Melhor Coréia anuncia “ataque” a Guam, Trump responde à altura

53ae0b70jw1etlydaaya6j20fw0nmtb3

Essa semana a geopolítica anda agitada. EUA e Melhor Coréia estão se estranhando, mais do que o normal. Pra começar, uma estimativa meio chata concluiu que o Grande Líder tem material físsil (plutônio e urânio) para construir 60 ogivas nucleares, com capacidade de construir mais 12 por ano.

Para piorar várias fontes diferentes concordaram que eles já dominam a tecnologia para miniaturizar uma ogiva a ponto de caber em um míssil. Isso foi reportado de forma independente por jornalistas dos mais variados pontos do espectro político.

Para piorar mais ainda, a água começou a bater na bunda e aconteceu o impensável: o Conselho de Segurança da ONU fez algo além de mandar uma carta ríspida para PyongYang. Fecharam o maior pacote de sanções econômicas até hoje contra a Melhor Coréia, votaram e Rússia e China, que tradicionalmente vetam essas iniciativas, votaram junto e foi aprovado com unanimidade.

De cara a Melhor Coréia tomou uma lambada de US$ 1 bilhão, o que significa dizer bye-bye a 1/3 dos US$ 3 bilhões que compõe a ridícula balança de exportação daquele país.

O Grande Líder não gostou e começou a fazer ameaças. Disse que irão retaliar mil vezes mais, e que é bom que os EUA não se sintam seguros do outro lado do oceano. Donald Trump ficou de saco cheio, e declarou que se eles continuarem com esse papo de vou fazer, vou acontecer, irão se arrepender.

É melhor que a Coreia do Norte não faça mais ameaças aos Estados Unidos. Eles conhecerão fogo e fúria como um mundo nunca viu antes. (…) Eles conhecerão fogo e fúria e sinceramente, poder como o mundo nunca viu antes”.

Em resposta a Melhor Coréia soltou um comunicado aos “yankees” dizendo que não vão mais tolerar os testes de mísseis deles, ou os vôos de bombardeiros na região. E mais: estão se preparando para lançar quatro mísseis balísticos de alcance intermediário Hwasong-12 em direção a Guam, no Pacífico.

Os mísseis sobrevoarão as regiões de Shimane, Hiroshima, e Koichi no Japão. Voarão por 3.356,7 km, durante 1.065 segundos. Atingirão as águas a 30 ou 40 km de Guam. (…) A execução do plano oferecerá aos Ianques uma chance de serem os primeiros a experimentar de perto o poder das armas estratégicas da Coréia do Norte”.

O documento todo é escrito nesse estilo histriônico de vilão de quadrinhos, e como você deve ter reparado, eles avisaram exatamente como e por onde os mísseis passarão. A data, também no documento é definida como depois da metade de agosto, a critério do Grande Líder.

hwasong-12-2017-05-14-image06

O Grande Líder inspeciona um Hwasong-12.

Isso não é uma ameaça de ataque nuclear, e dada a distância é evidente que não estão planejando um lançamento de teste com ogivas reais, é apenas uma forma de demonstrar que “se quiserem” podem destruir as instalações americanas em Guam.

A ilha de Guam fica a 3.400 km da Melhor Coréia (e 6.139 de Dutch Harbor) e é minúscula. 45 km de comprimento, 13 km na parte mais larga, mas é estrategicamente essencial para os EUA: todos os vôos dos bombardeiros B1-B saem de lá, e é porto de parada da Marinha.

São sete instalações militares, mas Guam tem uma enorme população civil. São 162 mil habitantes, com status de cidadãos americanos (Guam é um território incorporado). A renda per capita é de US$ 30.500,00; e o PIB, vindo essencialmente do turismo é de US$ 4,88 bilhões. Maior que o da Melhor Coréia.

A população local ainda lembra como sofreu na mão dos japoneses quando a ilha foi invadida na 2ª Guerra Mundial, e embora não liguem muito pras ameaças do Grande Líder, há um certe receio que sejam abandonados pelos EUA. De novo.

guam-from-air

Guam. É isso.

A grande questão é: o Grande Líder é um vilão de quadrinhos, ele disse quando vai fazer o ataque simulado, ele quer que os mísseis sejam derrubados?

Sim, ele é um vilão de quadrinhos, a Melhor Coréia é um adversário do nível do COBRA, eles são basicamente retardados, mas retardados com uma faca afiada na mão.

Telegrafar todos os detalhes do ataque foi uma jogada muito inteligente, e eu explico.

Se os americanos detectam quatro IRBMs indo em direção a Guam, a expectativa razoável é de um ataque. Fica então a questão: reagir imediatamente ou esperar a confirmação? Claro, o bom-senso diz para esperar, mas vai que há um sujeito inexperiente e desequilibrado na Casa Branca.

guam

Sabendo do teste os EUA tem duas possibilidades: derrubar ou não derrubar. Se derrubarem, a Melhor Coréia pode chilicar acusando de interferência em um teste legítimo.

