Autodesk dando uma força para preservar a memória do Império

museu_imperial_-_frente

Um passeio obrigatório para todo carioca é conhecer o Museu Imperial, em Petrópolis. Quando criança nossa principal lembrança são as divertidas pantufas, obrigatórias para não danificar os lindos pisos do prédio.

Construído entre 1845 e 1862, o então Palácio Imperial era a residência de verão de Dom Pedro II, a cidade de Petrópolis foi criada por causa do Palácio, que o Imperador pagou do próprio bolso, aliás.

É fascinante percorrer os corredores do prédio, perceber que todas aquelas figuras históricas que a gente ouviu falar brevemente no colégio e que agora só existem nos enredos das escolas de samba eram reais.

Infelizmente museus não são eternos, e as futuras gerações podem não ter um Museu Imperial para visitar. Acidentes, incêndios, guerras, tudo pode acontecer com o mais famoso dos museus, pergunte a Hipácia. É preciso preservar mais que o prédio em si, temos que dar um jeito de tornar a memória histórica à prova de meteoros e ISIS. E aí entra a Autodesk.

Ela está liderando um grupo de empresas em um projeto para digitalizar o museu, por dentro e por fora. Estão usando drones e lasers para mapear em 3D e alta resolução o prédio e os arredores, esses dados poderão ser usados em passeios virtuais, estudos arquitetônicos, projetos de restauração, tudo.

O projeto levará três meses colhendo os dados, mas já temos resultados preliminares:


Carlos Cardoso — Mapeamento do Museu Imperial usando drones e lasers

A Autodesk utilizará no projeto, entre outros os softwares:

  • ReCap — cria modelos 3D com base em objetos reais;
  • InfraWorks — gerencia projetos de engenharia civil de grande porte;
  • Revit e Revit Live — simula e projeta estruturas, integrando projetos elétricos, estruturais, hidráulicos, etc;
  • NavisWorks — gerencia e simula projetos agregando dados de diversas fontes;
  • 3DS Max — pra fazer aquelas animações lindas, com todos os dados gerados nos softwares acima;
  • Stingray — engine de games para renderização em tempo real, ideal para aplicações em realidade virtual.

Espero que o projeto dê certo, e seja ampliado, não só com a digitalização 3D individual dos objetos do acervo, como com sua expansão para outros museus. Hoje em dia um celular mediano e um visor vagabundo (preciso resenhar o meu) já proporcionam uma experiência de realidade virtual bem divertida. Ver isso espalhado em escolas não é ficção científica, e iniciativas como essa da Autodesk fornecem o material didático que justifica esse tipo de investimento no futuro.

Fonte: Digital Drops.

Relacionados: , ,

Autor: Carlos Cardoso

Entusiasta de tecnologia, tiete de Sagan e Clarke, micreiro, hobbysta de eletrônica pré-pic, analista de sistemas e contínuo high-tech. Cardoso escreve sobre informática desde antes da Internet, tendo publicado mais de 10 livros cobrindo de PDAs e Flash até Linux. Divide seu tempo entre escrever para o MeioBIt e promover seus últimos best-sellers O Buraco da Beatriz, Calcinhas no Espaço e Do Tempo Em Que A Pipa do Vovô Subia.

Compartilhar

Aproveite nossos cupons de desconto:

Cupom de desconto Asus, Cupom de desconto Frio Peças, Cupom de desconto Mundo da Carabina, Cupom de desconto JBL, Cupom de desconto Costa Cruzeiros, Cupom de desconto Loja do Mecânico, Cupom de desconto Staples