacapaladium

Nerd é um bicho chato. MUITO chato. São eternos insatisfeitos. TODAS as tribos são iguais nisso. Disney comprou a Marvel? Chilique, Pateta vai ser Homem-Aranha, vão estragar os filmes. Disney comprou Star Wars? Chilique, Pateta vai ser Darth Vader, vão estragar os filmes.

Hoje temos Guardiões da Galáxia, Soldado Invernal, Homem-Formiga e acima de tudo Rogue One, que foi alvejado de todos os lados como politicamente correto lacrador SJW caça-níqueis problemático oh refilmagens garantia de fracasso, etc. Resultado? Um filme que funciona sozinho, visualmente majestoso e que só pela cena do Vader já valeu o ingresso, e fan-service é meu bilau de óculos.

Nerds não ligam pra esses fatos, o importante é reclamar, e não há nenhum exemplo melhor do que o acontecido com a Agência de Investimento Social da Nova Zelândia.

Para a festa de lançamento da agência eles encomendaram um bolo com mensagens institucionais em pseudo-código:

b7ot4bvtlrb3jbcv5jmkndodw4

Tecnicamente o programa está em R, mas é um chiste, uma graça, um adereço.

Isso não importa para os nerds. Desocupados foram cornetar na internet que era um absurdo a agência se vender como defensora de altos padrões de excelência e exibir código não-funcional. Reclamaram até dos confeiteiros, a Royal Icing Academy, de Wellington.

O caso foi investigado pela imprensa e Kirsten Stephenson, Gerente-Geral da Agência acabou tendo que dar uma declaração:

Embora tenhamos um processo robusto de análise e revisão para garantir a integridade e acurácia de nossos dados e códigos, esse mesmo processo robusto não é aplicado a bolos”.

Eu queria mesmo era ver esses chatos reclamando com o Arnold que o código-fonte que aparecia no Exterminador do Futuro era assembler 6502.

00-37-23

Fonte: NZ Herald.

Relacionados: , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e para seu blog pessoal, o Contraditorium,

Compartilhar