Home » Games » Miscelâneas » Por causa dos games, homens estariam trabalhando menos

Por causa dos games, homens estariam trabalhando menos

Economistas apontam os jogos eletrônicos como um dos principais motivos para os homens jovens estarem trabalhando menos do que antigamente e levanta uma grande discussão sobre o assunto.

3 anos atrás

videogame

Quem joga videogame há muito tempo provavelmente já ouviu que esta é uma forma de entretenimento que não leva a nada, que a pessoa está jogando sua vida fora ou coisas do tipo. Pois o Bureau Nacional de Pesquisas Econômicas dos Estados Unidos publicou um estudo que deverá ser utilizado por muitos críticos dos jogos eletrônicos.

Segundo ele, se hoje os homens com idade entre 21 e 30 anos trabalham menos do que as gerações anteriores, isso se deve aos games, mais precisamente ao ganho de qualidade que eles tiverem desde 2004, conseguindo assim “roubar” o momento de lazer desse público.

De acordo com a pesquisa, em 2015 os homens entre 31 e 55 anos trabalharam por volta de 163 horas menos do que o mesmo grupo antes do ano 2000. Porém, quando se trata daqueles na faixa etária supracitada, a diminuição foi de 203 horas. Ao perceber a diferença, os economistas Erik Hurst, Mark Aguiar, Mark Bils e Kerwin Charles começaram a cogitar as possibilidades e perceberam que os videogames tiveram um crescimento bem grande…

Eles descobriram que entre 2004 e 2015 o tempo de lazer para homens jovens aumentou 2,3 horas, sendo que 60% desse tempo costuma ser gasto jogando videogame. Já quando se trata das mulheres, o aumento no tempo livre foi de 1,4 horas, sem que fosse registrado um crescimento significativo no período que elas passam jogando.

O problema com os games só não é pior do que com o uso recreativo de computadores, já que que o aumento neste caso foi de 3,3 horas para  5,2 horas. Mas estejam os games sendo injustiçados ou não, acho interessante ver essa associação entre o aumento no consumo deles com a suposta melhora na qualidade dos jogos.

Contudo, alguns economistas questionam a associação, já que no Japão o mesmo fenômeno não tem sido visto e além disso, o estudo parece não levar em consideração o fato de os games, se considerarmos o investimento necessário, oferecerem muito mais do que outras formas de entretenimento, como filmes ou a própria televisão.

Outro detalhe importante é a maneira como a indústria mudou nos últimos anos, com os eSports que ganharam muita força e os streamings tendo se tornado para muitos um passatempo tão divertido quanto jogar por si só. De qualquer forma, o fato é que um estudo como este tem potencial para causar uma enorme discussão e sejamos sinceros, quem aqui nunca deixou de estudar ou se esforçar no trabalho apenas para jogar mais algumas horinhas daquele game que tanto adora?

Fonte: The New York Times.

Leia mais sobre: , , , .

relacionados


Comentários