Se os EUA não fizerem nada, a Melhor Coréia dirá que os americanos estão indefesos e se o teste fosse real eles estariam em chamas.

Por outro lado, os EUA nunca tentaram interceptar quatro mísseis de uma vez. Todos os testes de interceptação foram em condições favoráveis e controladas, e os resultados não são grande coisa. Se os EUA tentarem interceptar os mísseis e errarem, deixando passar um que seja, terão mostrado ao mundo que estão quase indefesos.

Há também a remota possibilidade de o lançamento anunciado ser um ataque e a Melhor Coréia espere que os EUA não façam nada, afinal o teste foi avisado e não é hora de mostrar as reais capacidades dos interceptadores deles.

Caso o Japão ou a Pior Coréia tentem interceptar os mísseis na fase de ascensão, a Melhor Coréia vai considerar isso um ato de guerra.

A Melhor Coréia tem o hábito de ser BEM agressiva. EM 2010 fizeram um ataque de artilharia contra a ilha de Yeonpyeong, atingindo casas e prédios da população civil.


CBS — North Korea Attacks South Korea Island

No mesmo ano eles torpedearam uma corveta sul-coreana, a ROKS Cheonan, matando 47 marinheiros e ficando tudo por isso mesmo. Só que existe uma diferença entre ser agressivo e ser suicida. O Grande Líder, como todo gordo gosta de boa vida, e sabe que em seu país precisa da medida certa de agressividade.

Se ele for muito manso, deixa de ameaçar os outros países, perde a mesada que recebe para ficar quieto, e isso causará instabilidade interna. Os generais não vão gostar e ele será destronado. Se for agressivo demais, pode provocar uma guerra e isso não é bom para eles, sabem que não vão durar mais que alguns dias.

A grande dificuldade é que o país que falava que tinha um exército invencível e iria transformar os EUA em um mar de fogo está batendo de frente com um sujeito que A-DO-RA esse discurso hiperbólico troglodita.

Antes funcionava. Outros presidentes entravam no ritmo de não, calma, vamos conversar, a Melhor Coréia ganhava um trocado, fingia que tinha parado com o programa nuclear, retomava em seguida e o ciclo se repetia.

trump-chicken-f7f6efd371999bf5

Agora a Melhor Coréia fala que vai matar 100, o Trump responde que se pudesse matava mil.

É insano, eu sei, mas há uma possibilidade de que o Grande Líder recue, ao perceber que está lidando com um sujeito que não conhece nem se importa com as regras do jogo. Esse é o melhor cenário, mas nem de longe o mais provável.

A esperança é que a Inteligência sul-coreana e o NRO tenham determinado todos os locais de lançamento, e os SEALs estejam de prontidão para sabotar os mísseis antes que o conflito se inicie e o Grande Líder perceba que está encurralado, e se vai morrer, vai levar Tóquio junto.

Qual a razão disso? Nenhuma. É pura mesquinharia, maldade, algo digno de um vilão de quadrinhos, mas já foi determinado que é com esse tipo de gente que estamos lidando.

Quanto ao Trump, ele não é vilão, não tem competência pra isso. Ele é aquele presidente idiota que precisa do Jack Ryan pra salvar o dia. A má-notícia é que ninguém se qualificou para o cargo de Jack.

Conclusão

Há possibilidade de guerra? Sim, há. Muito pequena, e se rolar vai ser na base do climão, nenhum dos dois lados quer realmente chegar às vias de fato.

Há possibilidade de guerra nuclear? Ínfima, mas não-zero e isso é ruim. Claro não será uma Guerra Total Termonuclear, fim da civilização, etc. Será um arranca-rabo local, e a Melhor Coréia não tem capacidade de fazer grande estrago (relativamente falando). Será uma tragédia como nunca antes vista, mas não será o caso dos sobreviventes invejarem os mortos.

Há possibilidade de a guerra escalar? Não, essa guerra, assim como Ruby, não escala. Rússia e China já deixaram claro que estão de saco cheio com o Grande Líder. Os EUA avisaram que não estão interessados em mudança de regime, o que é código para se vocês se resolverem internamente e detonarem o gordinho pela gente tudo bem.

Rússia e China não querem fronteira direta com um aliado dos EUA, isso foi meio que garantido então o Grande Líder está sozinho nessa. Ou melhor, sozinho não. A UERJ e o PC do B estão com ele.

Leia também:

Relacionados: , , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz, Calcinhas no Espaço e Do Tempo Em Que A Pipa do Vovô Subia.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples